‘Acusação de Pazolini é extremamente irresponsável’, dizem movimentos sociais

Deputado acusou manifestantes contrários à condecoração da ministra Damares de serem a favor da pedofilia

Extremamente irresponsável e antidemocrática. É como a fala do deputado estadual Delegado Lorenzo Pazolini (sem partido) é classificada pelas entidades e organizações da sociedade civil presentes ao ato de repúdio à condecoração da ministra Damares Alves, na noite dessa segunda-feira (20) na Assembleia Legislativa.



Em resposta aos protestos feitos na galeria do no plenário Dirceu Cardoso, com cartazes e vaias, Pazolini disse, de forma irônica, que os manifestantes eram a favor da pedofilia.



O ato foi organizado pelo Fórum de Mulheres do Espírito Santo (Fomes), com apoio de outros movimentos sociais e organizações da juventude, sindicais, e de defesa dos direitos humanos.

“Foi um ato muito potente. Mostrou o contraditório, que existem pessoas que discordam dessa política que o governo federal está implementando e dessa homenagem a uma ministra que tem agido no sentido de desmontar as políticas públicas”, declara Bruna Gatti, integrante do Fomes.

Já a acusação de Pazzolini, afirma, “foi extremamente irresponsável”. “Ele pode até discordar da nossa pauta, mas jamais pode nos acusar de ser a favor da pedofilia, isso é absolutamente irresponsável. Discordar da nossa defesa e da nossa pauta é parte da democracia, mas jamais pode fazer esse tipo de acusação, que é extremamente grave”, explana a militante.

As entidades caluniadas por Pazolini estão estudando a melhor maneira de formalizar uma denúncia contra o parlamentar, que foi o autor da homenagem à titular do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Memoricído

A homenagem a Damares Alves fez parte de uma solenidade organizada por Pazolini em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e de Adolescentes, celebrado no dia 18 de maio, em homenagem à menina Araceli Cabrero Crespo, que, em 1973, foi sequestrada, dopada, estuprada, morta e carbonizada em Vitória.

Afilhado político do ex-senador Magno Malta (PR), de quem Damares foi assessora antes de assumir o Ministério, Pazolini também foi autor da Resolução nº 6.133, aprovada pela Mesa Diretora da Casa, que estabeleceu a concessão, à ministra, da Ordem do Mérito Domingos Martins no grau de Grã-Cruz, a mais alta honraria oferecida pela Casa de Leis capixaba.

Desde a aprovação da condecoração pela Mesa Diretora, diversas organizações da sociedade civil manifestaram seu repúdio, em função da atuação da ex-assessora de Magno Malta, que tem provocado o desmonte de políticas públicas conquistadas ao longo de décadas de lutas do movimento feminista e de outras minorias, como as populações indígenas, quilombolas e LBGT, além de provocar o chamado “memoricídio”, que é a tentativa de apagar até mesmo a memória dessas lutas históricas.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Conselho Nacional denuncia desmonte feito pelo ministério de Damares Alves

Conselho da Criança e do Adolescente está inviabilizado de exercer suas funções

Escolas não estão preparadas para educação especial, constata Comissão da Ales

Delegado Lorenzo Pasolini aprovou convocação de setor especializado da Secretaria Estadual da Educação

Ministério de Damares impede órgão de combate à tortura de vistoriar presídios

Ato envolvendo o Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura repercutiu no Espírito Santo

Perfil da nova ministra de Direitos Humanos preocupa militantes capixabas

Damares Alves, que é pastora, tem perfil conservador e demonstra distanciamento de lutas históricas