Sem diálogo

Processo de instalação do Destacamento da PM na Piedade sintetiza a tônica do governo Hartung

O processo de instalação do Destacamento da Polícia Militar (DPM) no bairro da Piedade, Centro de Vitória, sintetiza a tônica do governo Paulo Hartung (sem partido) nesses últimos quatro anos e, também, em seus dois mandatos anteriores: a total falta de diálogo com os movimentos sociais, principalmente em áreas essenciais para a qualidade de vida das comunidades capixabas, como Educação, passando pela Saúde e também na Segurança Pública. 

Como se não bastassem os problemas enfrentados pelos moradores do berço do samba capixaba, comunidade marcada pela carência de serviços públicos e ausência gritante do poder estatal, somada à falta de oportunidades que tem perpetuado a pobreza, a forma do governo do Estado para enfrentar a violência também deixa a desejar e estigmatiza ainda mais quem tem o morro como local de moradia e, mais que isso, local onde estão fincadas suas raízes. 

A comunidade e seus porta-vozes mais importantes, como as entidades do movimento social e da sociedade civil organizada, não são ouvidas num processo que diz querer uma pacificação. Ao contrário, precisam “fazer descer goela abaixo” decisões de gabinete da equipe de Hartung.

Foi assim desde o início do processo para instalação do DPM da Piedade, estrutura inaugurada com pompa e circunstância na tarde dessa quarta-feira (26). A questão não é a comunidade ser contra o destacamento muito pelo contrário, esse é um desejo dos moradores, mas sim a maneira como foi implementado, desde o início, sem ouvir os moradores e seus representantes numa decisão tão importante. A presença da Polícia Militar no território precisa ser diferente para ser eficaz e não estigmatizar ainda mais e trazer, em vez de mais medo, a tão sonhada segurança para um bairro que ficou marcado pelo terror após quatro assassinatos de jovens neste ano de 2018.  

A falta de diálogo se mostrou de diversas maneiras. Em primeiro lugar, o secretário de Estado da Segurança Pública, Nylton Rodrigues, em 18 de julho deste ano, convocou a imprensa para anunciar o local onde seria instalado o destacamento, surpreendendo os moradores. O Instituto Raízes, ONG que realiza trabalhos sociais no bairro, considerou a coletiva de imprensa um espetáculo midiático, além de total falta de respeito com a comunidade, que de nada sabia até então.

Em nota, manifestou sua revolta na época: “de forma espetacularizada e sorrateira, o secretário de Segurança anunciou, que este mesmo Centro de Vivência, único lugar que a comunidade tem para acessar internet, elaborar trabalhos escolares e se socializar, pode virar a base da PM. É fácil tirar pirulito da mão de criança. E é justamente isso que o Estado tenta fazer. Além da falta de diálogo, e nos parece de sensibilidade, a comunidade é vítima da intervenção estatal autoritária e da ausência de políticas públicas eficazes”.

O Governo voltou atrás, mas a falta de diálogo prosseguiu quando, novamente, a comunidade foi surpreendida com um decreto de desapropriação de imóvel, assinado pelo próprio governador Paulo Hartung, que daria lugar ao DPM. Surpreendida, pois o desejo era de que o destacamento ficasse na parte alta. O imóvel, inaugurado nessa quarta (26), fica na parte baixa. Mais uma vez, indignação, pois nem convite para tal evento as entidades receberam: “Esta estrutura montada no bairro, em que a maioria das casas não possuem sequer acabamento ou mesmo banheiro interno, é reafirmar o lugar de exclusão que se insere o Morro da Piedade. O que nos incomoda é a inércia nestes seis meses que a PM já atua no local, sem dar ouvido a lideranças locais e moradores...”, se manifestou novamente a ONG Raízes da Piedade em suas redes sociais no último dia 25 de dezembro, quando se comemorava o Natal. 

Nesse mesmo texto, a comunidade, por meio de seus porta-vozes, revela o que, na verdade, deseja: “mais que polícia, os moradores da Piedade querem saúde, urbanização, cultura, lazer e todas as políticas públicas necessárias a que tem direito e merece!

Já fica como eco para o próximo governo, de Renato Casagrande (PSB)!

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.