Gurus e curandeiros – parte VII

Já na sessão com Otília Diogo, o circo seria armado pela revista O Cruzeiro

O CASO OTÍLIA

Chico Xavier, mesmo depois da proibição de seu guia Emmanuel de realizar sessões de materialização, foi assistir em 1963 as conhecidas aparições que eram produzidas pela médium Otília Diogo. Por sua vez, uma das aparições que eram mais frequentes se tratava de uma freira chamada Irmã Josefa.

O chamado caso Otília, um dos mais polêmicos do espiritismo brasileiro, teve a participação ardilosa da revista O Cruzeiro, que primou pelo sensacionalismo e pela intenção de desmascarar o fenômeno espírita e colocá-lo no ridículo. O escândalo produzido pela revista na época ganhou dimensão nacional e, de certa forma, colocou o espiritismo no debate público.

O livro de Jorge Rizzini, chamado Materializações de Uberaba, é o documento principal do chamado Caso Otília, e descreve a má-fé da revista em detalhes. Os repórteres enredaram Chico Xavier e toda a equipe que participou da materialização pela médium Otília em um escândalo que abalou todo o movimento espírita mundial.

Num sessão de controle rigoroso, com equipamentos de filmagem e fotografia, realizada dentro do consultório do médico Waldo Vieira, foram instaladas nove câmeras fotográficas. Tal medida tinha como objetivo capturar as imagens materializadas dos espíritos em nove ângulos diferentes para exame e confronto. Além destas câmeras, também havia barômetros, balanças, dentre outros equipamentos para controle rigoroso do fenômeno que se daria ali, para evitar qualquer forma de fraude, incluindo nisto uma jaula de aço para que os médiuns realmente comprovassem a veracidade do fenômeno de materialização, mais uma forma de evitar qualquer forma de prestidigitação.

Na abertura da sessão, temos Waldo Vieira lendo um trecho do Evangelho, e logo se apaga a luz do consultório, com a sala ficando na escuridão total. Começa-se a ouvir, no lado esquerdo da jaula, ruídos guturais. Era a médium Otília em transe e já em seguida liberando ectoplasma, tanto pela boca como pelos ouvidos e nariz. Logo se ouvem palavras gritadas e ininteligíveis, era a garganta recém-formada do espírito manifestado ali pelo ectoplasma liberado pela médium Otília.

Temos então a materialização de Irmã Josefa, com roupa de freira, toda branca, trazendo uma luz na fronte e no tórax. Ela diz um “Viva Jesus!”, e logo esparziu gotas de perfume. E então a freira manifestada diz : _ Sabem porque estou aqui entre vocês, meus filhos? Para dar provas de que a morte não existe. Provas verdadeiras de que todos vocês são imortais".

O espírito materializado da freira se deixou fotografar sem grandes problemas, e temos também nesta mesma noite a materialização do espírito de Alberto Veloso, ex-médico da Marinha, este sendo uma materialização integral que se anunciou no recinto esparzindo gotas de éter. Vendo a médium Otília Diogo, por sua vez, podemos nos lembrar de médiuns pioneiros como Eusápia Paladino, também analfabeta, e também da médium Mme. D' Esperance.

O ESCÂNDALO DA REVISTA O CRUZEIRO

E agora teremos a descrição da intervenção desastrosa, adrede, da revista O Cruzeiro, nas sessões de materialização envolvendo a médium Otília Diogo. E isto depois de uma primeira reportagem amigável do fenômeno, baseado num programa de TV, sem qualquer embasamento de local e contexto.

Em seguida, já na sessão com Otília Diogo, o circo seria armado pela revista. Eram sete repórteres e fotógrafos com intenções sensacionalistas. Dentro de um controle rigoroso, a médium Otília entra em transe, libera ectoplasma, e temos a materialização da freira Irmã Josefa, aparição esta que permaneceu materializada durante trinta minutos, permitindo-se ser tocada e fotografada. Depois temos a materialização do espírito de Alberto Veloso, este ficando por quarenta minutos, e também se deixando fotografar. Depois de impressões estupefatas dos repórteres da revista O Cruzeiro, no entanto, viria a armação do escândalo.

A revista passa a divulgar uma série de reportagens intitulada A Farsa da Materialização, série esta que atacou a médium Otília e os médicos presentes na sessão, todos acusados de mistificação e charlatanismo. Tratou-se de uma campanha de O Cruzeiro contra o Espiritismo que durou quase três meses consecutivos, ocupando onze números seguidos da revista, somando 70 páginas compactas e 87 fotografias. Tal bateria contra o Espiritismo não poderia poupar, evidentemente, e também, o médium Chico Xavier. Se tratou de uma soma de acusações estapafúrdias, com tons sensacionalistas.

Dentre as acusações, que o ectoplasma que saía de Otília era um chumaço de pano branco. Se viam sinais de dobragens e costuras nas roupas dos espíritos materializados. As materializações, sob a luz, projetavam sombras nas paredes. As fotografias das materializações são truques grosseiros. Documentos "oficiais" provam que a materialização de Uberaba é uma farsa.

A espiritualidade já sabia do escândalo que estava sendo tramado pela revista O Cruzeiro, e deste modo, por outro lado, Irmã Josefa atingiu seu objetivo, pois após a publicação da série de reportagens sensacionalistas, ocorreu um fenômeno editorial para o Espiritismo nesta época no Brasil, e que leva o Departamento Editorial da Federação Espírita Brasileira a afirmar categoricamente que o caso de Otília Diogo não ficou devendo nada ao caso Arigó. E logo em seguida, Luciano do Anjos e Jorge Rizzini, em programas televisivos, desmascaram a fraude dos repórteres da revista O Cruzeiro.

Contudo, seis anos depois deste escândalo, a médium Otília Diogo é presa com uma maleta cheia de roupas utilizadas nas chamadas “materializações”, sendo, inclusive, encontrado o hábito que era usado pelo espírito de Irmã Josefa. A médium, já presa, explicou que perdera a mediunidade em 1965, e que não se conformou e passou a apelar para truques.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.