Articulações do PT incluem Coser ou Iriny na disputa à Prefeitura de Vitória

Ex-prefeito e deputada se articulam para fortalecer a chapa de vereadores e ter o comando do partido

A votação no Processo de Eleição Direta (PED) do PT, a ser realizada em 8 de setembro próximo para eleger delegados ao congresso nacional do partido e apontar o futuro comando no Espírito Santo, definirá também os nomes para concorrer à Prefeitura de Vitória em 2020. Mesmo sem chances de obter êxito, a candidatura servirá para puxar a legenda para a chapa de vereadores. 

A deputada estadual Iriny Lopes e o ex-prefeito João Coser, atualmente presidente do partido no Espírito Santo, trabalham com essa finalidade e se articulam para aproximar as diferentes correntes partidárias, a fim de garantir o comando da Executiva, pretendido pelo deputado federal Helder Salomão e a candidata ao governo do Estado em 2018, Jackeline Rocha. Essa escolha será realizada em outubro deste ano. 

Alinhada a João Coser, Jackeline Rocha representa, segundo os meios políticos, a continuação da gestão do ex-prefeito, apontado como desastrosa: não somente pela demonização do partido, que resultou na deposição da ex-presidente Dilma Rousseff e na prisão do ex-presidente Lula, mas, principalmente, por sua aproximação com o ex-governador Paulo Hartung. 

Iriny é próxima ao deputado federal Helder Salomão, que já se lançou candidato à presidência da Executiva. Os dois estão empenhados em reerguer o partido no Estado e se articulam com as diversas correntes internas. 

Sem chances de voltar a administrar a capital do Estado, o PT trabalha para montar uma chapa de vereadores com nomes já conhecidos do eleitorado, mas investe, ao mesmo tempo, em novas lideranças, a fim de inserir outros grupos, como jovens, mulheres, negros e evangélicos. Deve fazer de dois a três vereadores, segundo avaliação dos meios políticos.  

São apontados como candidatos com lugar garantido na chapa os ex-vereadores Alexandre Passos, Marcelão e Geraldo Bolão, o dirigente partidário Perly Cipriano e os ativistas Tarcísio Vargas, Arlete e Geraldo do Carmo. 

A última eleição da Executiva do partido, em 2017, foi marcada por muita polêmica e conflito entre o presidente João Coser e o então deputado federal Givaldo Vieira. Apontado como favorito, Givaldo denunciou manobra do adversário e não conseguiu os votos necessários e, sentindo-se traído, transferiu-se para o PCdoB, sigla pela qual não conseguiu a reeleição em 2018. Coser, da mesma forma, foi derrotado ao concorrer à Câmara Federal.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Coletivo Dona Astrogilda fortalece movimento feminista em Aracruz

Várias atividades marcam primeiro aniversário do grupo, que será comemorado com debate na Câmara

Majeski reafirma perseguição e diz que pode concorrer em Vitória pela Rede

Deputado aponta que as barreiras são em decorrência de um ''mandato altamente transparente''

No Dia do Professor, Assembleia Legislativa pode aprovar 'Lei da Mordaça'

Entidades convocam mobilização urgente contra projeto de Vandinho que afeta liberdade dos docentes

PT define em uma semana a nova Executiva e os rumos para as eleições de 2020

Helder Salomão e Jackeline Rocha disputam palmo a palmo os votos dos 250 delegados eleitos