Ufes, 35 anos

Ufes continua sendo <i>pièce du resistance</i> de românticos petistas, que outrora eram esquerda e hoje não sabem mais o que são

Voltei à Ufes esses dias para uma audiência de conciliação num posto avançado que o Tribunal de Justiça mantém no campus. Para achá-lo, tive que andar entre os prédios, nas calçadas de ligação e por debaixo das árvores.
 
Como o negócio era jurídico, tive de ir onde fica o Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas, o mesmo que frequentei enquanto fazia Administração de Empresas, ligado à Economia. Aí matei minhas saudades de 35 anos atrás
 
Lembrei-me de muitos colegas vendo a juventude de hoje andando de lá para cá. Éramos iguais, pois juventude é tudo, igual seja a época que for. Lembrei de alguns como Edmara, Ruth e Evandro, Baiano, Jair, Otacilinho; lembrei de nossos professores, recém-chegados dos Estados Unidos, como Mario Herkenhoff, Stelio Dias, Vereza e os que já estavam como Marcelo Basilio e outros.
 
Notei também que muitos prédios foram construídos com certeza para abrigar novos cursos. Vi que a Ufes continua sendo pièce du resistance de românticos petistas, que outrora eram esquerda e hoje não sabem mais o que são.
 
Era a metade do dia. O restaurante universitário cheio, com rango a R$ 1.50, biblioteca com movimento, os caminhos com os estudantes indo e vindo, guardas motorizados circulando. Só senti falta de um centro de informação, pois afinal aquilo é uma cidade, pois até prefeito tem. Pelo menos no meu tempo tinha.
 
Um dos meus maiores orgulhos foi ter estudado lá. Abomino as universidades pagas. Estudei, me formei, fiz amigos sinceros e aprendi muita coisa que trago até hoje onde trabalho. Foi-me oferecida uma bolsa de estudos para fazer comunicação na UNB, mas bobamente recusei. A Ufes esta aí, firme e forte e fiquei feliz em revê-la.
 
PARABÓLICAS
 
O sindicato da classe reuniu o pessoal para uma festa de congraçamento no domingo dia 1 de dezembro. Valeu!
 
Outro dia vi nas redes sociais a indecisão do meu amigo Torino Marques de ficar com ou sem barba na TV
 
Uma das maiores confusões no principal Shopping de Vitória (dos Buaiz) e ninguém deu nada de informação. Solidariedade?
 
Vem ai ano que vem uma rádio noticiosa, como a CBN, pertencente a uma rede de comunicação tradicional
 
MENSAGEM FINAL
 
Cada homem tem direito a estar errado em suas opiniões, mas homem algum tem o direito de estar errado a respeito dos fatos. Bernard Baruch
 
  • Palavras-Chaves
Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.