Política da coação

A oposição a Luciano Rezende se levanta na Câmara e sente o poder de coação do Executivo

As relações entre os poderes Executivo e Legislativo devem se caracterizar pelo debate em torno do desenvolvimento socioeconômico visando o bem-estar da comunidade. É o fazer política como fator essencial à esfera coletiva, diferentemente do que é registrado no dia a dia nos gabinetes de homens públicos.

O registro de uma chapa de oposição para disputar as eleições da Mesa Diretora da Câmara de Vitória nessa quinta-feira (26), consolidando um racha na base de sustentação de Luciano Rezende, prefeito da cidade há seis anos e oito meses, registra lances lastimáveis, desses que se mostram totalmente contrários ao fazer política com seriedade. 

A política de convivência democrática, seguindo preceitos necessários à alternância de poder, não se faz por meio de posturas autoritárias e mesquinhas em defesa de interesses partidários sem base ideológica, sustentados, exclusivamente, por individualismos, sempre perniciosos.

Desse modo, o fazer política se transforma em simples jogo de poder, “um vale-tudo em que o essencial passa apenas por resultados imediatos”, para lembrar o pensador Milton Santos, cujos objetivos ficam bem longe de necessidades comunitárias. Nesse quadro, pratica-se, sem qualquer cerimônia, a coação em sua mais alta escala.

Diante da ameaça de perder o controle da Câmara, há mais de quatro anos em poder do PPS, o partido do prefeito, um grupo de vereadores aceita o jogo do Executivo. 

Tendo à frente o vereador Max da Mata (PSDB), que se diz oposição, mas joga do lado que lhe traga mais benefícios, apresenta um projeto sobre o preenchimento de cargos comissionados, uma espécie de coação ao grupo contrário. 

Encoberto debaixo do cansativo chavão de  “redução de gastos”, o projeto ameaça os vereadores contrários ao prefeito com a diminuição dos cargos, que sempre são usados como moeda de troca da classe política. 

Caso perca a disputa para a Mesa Diretora, cuja posse ocorrerá em janeiro de 2019, a atual gestão terá chance de colocar os futuros dirigentes sem condições de trabalhar, por falta de servidores. Não terão comissionados nem perspectiva de abertura de concurso público.  

No projeto, há a abertura para um jogo de cena, já conhecido da classe política, que nada tem a ver com o poder fiscalizador das câmaras municipais visando transformações sociais. Joga-se com poder para não mudar nada, importando apenas a aparência.

A falta de visão de políticos desse tipo coloca o Brasil, o Estado e os municípios dentro de uma bolha cujo poder não resulta em melhorias em setores essenciais, como saúde, segurança e educação, mas, isso sim, na manutenção de um poder egocêntrico, que torna o mote de mudança do primeiro mandato de Luciano Rezende em uma grande manifestação do nada. 

Um olhar sobre Vitória, mesmo que rápida, mostra essa realidade. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.