Agência do Banestes em Vitória reprovada em acessibilidade

Perita judicial fez a constatação, que instruirá ação civil pública contra o banco

A agência do Banestes na rua Graciano Neves, no Centro de Vitória, não atende à legislação sobre acessibilidade. Foi o que constatou a engenheira Juliana Campos, nomeada perita pelo juiz que atua em ação civil pública sobre o caso.

“A agência bancária requerida não atende na sua totalidade as exigências das normas de acessibilidade vigente”, afirma a perita no processo nº 0036392-72.2017.8.08.0024. 

A ação foi ajuizada pela Associação de Defesa de Pessoas com Deficiência (Apasod), e é acompanhada pelo Ministério Público Estadual (MPES). O juiz do processo é Manoel Cruz Doval, da 8º Vara Cível de Vitória, que determinou a perícia.

O Banestes é uma das instituições alvo das pessoas com deficiência, que enfrentam dificuldades de utilização de seus serviços com autonomia.

O cadeirante Sidiclei da Sorreição, da direção da Apasod, confirma que além das muitas dificuldades que enfrenta no dia a dia, ainda é submetido a constrangimento quando precisa aguardar para que outra pessoa o ajude para conseguir entrar em uma agência bancária. 

A situação parece se repetir nas outras agências do Banestes pelo Estado e ainda em agências de outros bancos. “Não é razoável que uma parcela tão significativa da população e com direitos tão reconhecidos – inclusive em Tratado Internacional – seja ignorada ou mal atendida por instituições que têm tanto lucro no Brasil: só no quarto trimestre de 2017, o lucro líquido do Banestes atingiu R$ 51 milhões, 29,4% maior que o trimestre anterior, e 18,6% superior ao mesmo período de 2016”, cita o diretor da Apasod. 

Ele vai além e diz que em tempos de aplicação da legislação sobre direitos individuais e da Constituição Cidadã, “uma empresa que não considera a dignidade da pessoa humana não merece receber novos clientes e os antigos que decidirem mudar de banco fazem muito bem”.

Definição

Acessibilidade é, por definição legal, a condição para utilização, com segurança e autonomia, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, por pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida.

A definição é de 2004, mas já recebe críticas: o ato de portar traz em si o conceito de escolha, o que não têm as pessoas com deficiência. 

Essa parcela da população, que cresce a cada ano, tem combatido o preconceito e discriminação. No Espírito Santo já são 860 mil pessoas com deficiência e 46 milhões no Brasil. Os prédios públicos são dificilmente acessados com autonomia.

A Apasod decidiu encampar uma campanha por acessibilidade com autonomia nos prédios de uso público país. Começou a verificar as condições em sedes municipais e agências bancárias, onde constatou várias irregularidades. 

Leia Também:

0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Matérias Relacionadas

Ufes terá de fazer reformas para garantir acessibilidade em seus campi

MPF obteve decisão favorável da Justiça, necessidade de adequações são discutidas desde 2004