Servidores temporários da saúde também na luta pelo FGTS

Assim como os professores, trabalhadores da saúde são prejudicados com contratos temporários

Os servidores da saúde - estaduais e municipais - que já trabalharam com contrato de designação temporária (DT) têm direito a requerer os depósitos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) quando confirmada a ilegalidade do contrato, ou seja, aqueles com renovações sucessivas e indiscriminadas. Nestes casos, a prescrição para requerer o FGTS é de 30 anos e não de cinco anos. Essa tem sido a orientação da Assessoria Jurídica do Sindicato dos Trabalhadores na Saúde do Estado (Sindsaúde-ES).

De acordo com a assessoria jurídica, a entidade entrou com diversos recursos no Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ) e no Tribunal de Justiça do Estado questionando a limitação em cinco anos de prescrição, o que era extremamente prejudicial aos servidores DTs.

“O prazo de até 30 anos para requerer o FGTS vale para os contratos em curso até 2014 e de cinco anos para os contratos posteriores a 2014, ou seja, pode ser beneficiado quem trabalhou como DT entre 1988 e 2014 em contratos irregulares [que não faziam o recolhimento de FGTS]. O prazo para requerimento é até março de 2019”, informou a assessoria jurídica.

Assim como os professores estaduais, os trabalhadores temporários da saúde também são prejudicados com as renovações sucessivas de contratos. 

Licença-maternidade 

O Sindsaúde-ES também está representando servidoras em mandados de segurança com o objetivo de garantir a isonomia de direitos, ou seja, que as trabalhadoras contratadas tenham o mesmo direito que é concedido para as efetivas, principalmente no que diz respeito ao prazo de licença de maternidade.

Por vezes, o Estado alega que a servidora com contrato temporário teria direito à licença de quatro meses e que o período de seis meses seria concedido apenas para as efetivas. No entanto, de acordo com a assessoria jurídica do Sindicato, “tal discriminação fere o direito constitucional de isonomia. A contratada por designação temporária exerce mesmas funções das demais colegas de trabalho que são efetivas do Estado”.

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo tem determinado que o Estado conceda os seis meses de licença maternidade também para as servidoras contratadas, fazendo valer a Constituição Federal, garantindo o direito de maternidade, isonomia, igualdade e ainda o princípio da dignidade da pessoa humana.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Aprovados excedentes do Concurso Sejus acampam em frente ao Palácio Anchieta

Junto aos aprovados da PM em 1996, pedem preferência na contratação, no lugar de mais DTs

Contratação de mais DTs no Iema causa indignação entre servidores públicos

Sem concurso público há mais de dez anos, Iema precisa de pelo menos 137 vagas para servidores efetivos

Sindicato notifica secretário de Educação por processo seletivo irregular

Ao invés de concurso, Vitor de Angelo abriu processo para contratar auxiliar de secretaria em regime de DT

Ministério Público considera inconstitucional contratação de DTs pela Sedu

O órgão ministerial requereu ao Governo que apresente as medidas adotadas para redução dos DT's