Os sons da resistência

Hartung se esforça para evitar Max Filho como adversário na disputa ao governo, mas embate entre os dois só começou...

A candidatura do prefeito de Vila Velha, Max Filho (de saída do PSDB), ao governo do Estado é tudo que Paulo Hartung não quer. Max conhece as feridas de Hartung e até já meteu o dedo em algumas delas, inclusive, durante entrevistas comigo.
 
Se voltarmos ao passado, vamos encontrar Hartung candidato ao governo com o apoio da maioria do mundo político e, do outro lado, Max pai, acompanhado por poucos e, mesmo assim, perdeu por um bico de proa, ficando claro para Hartung que esses Mauros são um perigo à sua longevidade. 
 
Vou mais, nas eleições posteriores de Hartung, vimos que os candidatos opositores nem tocaram nele, e isso se repetirá se Max Filho não for candidato. 
 
A senadora Rose de Freitas (MDB), por exemplo, que também é pretendente ao governo do Estado, não mexe em um fio de cabelo de Hartung. Ela respeita o poderio dele. O ex-governador Renato Casagrande (PSB), que volta e meia aparece como adversário, se comporta da mesma forma. Fica naquela história de que “eu não quebrei o Estado”, Hartung retruca que “quebrou sim”, e pronto. É tudo que Hartung quer.
 
Com Max Filho prefeito e Hartung no governo, não houve até hoje destinação de nada a Vila Velha. Max, em vez de ficar quieto na prefeitura para arrebentarem com ele, foi para o confronto. Na entrevista dele na TV Século, pegou Hartung, e pegou bem. 
 
Também conseguiu articular com o pai a ida para o Podemos com o apoio de Álvaro Dias, para ser candidato ao governo estadual. Hartung, mais do que depressa, reagiu. Foi atrás do presidente estadual do Podemos, o deputado Hudson Leal, e saiu com ele debaixo do braço pelo Estado. 
 
Hudson voltou dizendo que os prefeitos não querem Max Filho candidato do partido. 
 
Vejam a situação: Hudson Leal não tem voo para ir além de deputado estadual e, mesmo assim, precisa dos votos de outros candidatos.  Álvaro Dias não está precisando de deputado estadual para ganhar o governo federal. Ele precisa de outros cargos, como o de governador. 
 
Vamos deixar de lado esse episódio doméstico para voltar à cena eleitoral de embate entre PH e Max filho. Vai incendiar o Estado, porque aí tem confronto, e PH não é confrontante. É de dar rasteira, empurrar morro abaixo, e isso ele não conseguiu fazer com o Max pai e não o fará com o filho. Não digo que Max Filho irá ganhar a eleição. No momento, Hartung ainda é o favorito, mas nascerá finalmente um antagonista para o governador, o que ele conseguiu evitar até hoje. 
 
Hartung já estava com tudo armado para ganhar a eleição. Articulou com o seu produtor de votos, o deputado estadual Amaro Neto (PRB), que está com a bola cheia e, se disputar a eleição ao Senado, uma vaga provavelmente é dele. Neste jogo, Hartung colocou também um zelador para Amaro, o secretário de Esporte, Roberto Carneiro (PRB). 
 
Amaro é o grande trunfo do Hartung. No entanto, vamos admitir Hartung governador e Amaro senador....vai para a eleição uma chapa com conflito. Amaro é candidato da classe C e D e Hartung da A e B. Como juntar isso? Na disputa de Amaro à prefeitura de Vitória, ele só recebeu votos da C e D, não conseguiu entrar nas outras. 
 
As movimentações no campo político mostram que a eleição está só começando. O confronto entre Hartung e Max Filho, também!
  • Palavras-Chaves
Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.