Sesa descarta sarampo em Vila Velha e investiga outros cinco casos

Até esta quarta, Secretaria de Saúde registrou 94 notificações de suspeitas da doença no Estado

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) registrou, até esta quarta-feira (21), um total de 94 notificações de casos suspeitos de sarampo. Desses, 88 foram descartados, um confirmado (Cariacica) e cinco seguem em investigação (Alegre, Santa Leopoldina, São Mateus, Viana e Vitória). O caso que estava em investigação em Vila Velha foi descartado pela pasta.

Nessa terça-feira (20), o Ministério da Saúde divulgou que o Brasil registrou, nos últimos 90 dias, entre 19 de maio a 10 de agosto de 2019, casos confirmados de sarampo em 11 estados: São Paulo (1,7 mil), Rio de Janeiro (6), Pernambuco (4), Bahia (1), Paraná (1), Goiás (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Sergipe (1) e Piauí (1).

No Estado, o primeiro caso de sarampo foi confirmado em uma adolescente de Cariacica, de 19 anos, que esteve em São Paulo entre os dias 14 e 21 de julho. Ela já está curada e passa bem. 

Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Danielle Grillo, o Espírito Santo está em alerta para a detecção de casos da doença no Estado, por isso, ela destaca sobre a importância da vacinação. “A ampliação da vacinação das crianças de seis meses a menores de um ano residentes em todos os municípios é uma ação recomendada pelo Ministério da Saúde em decorrência do aumento de casos da doença em alguns estados”, explicou.

O sarampo é doença viral de elevada contagiosidade, cuja a transmissão ocorre por meio de secreções nasofaríngeas, expelidas ao tossir, espirrar e falar. Casos graves podem levar ao óbito.

Os principais sintomas são febre acompanhada de tosse persistente, irritação ocular, coriza, congestão nasal e mal-estar intenso. Depois, há o aparecimento de manchas avermelhadas no rosto, que progridem em direção aos pés, com duração mínima de três dias.

O esquema vacinal orienta que deve ser aplicada uma dose de vacina tríplice viral aos 12 meses de idade e uma dose de vacina tetra viral aos 15 meses. Os indivíduos de 1 a 29 anos devem ter duas doses de vacina com os componentes sarampo, caxumba e rubéola. Para aqueles de 30 a 49 anos, uma dose é o suficiente. Os trabalhadores da Saúde devem ter duas doses da vacina tríplice viral, independentemente da idade.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Espírito Santo confirma primeiro caso de sarampo em Cariacica

Adolescente que mora no município passou uns dias em São Paulo, onde há surto da doença

Projeto para criar fundação estatal da saúde será enviado à Assembleia neste mês

Sesa realiza treinamentos, mas há dúvida sobre salários dos servidores, que deverão ser menores

Comunidades reivindicam apoio do governo estadual para saúde indígena

Paulo Tupinikim considera que atendimento é insuficiente em nível municipal. GT foi formado junto à Sesa

Aprovados em concurso para cartórios querem fim de investigação sobre fraudes

Em petição ao CNJ, concurseiros reagiram ao prosseguimento das apurações pela Corregedoria do TJES