'A Vale destrói, o povo constrói': MAB dá início à jornada de lutas

Atingidos pressionam por assessoria técnica e lembram aniversários dos crimes em Mariana e Brumadinho

Uma delegação capixaba com cerca de 100 integrantes está em Belo Horizonte (MG), em frente ao edifício da Justiça Federal, onde aguarda por um momento histórico: a homologação das assessorias técnicas que darão suporte aos atingidos para avaliação dos danos e pagamento de indenizações pelo crime socioambiental da Samarco/Vale-BHP, fruto do rompimento da barragem de rejeitos de mineração em Mariana (MG).


Delegação capixaba participa de atos em Belo Horizonte pela homologação das assessorias técnicas. Foto: MAB

Antes tarde do que nunca, se tudo der certo, a homologação deve sair no momento em que o Movimento dos Atingidos por Barragem (MAB) dá início à Jornada de Lutas dos Atingidos, com o tema a "Vale Destrói, o Povo Constrói", lembrando os quatro anos do crime de Mariana e um ano do rompimento em Brumadinho, também em Minas Gerais. O saldo total dos dois crimes é de 292 vítimas humanas fatais, fora toda perda de fauna e flora no entorno afetado. Além disso, o drama socioambiental persiste nas comunidades, sobretudo as ribeirinhas, onde há impacto da contaminação, doenças físicas e psicológicas, perda de fonte de trabalho, renda e lazer, entre outros efeitos que perduram.

O lançamento da Jornada de Luta no Espírito Santo será nesta sexta-feira (20), às 8h no Auditório Centro de Ciências Exatas (CCE), na Universidade Federal do Estado (Ufes), dentro da programação das Jornadas Universitárias em Defesa da Reforma Agrária (Jura), que tiveram início nesta quinta-feira. Na ocasião estarão presentes Heider Boza, dirigente do MAB no Espírito Santo, Arlindo Vilaschi, professor de Economia da Ufes, Mariana Sobral, defensora pública, e Ilona Açuena, diretora do Diretório Central dos Estudantes da Ufes (DCE-Ufes).

No Espírito Santo, a jornada dará destaque à questão da saúde dos atingidos hoje. No dia 15 de novembro, acontece em Baixo Guandu a Feira Estadual da Saúde dos Atingidos, que faz parte de uma campanha que o MAB vem desenvolvendo ao longo da bacia do Rio Doce, para criar um espaço de denúncia mas também de práticas integrativas focadas na saúde popular e no atendimento básico.

No início de outubro, o movimento fará diversas diligências com parlamentares para expor as questões que afetam os atingidos, culminando numa audiência pública no dia 5 de novembro, aniversário do crime de Mariana, quando haverá uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal em Brasília, presidida pelo representante capixaba Helder Salomão (PT). A nível estadual, o MAB deve encontrar com deputados por meio de articulação da parlamentar Iriny Lopes (PT), com objetivo de levar a debate com os legisladores as propostas colhidas da população para a Política Estadual dos Atingidos por Barragens (Peab).

As jornadas também serão marcadas por atos, encontros e marchas. Nos dias 26 e 25 de outubro acontece um ato das mulheres atingidas em Belo Horizonte. Em Mariana, será realizado o Encontro dos Atingidos e Atingidas nos dias 3 a 4 de novembro, véspera de completar-se quatro anos da tragédia que vitimou aquele e outros municípios da bacia do Rio Doce. Em janeiro, de 20 a 25, no marco do primeiro aniversário do rompimento da barragem de Córrego do Feijão, acontece a Marcha dos Atingidos e Atingidas que vai de Pompéu até Brumadinho.

A esperança é que com a contratação das assessorias e início de seus trabalhos se possa dar um passo importante, mas ainda são muitos os problemas e desafios a serem superados. Helder Boza desabafa: "A Fundação Renova só enrola. A população segue sem condições de trabalho, muitos sem casa, sem uma vida de paz e tranquilidade, tudo por lentidão no processo de reparação, de responsabilidade da Renova. Nossa casa vai mostrar que os atingidos é que devem ser responsáveis pela recuperação de suas vidas, eles devem ser os protagonistas, pois sabem o que precisam e fazem muito bem”.

Muitos dos atingidos não esperam sentados. Seguem em luta.

Confira as atividades das Jornada de Lutas dos Atingidos no Espírito Santo e Minas Gerais: 

De 3/10 a 5/10 – Diligencias com atingidos e parlamentares

De 25/10 e 26/10 - Em defesa da vida, mulheres atingidas na luta por direitos, em Belo Horizonte-MG

De 3/11 a 04/11 - Encontro dos Atingidos e Atingidas em Mariana-MG

5/11 - Audiência Pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias , em Brasília-DF

15/11 - Feira Estadual da Saúde dos Atingidos, Baixo Guandu-ES

De 20/1 a 25/1 de 2020 - Marcha dos Atingidos e Atingidas de Pompéu a Brumadinho-MG.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

'É triste ver o nosso rio morto e não poder mais pescar'

Andressa, de Colatina, conta como a decisão da justiça mineira trouxe mais sofrimento aos atingidos no ES

Trabalho comunitário reverteu estigmas e criou Território do Bem

União de bairros periféricos de Vitória virou referência em planejamento e ações coletivas

Diversas etnias se unem pela regeneração do Rio Doce no Encontro Ancestral

Evento acontece de 1 a 3 de novembro na comunidade de Areal e está com inscrições abertas

Pescadores capixabas levam denúncias a entidades de sete países

Intercâmbio da Campanha Nem Um Poço a Mais na Bahia apontou impactos da exploração de petróleo