Arsênio é detectado em água da comunidade de Degredo, em Linhares

Poços foram contaminados em 2015. Fundação Renova fornece apenas 5 litros de água por pessoa por dia

Água com arsênio para tomar banho, lavar roupa, alimentar os animais de criação e estimação, aguar as plantas. Essa é a realidade dos moradores da comunidade quilombola de Degredo, em Linhares, norte do Estado, desde que a lama tóxica de rejeitos de mineração da Samarco/Vale-BHP atingiu o rio Ipiranga.

Um estudo contratado pela Fundação Renova encontrou arsênio em 34 poços da comunidade. Em 16 deles, é impossível retirar o metal pesado e, em 18, o custo do tratamento da água inviabiliza o processo.

O resultado foi divulgado há alguns dias, quando as vigilâncias sanitárias municipal e estadual notificaram as famílias proprietárias dos poços contaminados, para que elas não façam mais uso.

“A gente tomou um choque. Pensamos: será que vamos ter que sair daqui? Demorou tanto tempo pra conseguirmos o que é nosso!”, suplica o estudante de Arquitetura Jadilson Lino de Olveira Gomes, referindo-se ao reconhecimento do Degredo como comunidade quilombola, que só aconteceu em 2016.

A interdição dos poços, no entanto, que seria o correto, ainda não aconteceu porque os moradores afetados não possuem outra fonte de água, já que nem a Prefeitura de Linhares nem a Fundação Renova estão levando água potável para a comunidade. “A Vigilância Sanitária diz que a gente não pode usar a água, mas como não tem outra solução, continuamos fazendo uso dela”, conta Jadilson.

De fato, apenas em agosto de 2018 que a Fundação Renova passou a fornecer cinco litros de água por pessoa por dia. O pedido feito pela Comitê Interfederativo foi de quinze litros, mas ela não cumpriu. A alegação é que só é necessário fornecer água para beber e cozinhar.

“O certo seria o caminhão-pipa abastecer as caixas d'água”, contesta Mônica Silva, moradora que, felizmente, não teve seu poço contaminado.

O sentimento, diz, é de tristeza e de revolta. “Tristeza porque estou vendo os rios e as nascentes mortas, porque mesmo ainda saindo água das nascentes, é uma água morta. E revolta porque eles dizem que não há nexo causal [a Fundação Renova diz que não há provas de que o arsênio encontrado na água de Degredo tenha origem na lama de rejeitos]. E o meu desconforto e a minha saúde como ficam?”, protesta Jadilson, lembrando que não pode mais exercer a primeira profissão, de pescador, devido à contaminação do rio e do mar.

O laboratório contratado pela Renova analisou 80% dos 178 poços do Degredo, a pedido da comunidade, que há muito vinha sentindo mudanças na qualidade da água.

“A água está com cheiro diferente e mais amarelada. E provoca coceira na pele depois de tomar banho ou lavar o rosto. Estou com manchas avermelhadas no rosto”, relata o estudante, lembrando que há muitos moradores com dermatites diversas, que atribuem à contaminação da água pela lama de rejeitos.

Mônica observa que a maioria dos poços mais contaminados estão localizados próximos do Rio Ipiranga, que corta a comunidade, e foi atingido pela lama tóxica através de sua foz. Na época de seca, o mar invadiu a foz, levando os rejeitos da Samarco/Vale-BHP pra dentro do Ipiranga e dos poços dos moradores.

“A insegurança hídrica das pessoas é muito grande. Já apareceram coceiras, dermatites, há muito tempo. E agora, com esse resultado sobre arsênio, o dano psicológico é enorme. Muitas pessoas em desespero, gente querendo ir embora, depois de tanta luta”, lamenta.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Areovaldo Costa Oliveira , quinta, 21 de março de 2019

    Na reportagem sobre a presença de arsênio na água de poços na região do Degredo, em Linhares/ES, foi dito que os proprietários de imóveis rurais foram notificados; entretanto, eu não recebi nenhuma notificação por parte da Renova ou das secretarias municipal ou estadual. Tenho caseiro que, por total ignorância, nada me disse. Estive lá várias vezes desde agosto/18 e até usei a água. A notificação formal é exigível para que as pessoas saibam claramente a que riscos estarão sujeitos pela ingestão, uso em banhos ou consumo de peixes e outros animais que tenham ingerido a água contaminada. Obrigado. Areovaldo Costa Oliveira Rua Buenos Aires, 583, Araçás - Vila Velha/ES

Matérias Relacionadas

Anvisa e oito órgãos desmentem Renova sobre liberação de pescado

Instituições afirmam que Anvisa não liberou consumo de pescado no Rio Doce contaminado por rejeitos

Renova precisa reforçar barramento do Rio Pequeno, diz auditoria do MPES

Segundo relatório da AECOM, nível da Lagoa Juparanã precisa se manter abaixo de 10 metros

Vale se retira do Pacto Global da ONU por crimes em Mariana e Brumadinho

Decisão é fruto da pressão de organizações brasileiras e internacionais, como MAB, Conectas e Greenpeace

Conselho de Meio Ambiente mantém multa de R$ 150 mil contra Samarco/Vale-BHP

Infração se deve ao não fornecimento adequado de água potável para atingidos pelo crime de Mariana