Prefeita afastada de Presidente Kennedy deixa a prisão depois de quatro meses

Presa em maio, Amanda Quinta obteve decisão favorável no Superior Tribunal de Justiça

Após decisão unânime do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a prefeita afastada de Presidente Kennedy, Amanda Quinta, foi libertada da prisão  no final da tarde desta quarta-feira (18). O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) expediu o alvará de soltura em favor dela horas antes, em despacho assinado pelo desembargador Fernando Zardini Antonio, relator da Ação Penal (nº 0014622-27.2019.8.08.0000) movida pelo Ministério Público Estadual (MPES). Amanda estava presa no Centro Prisional Feminino de Cachoeiro de Itapemirim desde o dia 8 de maio, quando foi deflagrada a Operação Rubi, que apurou esquema de fraude em licitações e pagamento de propina no município.

De acordo com a decisão da Sexta Turma do STJ, a custódia preventiva da paciente deve ser substituída por medidas cautelares, devendo, obrigatoriamente, incluir “o afastamento dos negócios da prefeitura, bem como a proibição de contato com outros agentes envolvidos nas investigações”, e também "do cargo público eletivo, mantidos os vencimentos, mas proibida a utilização de qualquer bem relativo ao cargo".

Além disso, "proibição de acesso às dependências de qualquer órgão da prefeitura, devendo manter distância mínima de 100 metros; comparecimento mensal ao juízo para informar e justificar suas atividades; proibição de ausentar-se da comarca onde reside por mais de cinco dias, salvo quando autorizado judicialmente; prestação de declarações ao MPES e à autoridade policial sempre que solicitado; e recolhimento domiciliar no período noturno (22h às 6h) e nos dias de folga". 

Amanda foi presa após cumprimento de mandados de busca e apreensão da Operação Rubi, que também prendeu em flagrante o companheiro dela, o então secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, José Augusto Rodrigues de Paiva, o empresário Marcelo Marcondes Soares e o motorista do empresário, Cristiano Graça Souto. A visita do empresário à casa da prefeita para entregar R$ 33 mil de propina foi monitorada pela polícia, que efetuou as prisões ainda no local. Desde então, o município é administrado pelo vice, Dorlei Fontão (PSD).

Segundo o MPES, o objetivo da operação foi desarticular e colher provas relativas à atuação de uma organização criminosa constituída para lesar os cofres públicos dos municípios de Presidente Kennedy, Marataízes, Jaguaré e Piúma por possível direcionamento licitatório em favor de pessoas jurídicas contratadas, pagamento de vantagem indevida a agentes públicos e superfaturamento de contratos administrativos de prestação de serviço público. 

O Gaeco, com o apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES e parceria do Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE), começou a apurar as irregularidades no início de 2018, colhendo fortes indícios de que agentes políticos e servidores municipais recebiam propina de empresários dos ramos de limpeza pública e transporte coletivo. Esses valores pagos eram uma forma de retribuição por receberem benefícios financeiros em licitações e contratos, levando ao enriquecimento indevido dos envolvidos.

Com pouco mais de 11 mil habitantes, Presidente Kennedy tem um dos Produtos Internos Brutos (PIB) mais alto do país, com R$ 815 mil, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O município é o que mais recebe royalties do petróleo no Estado. Apesar dessa situação, atravessa seguidas crises, incluindo atraso no pagamento de servidores públicos.

Não é a primeira vez que a cidade é alvo de investigações por indícios de corrupção tanto no mandato de Amanda quanto no anterior, de seu tio, Reginaldo Quinta. A principal delas, a Lee Oswald, deflagrada pela Polícia Federal em 2012, prendendo 28 pessoas, entre elas o ex-prefeito. O bando teria fraudado pelo menos 21 contratos que chegam a R$ 55 milhões. Deste total, pelo menos R$ 9,5 milhões já teriam sido identificados como alvo de sobrepreço.

Amanda, ex-secretária municipal, chegou ao cargo pelas mãos do tio, então impedido de disputar a reeleição. Anos depois, no entanto, não aceitou mais a interferência de Reginaldo na sua gestão e os dois romperam politicamente, a ponto de serem adversários na disputa de 2016. A prefeita saiu-se vitoriosa com 53,5% dos votos.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Decreto que susta decisão do corregedor do TJES é baixado de pauta na Ales

Matéria trata do ato de Samuel Meira Brasil que extinguiu 51 cartórios extrajudiciais do interior

Prefeita afastada de Presidente Kennedy tem os bens bloqueados pela Justiça

Amanda Quinta foi libertada em setembro, quatro meses depois de ser presa por corrupção

MPES pede prorrogação do afastamento da prefeita Amanda Quinta

Prefeita é acusada de manter, quando presa, sua rede de contatos da máquina de Presidente Kennedy

TJES garante aluguel social para moradores expulsos pelo tráfico na Piedade

Instituto Raízes e lideranças locais, defendidos pela Defensoria Pública, conseguiram a vitória judicial