Mudanças necessárias

O governador eleito, Renato Casagrande, tem a oportunidade de resgatar ações equivocadas de sua primeira gestão

Pelo que se observa até agora nos movimentos iniciais do governador eleito, Renato Casagrande  (PSB), o Espírito Santo tem a oportunidade de chegar a um ancoradouro na gestão pública que poderá  gerar alterações de rumo para levá-lo a um fase de maior equilíbrio socioeconômico e cultural. Um cenário que ocorre no fim da Era Hartung, marcada pelo atraso na área social, e apesar das incertezas projetadas pelos desatinos do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). 

Casagrande tem a chance de resgatar equívocos de sua primeira gestão, que o levaram a ser mal avaliados pelo eleitor, como mostra pesquisa do Ibope contratada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em julho de 2013. 

No levantamento, 76% acharam que o governo e os secretários utilizaram mal os recursos públicos, enquanto 26% avaliaram governo como ruim ou péssimo. 

Era um cenário favorável ao então ex-aliado Paulo Hartung, que o apoiara na sucessão do governo, em 2010, quebrar o acerto da “unanimidade”, que visava partilhar o poder entre os dois até 2025. Uma sucessão de confrontos e oposição, fator preponderante para Casagrande ser derrotado em 2014, subjugado pelo mantra hartunguista de “colocar o Estado novamente nos trilhos”. 

Não colou e deu no que deu: um Estado mergulhado em problemas, decorrentes da ampliação do loteamento de cargos entre grupos políticos, abandono do funcionalismo público, com destaque para a Polícia Militar, que deflagrou uma greve geral em 2017, aumento da violência e ampliação da concessão de renúncias e dos índices de sonegação fiscais.

O governador eleito sinaliza com alterações importantes na área de educação, até então debaixo crivo do Instituto Millenium, que trouxe para o Espírito Santo o projeto Escola Viva, implantado de forma abrupta, com sensíveis prejuízos principalmente  às populações interioranas.  Esse programa representou, também, o abandono das escolas das famílias agrícolas. 

O secretário de Educação indicado, professor Vitor de Angelo, tem a responsabilidade de resgatar um setor essencial em toda e qualquer gestão pública. Seu currículo, construído fora da área política eleitoral, o coloca bem posicionado em relação às questões primordiais da atualidade, como o inconcebível “Escola sem partido”, que sufoca o pensamento crítico do aluno, contribuindo para a formação de  jovens cada vez mais alienados da realidade. 

As questões pendentes vão além desse projeto. Elas dizem respeito, também, à valorização do magistério, condições de trabalho e outras relacionadas às chamadas economias internas, que passam por moradia, saneamento e redução de desigualdades sociais, que se ligam diretamente à questão de segurança pública.  

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.