Livro questiona mitos e 'invencionices' sobre o Contestado Capixaba

Obra revisa história da divisa de Espírito Santo e Minas Gerais, palco de conflitos políticos e agrários

No próximo sábado, 21 de setembro, às 18h, será feita apresentação do livro O Contestado Capixaba: historiografia e aspectos históricos no Trapiche Gamão, Centro de Vitória. A publicação reúne seis artigos de quatro autores sobre a questão pouco conhecida pelos capixabas sobre conflitos fronteiriços e agrários no noroeste do Estado.

Uma das principais questões da obra, que reúne estudos recentes sobre a questão, é desfazer, a partir de uma rigorosa análise histórica, o que chama de mitos e "invencionices" que dominavam o que era conhecido sobre o tema. 

O conflito ocorrido na região do contestado trata tanto da "questão lindeira", relativa à falta de definição sobre a fronteira entre Minas Gerais e Espírito Santo, quanto à organização camponesa de posseiro e à repressão de jagunços e polícia em favor de grileiros e grandes proprietários de terra, sobretudo em meados do século 20.

Com a descoberta de minerais preciosos e a criação da Capitania de Minas Gerais, as fronteiras nunca foram bem demarcadas, já que a região era povoada sobretudo por indígenas. A chegada de pessoas de outras regiões em busca de terras para povoar o local vai explicitar a questão. A falta de clareza sobre o território fez com que imperasse ali a "lei do mais forte". Por muito tempo houve cooperação entre mineiros e capixabas que habitavam a região, inclusive com grandes empreendimentos comerciais.

Porém a disputa pela tributação do comércio e população local entre Espírito Santo e Minas Gerais acirra a questão, que por pouco não desemboca num conflito armado de maiores proporções. A disputa é resolvida por meio de um tratado assinado em 1963.

Em paralelo a essa situação de segurança jurídica, emerge com força um movimento de posseiros organizados diante da ofensiva dos latifundiários para se apropriar das terras que ocupavam, o que levou a duas fortes repressões aos movimentos camponeses, uma nos anos 50 e outra nos anos 60.

Até os estudos mais recentes, esse primeiro massacre aos camponeses tinha como uma das principais fontes bibliográficas um romance histórico, a obra Cotaxé, de Adilson Vilaça, de caráter ficcional que também gerou um documentário. O mesmo autor lançou uma pesquisa histórica chamada Cotaxé: a reinvenção de Canudos. Outro importante registro foi a reportagem O Massacre em Ecoporanga, do jornalista Luzimar Nogueira Dias, que visitou a região buscando retratar o ocorrido.

Por meio de diversas pesquisas realizadas nos últimos anos, foram descobertas novas evidências que questionam vários elementos contidos nessas obras e que serviram de base inclusive para a formação de materiais didáticos sobre o tema, reproduzindo alguns mitos que os autores de O Contestado Capixaba consideram sem lastro histórico.

Na obra, o professor do departamento de História da Ufes, Ueber José de Oliveira e o mestres em História Élio Ramires, Victor Lage Pena e Leonardo Zancheta Foletto, trazem evidências e novos olhares sobre a questão fronteiriça e os conflitos agrários.

Os autores não encontram fontes nem evidências de que havia um movimento separatista e messiânico liderado por Udelino Alves de Matos para fundar o Estado da União de Jeovah, como publicado na obra de Vilaça e em outros locais. Embora de fato Udelino tenha sido líder do movimento agrário nos anos 40 e a mística e religiosidade fossem presentes dentro da luta camponesa, como o é até hoje, os autores apontam a situação como um conflito entre os posseiros e os latifundiários da região na disputa por terra.

Além disso, encontraram fontes históricas que apontam que Udelino não foi morto durante a grande repressão policial ao movimento agrário em 1953. Embora tenha desaparecido da região de Cotaxé, hoje distrito de Ecoporanga, há parcos registros de sua presença em Paraty (RJ) anos depois e também de uma tentativa de visitar Juscelino Kubitscheck em Minas Gerais para agradecer pela atenção dada à solução da questão fronteiriça quando era governador daquele estado.

Na leitura de Elio Ramires, também é possível encontrar no movimento camponês que surge após a desaparição de Udelino, capitaneado pelo então Partido Comunista do Brasil (PCB), elementos de continuidade com o anterior.

AGENDA CULTURAL

Lançamento do livro O Contestado Capixaba: historiografia e aspectos históricos

Quando: Sábado, 21 de setembro, 18h às 20h

Onde: Trapiche Gamão - Rua Gama Rosa, 236, Centro de Vitória/ES

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Edson Pereira , terça, 17 de setembro de 2019

    Parabéns aos mestres, levantar uma história tão importante na região noroeste...hj "CONTESTAMOS" o ÓDIO, a INVASÃO, a VIOLÊNCIA, hj ORGULHAMOS DE SER PARCEIRO E AMIGO DE "MINAS GERAIS".

Matérias Relacionadas

Fabio Pinel mostra seu dom de cantar

Sambista da nova geração do Espírito Santo lança seu primeiro álbum de obras autorais

Livro aborda história do movimento LGBTI+ no Espírito Santo

Primeira obra que sistematiza a luta histórica no Estado será lançado quarta-feira (18) em Vitória

Caminhada dos Zumbis Contemporâneos abre inscrições para 10ª edição

No dia 21 de março, grupo vai percorrer 18 km à noite rumo ao restaurado sítio histórico de Queimado

Em 'Fenda e Vulcão', a literatura feminista de Cora Made

Autora apresenta sua primeira obra publicada na Quarta Literária do Thelema, no Centro de Vitória