Aeroporto de Vitória é vendido a empresa suíça por R$ 437 milhões

Leilão esteve para ser suspenso por meio de uma ação do ex-governador Paulo Hartung

O Aeroporto de Vitória será administrado nos próximos anos pela Zurich Airport, operador do Aeroporto de Zurich, a principal corporação aérea da Suíça. O leilão foi realizado na Bolsa de Valores de São Paulo nesta sexta-feira (15) e até o final do ano estará concluído o processo de transição entre a Infraero e a nova administração.   
A Zurich deu o lance de R$ 437 milhões pelos aeroportos de Vitória e de Macaé que fazem parte do bloco do Sudeste, quantia que será paga no ato de assinatura do contrato. O leilão correu o risco de não se realizado, por causa de uma ação na Justiça movida pelo ex-governador Paulo Hartung. 

A Zurich Airport já administra, no Brasil, os aeroporto de Confins, na Grande Belo Horizonte, e de Florianópolis (SC). Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o ágio foi de 830% sobre o valor mínimo de R$ 46,9 milhões. Já a outorga total estimada para os 30 anos da concessão é de R$ 435 milhões.

Também foram leiloados os Blocos Nordeste (Recife, Maceió, João Pessoa, Aracaju, Juazeiro do Norte e Campina Grande), e Centro-Oeste (Cuiabá, Sinop, Rondonópolis e Alta Floresta).

Os 12 aeroportos em licitação respondem por 9,5% do mercado doméstico, com quase 20 milhões de passageiros/ano. Essa foi a primeira rodada de concessão de aeroportos em blocos.

Os lances iniciais mínimos foram de R$ 171 milhões para o Bloco Nordeste; R$ 46,9 milhões para o Bloco Sudeste; e R$ 800 mil para o Bloco Centro-Oeste.

A partir da assinatura do contrato, são previstos investimentos e medidas visando a ampliação do aeroporto, considerado um dos melhores do País, e também o início de voos internacionais. 

O leilão do aeroporto esteve para ser adiado por força de ação judicial movida pelo ex-governador Paulo Hartung, em 2018. Ao tomar posse, porém,  o governador Renato Casagrande desistiu da ação em acordo homologado no dia 29 de janeiro pelo juiz federal Aylton Bonomo Junior, da 3ª Vara Federal Cível de Vitória.

A audiência de conciliação, realizada na sede da Justiça Federal, selou acordo entre a União, a Anac e o Estado do Espírito Santo, e extinguiu a ação civil pública que o governo movia contra a União desde o final de 2018.

Em contrapartida,  o governo federal se comprometeu em acelerar o processo de internacionalização do aeroporto de Vitória e em concluir as obras do aeroporto de Linhares (norte do Estado) e os estudos para viabilidade de melhoramentos do aeroporto de Cachoeiro de Itapemirim (sul do Estado).

O processo movido pelo governo foi ajuizado no dia 11 de dezembro pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE), em ação civil pública na Justiça Federal com o objetivo de impedir a concessão em bloco para a iniciativa privada dos aeroportos de Vitória e Macaé.   
  
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • JOSUE BATISTA DA SILVA , domingo, 17 de março de 2019

    O desenvolvimento do sul do estado passa, também, pelo desenvolvimento do aeroporto de Cachoeiro. Mais uma vez fica demonstrada a falta de liderança e força política da região sul do estado, para lutar pela inclusão de uma pauta mais efetiva para o aeroporto de Cachoeiro. Vamos aguardar e torcer para que, ao menos, os estudos de viabilidade resultem em melhoramentos concretos para o aeroporto de Cachoeiro e consequente desenvolvimento do sul do estado. #CachoeiroPodeMais

Matérias Relacionadas

Carreata marcará assembleia unificada de servidores estaduais nesta quinta-feira

Objetivo é envolver a sociedade no pleito a Casagrande. Perdas salariais afetam toda a economia capixaba

Servidores denunciam assédio moral no trabalho em fazenda do Incaper

Más condições de trabalho são principal causa do assédio. MPT determinou regularização da estrutura física

Agricultores pedem paralisação de produção de energia no Rio Bonito

Pleito foi feito ao governador por Adilson Espindula e pede respeito aos usos prioritários da água

‘O artigo muito claramente é encomendado e escrito por quem não vive no ES’

Sergio Majeski criticou na Assembleia artigo do Estadão que exalta Hartung e desmerece Casagrande