Assassinatos de jovens crescem 20,2% no Estado de 2016 para 2017

Atlas da Violência aponta que o Brasil registrou recorde de 65 mil homicídios em 2017

Entre 2016 e 2017, o Brasil teve um aumento de 6,7% na taxa de homicídios de jovens. O mesmo dado, ao longo da última década, passou de 50,8 por grupo de 100 mil jovens em 2007, para 69,9 por 100 mil em 2017, aumento de 37,5%. Entre os cinco estados com os maiores aumentos estão o Ceará (+60,0%), Acre (+50,5%), Pernambuco (+26,2%), Rio Grande do Norte (+21,3%) e o Espírito Santo (+20,2%). Os dados são do Atlas da Violência 2019, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta quarta-feira (5).
 
Como em todos os anos, a pesquisa apresenta dados alarmantes sobre o cenário de violência no Brasil, que tem como as principais vítimas negros, jovens, mulheres e pobres. O próprio estudo aponta que ser homem jovem, solteiro, negro, com até sete anos de estudo e estar na rua nos meses mais quentes do ano entre 18h e 22h, é o perfil dos indivíduos com mais probabilidade de morte violenta intencional no Brasil. Na maioria absoluta dos casos, por arma de fogo, o que corrobora para pôr em cheque os novos decretos presidenciais que flexibilizam a posse e o porte de armas. 
 
Os homicídios respondem por 59,1% dos óbitos de homens entre 15 a 19 anos no país. Apenas em 2017, 35,7 mil jovens nessa faixa etária foram mortos, uma taxa de 69,9 homicídios para cada 100 mil jovens, recorde nos últimos 10 anos. Para o Ipea, a juventude perdida é considerada um problema de primeira importância para o desenvolvimento social do país. Em 2017, o Espírito Santo ficou em 12º lugar entre os 27 estados com maior registro de assassinato de jovens, com um índice de 86 por 100 mil habitantes, acima da média nacional. 
 
O estudo revelou ainda que Brasil atingiu, pela primeira vez em sua história, o patamar de 31,6 homicídios por 100 mil habitantes. “A taxa, registrada em 2017, corresponde a 65,6 mil homicídios naquele ano e revela a premência de ações efetivas para reverter o aumento da violência”, diz trecho do relatório. 
 
LGBTI+ 
 
Na seção inédita sobre a violência contra a população LGBTI+, uma das bases utilizadas pela pesquisa (o canal de denúncias Disque 100), houve um forte crescimento nos últimos seis anos nas denúncias de homicídios contra a população LGBTI+, que subiram de cinco em 2011 para 193 em 2017, ano em que o crescimento foi de 127%. 
 
Os pesquisadores compararam esses dados com informações do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), do Ministério da Saúde, e encontraram um mesmo resultado qualitativo. Em mais de 70% dos casos, os autores do crime são do sexo masculino, enquanto que a maioria das vítimas é de homo ou bissexuais do sexo feminino.
 
Os dados para o Espírito Santo revelam que em 2017 foram registradas 31 denúncias de violência por pessoas LGBT+, sete de lesão corporal, nenhuma tentativa de homicídio e quatro homicídios. Os dados, no entanto, são contestados por entidades e associações que representam os LGBTI+ no Estado por subnotificação, ou seja,  por estarem bem abaixo da realidade. A Associação Nacional de Travestis, por exemplo, contabilizou 158 assassinatos apenas para o recorte de travestis em 2017 e 179 em 2018. 
 
Mulheres 

O ano de 2017 registrou, também, um crescimento dos homicídios femininos no Brasil, chegando a 13 por dia. Ao todo, 4,9 mil mulheres foram mortas, o maior número registrado desde 2007 – 66% delas eram negras. Entre 2007 e 2017, houve um crescimento de 30,7% nos homicídios de mulheres no Brasil. 
 
A desigualdade racial pode ser vista no recorte de gênero quando se verifica que a proporção de mulheres negras entre as vítimas da violência letal: 66% de todas assassinadas no país em 2017. Para o estudo, “o crescimento muito superior da violência letal entre mulheres negras em comparação com as não negras evidencia a enorme dificuldade que o Estado brasileiro tem de garantir a universalidade de suas políticas públicas”.

Militante do Fórum de Mulheres do ES, Emilly Marques, explica que o Atlas da Violência vai mostrar a gravidade da violência letal contra negros, juventude, LGBTI+ e mulheres, principalmente mulheres negras. O Espírito Santo, pelo Atlas, só perde na violência contra as mulheres para os estados de Roraima, Rio Grande do Norte, Acre, Ceará, Goiás e Pará, ou seja, continua liderando a triste estatística na região Sudeste. 

“O Estado permanece nesse ranking com altas taxas. Precisamos fortalecer as políticas públicas e enfrentar os discursos neoconservadores, racistas, machistas e antifeministas para enfrentarmos tamanha violência. Esses elementos precisam ser centrais e precisamos cobrar dos gestores das políticas condições de trabalho melhoria dos equipamentos para atender a população. Campanhas de orientação, ações de prevenção e diálogo permanente com os movimentos sociais”, disse Emilly Marques. 

População negra
 
De 2007 a 2017, a desigualdade de raça/cor nas mortes violentas acentuou-se no Brasil. A taxa de negros vítimas de homicídio cresceu 33,1%, enquanto a de não negros apresentou um aumento de 3,3%. Em 2017, 75,5% das vítimas de homicídio eram pretas ou pardas. Esse índice de 75,5% foi definido como a soma de indivíduos pretos ou pardos, segundo a classificação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
 
Para Lula Rocha, da entidade do movimento negro Círculo Palmarino, mais uma vez o Atlas da Violência, produzido pelo IPEA e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revela a disparidade entre a morte de pessoas negras e não negras. Além do fato de que, em 2017, 75,5% das pessoas assassinadas foram negras, é preciso levar em conta a taxa de homicídios por 100 mil habitantes, que foi de 43,1 para pessoas negras. Já a de brancos, amarelos e indígenas, somadas, chega a 16.
 
“Nós, do Movimento Negro, acreditamos que essa triste realidade tem como base o racismo. As disparidades raciais históricas e ainda contidas praticamente em todos os indicadores socioeconômicos na atualidade, colocam a população negra em situação de maior vulnerabilidade à violência. Nossa juventude está na linha de tiro frequentemente. Por isso, precisamos de medidas garantidoras de direitos e ações afirmativas que visem resolver essas distorções, para que possamos avançar numa redução significativa dos números de homicídios em nosso país”. 
 
Para Lula, “não serão com ações meramente repressoras e restritivas de direitos que conseguiremos dar a resposta necessária. O Brasil precisa urgentemente de uma Política de Segurança Pública construída pelos diversos setores da sociedade e do poderes públicos com metas, ações e investimentos bem definidos. Não há mais tempo para saídas autoritárias e a mera busca por holofotes na discussão sobre violência no Brasil. Assim, renovamos nosso compromisso de seguir nesta luta em defesa da vida e contra o racismo. Essa será a condição indispensável para evitar que mais sangue negro continue a jorrar nas ruas, becos, praças e vielas deste país”, concluiu.
 
Já para Gilmar Ferreira, militante do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), a pesquisa revela a escolha governamental pela parcela mais rica, considerado pelo Estado como "cidadão de bem" e o completo desprezo pelos demais, especialmente pobres e vulneráveis. “Os dados são preocupantes e espero que as autoridades compreendam a necessidade de inverter a lógica e a distribuição de renda e promover o acesso  aos serviços públicos  a quem mais precisa e a necessidade de derrotar os projetos que promovem a morte e que estão em curso no país”.
 
E completa: “A pesquisa deixa claro que o Brasil estabeleceu essa população como sendo uma parcela de "matáveis". Os números  nas terras capixabas certamente seriam outros se os governos tivessem implementado na integralidade o Programa de Educação em Direitos Humanos (PEDH) e o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos do Espírito Santo (PEEDH), mas esses documentos estão integralmente engavetados”. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Estado participa de campanha nacional contra extermínio de jovens da periferia

Movimento negro realiza sarau neste sábado no Centro de Vitória com artistas que dão voz à juventude

Comissão Popular cobra respostas de Moro sobre atuação da Força Nacional

Carta aberta ao ministro, que cumpriu agenda no Estado, alerta que violência não diminuiu em Cariacica

Movimento Nacional de Direitos Humanos repudia reeleição do Brasil na ONU

Governo tem promovido retrocessos, alterações nos marcos normativos e de proteção aos direitos humanos

Moradores têm número para denúncias em caso de violações da Força Nacional

Defensoria disponibilizou WhatsApp para possíveis abusos de autoridades e casos de tortura em Cariacica