Agentes de saúde e de combate às endemias decretam estado de greve

Categorias querem cumprimento do piso e rejeitam proposta do prefeito de Vitória, Luciano Rezende  

Em assembleia geral que lotou o auditório do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde no Estado (Sindsaúde-ES), realizada nesta semana, os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agentes de Combate às Endemias (ACE) da Prefeitura de Vitória votaram contra a proposta do prefeito da Capital, Luciano Rezende (Cidadania), que não tem cumprido a Lei do Piso Nacional das categorias. Cerca de 600 profissionais estão em estado de greve e podem paralisar suas atividades a qualquer momento.
 
“Mais uma vez, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende, apresentou proposta de reajuste salarial que não atende aos anseios dos agentes e ainda desrespeita a legislação, tanto a Lei do Piso Nacional dos ACS e ACE (Nº 13.708/2018) quanto a lei municipal que trata da gratificação dos servidores (nº 7.835/2009)”, explica Romário Florentino, diretor do Sindsaúde-ES.

Segundo ele, as legislações estabeleceram valores "escalonados para reajuste do salário da categoria, sendo R$ 1.250,00 (2019), R$ 1.400,00 (2020) e R$ 1.550,00 (2021). Valores do salário base, sem contar as gratificações que são obrigatórias para os que atuam na área da saúde. “A prefeitura diz que cumpre o piso somando as gratificações ao salário base, o que não aceitamos”, completa.
 
Diante da falta de valorização por parte do prefeito, a categoria decidiu manter o estado de greve. “Vamos continuar unidos e aguerridos na luta. Nossa contraproposta aprovada por unanimidade pela categoria é pelo cumprimento das leis federal (nº 13.708/2018) e municipal da gratificação incorporada (nº 7.835/2009). Ações futuras e atividades de protesto estão sendo programadas pela direção do Sindsaúde-ES juntamente com a categoria”, adianta Romário.

Lei do piso nacional

Neste mês, a Associação dos Municípios do Espírito Santo (Amunes) elaborou nota técnica para que todos os 78 municípios capixabas cumpram a lei do piso nacional aos Agentes de Combate às Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS). O documento recomenda ainda o pagamento retroativo a janeiro de 2019.

O acordo foi formalizado entre a presidente do Sindsaúde-ES, Geiza Pinheiro, e o presidente da Associação dos Municípios do Espírito Santo (Amunes), Gilson Daniel, que também é prefeito de Viana.

Neste ano, já foram realizados protestos nas cidades capixabas para que os prefeitos cumpram a lei, tanto na Região Metropolitana da Grande Vitória quanto no interior.

Em Vitória, a reivindicação vem desde 2018, quando os Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias conseguiram uma decisão judicial que obrigou a Prefeitura da Capital a pagar o piso salarial da categoria.  A decisão, assinada pelo juízo da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual, Municipal, Registros Públicos, Meio Ambiente e Saúde de Vitória, teve efeitos retroativos a 2014. Os profissionais recebiam abaixo até do salário mínimo. 

A decisão deu ganho de causa à ação impetrada pelo Sindsaúde-ES, que representa os profissionais. Na sentença, o juiz Mario da Silva Nunes Neto julgou procedente o pedido do Sindicato, uma vez que a ilegalidade praticada pelo poder público municipal é flagrante.

Os profissionais também conseguiram decisão favorável em Fundão e Rio Novo do Sul. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Jheny , quinta, 30 de maio de 2019

    Aqui no município onde moro também está acontecendo isto, gostatia de saber pra onde esta indo o repasse que é do piso salarial que eles recebem do governo federal, muita falta de vergonha na cara

Matérias Relacionadas

Trabalhadores dos Correios decidem por suspensão da greve até dissídio coletivo

A categoria capixaba também acatou decisão. Votação do acordo será em 2 de outubro no TST

Pelo menos 70 policiais militares tentaram suicídio nos últimos dois anos no ES

Propensos a problemas de saúde mental já somam 93,64%. Situação se agravou depois do movimento de 2017

Decreto de Bolsonaro que extinguiu cargos na Ufes e no Ifes pode ser suspenso 

MPF pede que decisão que exonerou mais de 200 profissionais comissionados seja anulada 

Professores da Ufes param dias 2 e 3 outubro e greve não está descartada

Haverá ainda mobilização envolvendo os três segmentos da Ufes para debater o desmonte das universidades