Artistas divulgam manifesto com pedidos ao poder público

Grupo pede que medidas sejam tomadas para ajudar artistas capixabas em situação de vulnerabilidade

Um grupo de artistas capixabas publicou um manifesto enumerando seus pedidos e reivindicações diante da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Entre elas estão a constituição imediata de um comitê de artistas para gerenciar a crise no setor artístico; a instituição imediata de uma Bolsa Arte para os próximos três meses; a distribuição de bônus aluguel, energia, água, gás; passe livre no transporte público para todos do setor; financiamento de plataformas virtuais e de equipamentos para a produção artística; e editais públicos para atividades culturais a serem apresentadas de forma virtual.

"É preciso pensar em medidas que não são usuais, porque a situação não é usual, é necessário pensar o impensável, criar o novo, romper burocracias, interpelar legalidades, é hora de sermos razoáveis e exigirmos o 'historicamente construído impossível', comentam na nota, na qual conclamam aos governos estadual e municipais no Espírito Santo a responsabilidade de elaborar ações humanitárias em apoio a artistas que estejam impossibilitados de se apresentar e assim obter ingresso financeiro para se manter durante a crise.

Os artistas consideram que a difusão do coronavírus "fragiliza o paradigma neoliberal", com impacto maximizado por uma economia mundial débil e em crise permanente. "A Cultura é uma herança social, é um direito humano tão necessário à vida. Sem a cultura não existimos como um ser político e social. Portanto, não podemos jogar para escanteio os protagonistas dessas manifestações artísticas. A sociedade capixaba tem o dever de cuidar destes importantes e abnegados trabalhadores", conclamam.

O grupo de artistas também está mobilizado na organização do Festival Fico em Casa ES, que será realizado de 28 a 30 de março, com transmissões de apresentações culturais e artísticas pela internet.

Confira o manifesto na íntegra

MANIFESTO DXS ARTISTAS CAPIXABAS: Sobre o Direito à Arte e sobre o Direito à Sobrevivência nos tempos de Pandemia

A crise gerada através do Coronavírus fragiliza o paradigma neoliberal. O impacto será maior devido ao fato de termos uma economia mundial débil e em crise permanente. 

A crise reflete uma experiência universal de vulnerabilidade. Estamos vulneráveis e entre os grupos de alta vulnerabilidade encontra-se a categoria dos artistas.

Os artistas capixabas extremamente preocupados com a profunda crise provocada pelo Coronavírus que, consequentemente, ocasionou o fechamento de bares, restaurantes e o cancelamento de shows, peças teatrais, enfim, de todos os espetáculos, exigem medidas públicas para mitigar o profundo desemprego e a impossibilidade de geração de renda que estas ações institucionais, necessárias no momento, estão provocando entre os artistas e técnicos em espetáculos de diversões do Espírito Santo.

A Cultura é uma herança social, é um direito humano tão necessário à vida. Sem a cultura não existimos como um ser político e social. Portanto, não podemos jogar para escanteio os protagonistas dessas manifestações artísticas. A sociedade capixaba tem o dever de cuidar destes importantes e abnegados trabalhadores.

Para tanto, reivindicamos dos governos estadual e municipais responsabilidade na elaboração, junto com entidades sindicais e da sociedade civil, de ações humanitárias que sejam abrangentes à toda categoria artística.

É preciso pensar em medidas que não são usuais, porque a situação não é usual, é necessário pensar o impensável, criar o novo, romper burocracias, interpelar legalidades, é hora de sermos razoáveis e exigirmos o “historicamente construído” impossível.

Reivindicações:

  • Constituição imediata de um comitê de artistas para gerenciar a crise no Setor artístico;

  • Instituição imediata de uma Bolsa Arte para os próximos 3 meses;

  • Distribuição de bônus aluguel, energia, agua, gás...

  • Passe livre no Transporte Público para todxs do setor artístico

  • Financiamento de Plataformas virtuais;

  • Financiamento de equipamentos para a produção artística;

  • Editais para atividades culturais a serem apresentadas de forma remota//virtual

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Confecções de máscaras a todo vapor em grupos de voluntários do Espírito Santo

Diversas ações propõem a confecção de máscaras a serem doadas ou vendidas por valor simbólico

Programa EscoLAR ‘rasga princípio da igualdade de direitos’, repudia educadora

Cleonara Maria Schwartz diz que medida da Sedu reduz educação a ''mero cumprimento de tarefas''

Mesmo em isolamento social, músicos capixabas apresentam lançamentos

Dub, rap, reggae, samba, hardocre e black music fazem parte das novidades anunciadas nas últimas semanas

Sobe para seis o número de óbitos da Covid-19 confirmados no Estado

Bancário, da Caixa, tinha 36 anos. Sindicatos exigem agências fechadas. Total de infectados é de 194