Acompanhantes são barrados em hospital Antonio Bezerra em Vila Velha

Para Valdecir, do Sindsaúde, há servidores insuficientes para cuidar dos internados na unidade

A direção do hospital Antonio Bezerra de Faria está proibindo a entrada de acompanhantes para pacientes com idades entre 18 até 60 anos. A determinação tem prejudicado o atendimento, principalmente na hora do banho e da alimentação, nos casos de pacientes com dificuldade de locomoção. Isso porque a unidade hospitalar tem número insuficiente de funcionários para realizar o cuidado de todos os que estão internados. 

“São apenas dois técnicos para atender cerca de 70 pacientes, inclusive nos corredores. Sem os acompanhantes, este serviço fica ainda mais prejudicado. A informação que temos é de que a direção do hospital quer economizar o prato de comida que o familiar acompanhante teria direito. Além disso, as péssimas condições de trabalho, a falta de material e de equipamentos continuam sendo uma realidade triste do hospital”, explica Valdecir Nascimento, da Secretaria de Comunicação do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde no Espírito Santo (Sindsaúde-ES). 

O Hospital Antonio Bezerra de Faria está em processo de terceirização com edital já publicado. “A gente acredita que o governo esteja querendo economizar recursos para entregar para a nova empresa que vai assumir o hospital”, afirma Valdecir. 

Servidores e comunidades de Vila Velha estão preparando novos protestos contra a medida. Nesta quarta-feira (10), Valdecir Nascimento vai utilizar a Tribuna Livre da Câmara de Vila Velha para alertar sobre os riscos da terceirização. Já no dia 16, próxima terça-feira, um novo protesto será realizado na Praça do Centro de Vila Velha com munícipes de vários bairros da cidade e presença da bateria da escola de samba Mocidade Unida da Glória (MUG). 

O governo Paulo Hartung está decidido a entregar a gestão de seis hospitais estaduais à iniciativa privada, na figura das Organizações Sociais (OSs), até o fim do seu mandato. Depois do Hospital Silvio Avidos, em Colatina, no dia 28 de setembro foi publicado no Diário Oficial do Estado a Convocação Pública para Parceria com Organização Social de Saúde direcionada ao Hospital Antônio Bezerra de Farias. A previsão é de que outros quatro editais sejam publicados, repassando a gestão do Hospital Dr. Alceu Melgaço Filho, em Barra de São Francisco; Roberto Arnizaut Silvares, em São Mateus; Dório Silva, na Serra; e Infantil, de Vitória. 

O edital para entregar a administração do Bezerra de Farias a uma OS é similar ao publicado no 24 de setembro referente ao Silvio Avidos, unidade que é referência para toda região noroeste do Estado. No caso da unidade de Vila Velha, o valor para os primeiros 12 meses é de R$ R$ 44,2 milhões, sendo até R$ 42,8 de custeio e até R$ 1,4 milhão de investimento. A previsão de abertura dos envelopes é o 31º dia após publicação do edital. 

Diante do “pacote-bomba das terceirizações” sendo efetivado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) a toque de caixa no final da gestão Paulo Hartung, as entidades da sociedade civil se mobilizam para reagir. No caso de Colatina, o Conselho de Saúde Municipal da cidade já acionou o Ministério Público Estadual (MPES), alegando que o processo de terceirização do Hospital Silvio Avidos não foi apreciado pela entidade. Já os os trabalhadores realizaram atos em defesa dos hospitais estaduais. 

De acordo com os representantes do Sindsaúde-ES, que organizam as manifestações, “a estratégia de Paulo Hartung para drenar a verba pública da saúde para as mãos de empresários é sempre a mesma: a falta de investimentos na melhoria das unidades, promovendo o sucateamento do hospital, para depois justificar a entrega para as empresas travestidas de organizações sociais”.

A entidade afirma que tem denunciado diuturnamente os problemas que afetam o Hospital Antônio Bezerra de Faria, como as péssimas condições de trabalho, pacientes jogados nos corredores, falta de materiais básicos e de medicamentos. “Não vamos aceitar que mais um hospital público seja privatizado/terceirizado. A experiência das outras unidades onde este processo ocorreu é traumática e criminosa. Um exemplo é o Infantil de Vila Velha (Himaba), com registro de mortes que poderiam ter sido evitadas”, explica o diretor de Comunicação do Sindsaúde-ES, Valdecir Nascimento.

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Matérias Relacionadas

Congresso derruba veto e piso salarial dos agentes de saúde é mantido 

Michel Temer sancionou nova legislação profissional da categoria, mas havia vetado seis pontos

Sociedade civil de Cariacica vai realizar campanha em defesa da saúde pública

Reunião com vereador Professor Elinho definiu ações contra o sucateamento da rede e a terceirização

Escola de Samba apoia protesto contra terceirização de hospital de Vila Velha

Valdecir Nascimento conta que os sambistas da MUG irão se unir a servidores da saúde na próxima terça

Vereador pede dissolução da Comissão de Saúde da Câmara de Cariacica

Professor Elinho aponta que colegiado não investigou denúncias feitas antes de acionar MP e TCE