O caso das vacinas

Muitas doses ''desapareceram'' pelo caminho e ficou tudo por isso mesmo

Vamos falar de um problema que ocorre na saúde, mas que tem a ver com a imprensa também, aliás, com a imprensa investigativa praticamente em extinção no Brasil.
 
Com o surto da gripe H1N1, que esta virando calamidade, o governo cuidou de vacinar a população brasileira, a população de risco, basicamente, crianças, idosos e gestantes. O resto da população que quisesse imunidade teria de pagar por ela. O problema é que o pânico com as mortes que cresciam fez desaparecer a bendita vacina do mercado. Nem com o dinheiro na mão era possível comprar a imunidade.
 
A imprensa, da qual faço parte, como sempre, divulgou o esquema do governo nessa vacinação. Aliás, é nessa época que se vacina esse grupo de risco para qualquer gripe, todos os anos. Este ano apareceu a tal da H1N1 e tudo virou de cabeça pra baixo.
 
Com o alarde das autoridades a imprensa replicou e alastrou a informação. Então o grupo de risco correu aos postos de vacinação, entre eles, parentes e amigos dos agentes de saúde. Consequência: a vacina, que já era na régua, não deu para cobrir o chamado grupo de risco, quanto mais a população em geral. Faltava completar o grupo de risco. Compraram mais 150 mil doses da vacinas. E ainda tem gente que não foi vacinada.
 
A imprensa acompanhou tudo, inclusive a denúncia sobre os desvios das vacinas, que ficou por isso mesmo, sem apuração nenhuma. Pior, os governos estaduais e municipais garantem que 130% do grupo de risco foi vacinado. Não é verdade.
 
A imprensa não apurou nada direito e ficou por isso mesmo. O que ela continua noticiando é que a H1N1 vem fazendo novas vitimas e brasileiro morrendo todo dia em consequência da doença.
 
Pergunto: Isso vai ficar assim? O governo federal não vai fazer nada? Na condição de membro da imprensa, me recuso a dar estatísticas do governo. Não sei se são confiáveis.
 
PARABÓLICAS
 
Jorge Acetato, o nosso Tato é quem faz o noticiário da Nossa Rádio, emissora do RR Soares
 
A DJ Jéssica Mallman, filha da querida apresentadora Lilian Jane, brilha nos shows noturnos com suas pick ups fumegantes
 
Por falar em Nossa Rádio, as figuras queridas de André Costa e de Luis Souza fazem a locução. É uma rádio redonda
 
Em Cachoeiro, o apresentador Bobby Lee continua arrebentando na Cidade FM, que detém grande audiência na Princesa do Sul
 
MENSAGEM FINAL
 
Ensinar é mostrar que é possível. Aprender é tornar possível para si mesmo. Enrico Oliveira
  • Palavras-Chaves
Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.