Assembleia aprova uso de 75% de fundo penitenciário para indenização de vítimas

Nova utilização dos recursos, aprovada nesta quarta-feira (11), fixa usos de remuneração de internos 

Os deputados aprovaram, em sessão extraordinária nesta quarta-feira (11), o Projeto de Lei Complementar (PLC) 45/2019, proposto pelo Poder Executivo, que transforma o Fundo do Trabalho Penitenciário (FTP) em Fundo Rotativo do Sistema Penitenciário. Com a mudança, a forma de aplicação dos recursos será alterada, instituindo, inclusive, a possibilidade de ressarcimento financeiro das vítimas a partir do trabalho remunerado dos internos. 

Durante a discussão da matéria, o deputado Delegado Lorenzo Pazolini (sem partido) apresentou uma emenda oral ao projeto para que os recursos recebidos pelos presos por trabalho remunerado também possam ser usados para pagar gastos com monitoramento eletrônico, ou seja, o uso da tornozeleira eletrônica. A emenda não foi aprovada. 

“O projeto do governo é bom porque dá a possibilidade de ressarcir a vítima do crime. Por exemplo, se você teve seu estabelecimento furtado, você vai poder receber uma indenização. É uma forma de reduzir o prejuízo da vítima. Mas não acho justo que a sociedade arque com os custos do monitoramento eletrônico, quando esse houver, sendo que o interno possui recursos para pagar essa despesa”. A proposta já havia sido enviada ao governo do Estado em forma de indicação. 

O líder do governo, Enivaldo dos Anjos (PSD), se pronunciou sobre a proposta de emenda. “A tornozeleira eletrônica custa R$ 179 por mês. É um valor pequeno para o Estado, mas significativo para o preso. Inclusive, é uma coisa que pode desestimular o interno a trabalhar. Não contribui com a economia. É uma vaidade legislativa”, opinou Enivaldo. Os deputados Capitão Assumção (PSL) e Vandinho Leite (PSDB) se pronunciaram a favor da iniciativa de Pazolini e contestaram o valor apresentado pelo líder do governo.

De acordo com a proposta, a remuneração de mão de obra dos internos do sistema prisional será dividida em quatro partes da seguinte forma: 25% para assistência à família dos presos, 25% para pequenas despesas do próprio interno, 25% para o sistema penitenciário e 25% para a formação de uma reserva financeira liberada mediante o cumprimento da pena. Os percentuais referentes às três primeiras aplicações poderão ser utilizados para dedução de indenizações judiciais das vítimas do crime, se não reparadas por outro meio.  

O objetivo da mudança é promover a atualização e adequação da legislação que trata do assunto, que é de 1970 e estaria em desconformidade com diretrizes nacionais das políticas penitenciárias. O Fundo Rotativo do Sistema Penitenciário vai manter fontes de recursos existentes no fundo que será extinto, bem como pretende ampliar a captação e alterar a forma de distribuição para apoiar as atividades e programas de modernização e ações de assistência aos presos, internados e egressos do sistema penitenciário estadual.

Na justificativa, a mensagem do governador esclarece que “atualmente, é de praxe os recursos decorrentes de fianças serem destinados ao FTP para aplicação em atividades específicas e, em regra, que destoam das diretrizes da Política Penitenciária Estadual (PPE)”. Com a nova redação, a aplicação dos recursos será decidida por um conselho gestor, que prevê, inclusive, a vedação de que os recursos sejam destinados a programas, projetos e ações que não coincidam com a PPE. 

A mensagem justifica ainda que haverá a aplicação de recursos do novo fundo para remuneração de mão de obra de presos nos moldes estabelecidos pela Lei de Execução Penal, sem aumentar despesas para o estado. Contudo, há a previsão de criação de cargos comissionados, sendo uma vaga de gerente do Fundo Rotativo do Sistema Penitenciário e duas de assessoria, além de uma função gratificada. 

Durante a sessão ordinária, os parlamentares aprovaram o requerimento de urgência do líder do governo, deputado Enivaldo dos Anjos (PSD). Após acordo, o plenário encerrou a sessão ordinária e fez uma extraordinária para que a matéria pudesse entrar na pauta de votação. O projeto foi analisado pelas comissões de Justiça, Cidadania, Segurança e Finanças e foi aprovado pelo Plenário, por unanimidade, com 27 votos. 

Penas cumpridas

A deputada Iriny Lopes (PT) pediu que a Mesa Diretora solicitasse ao governo do Estado o número efetivo de apenados, além do número dos que já cumpriram a pena e ainda não foram liberados. “A sociedade está presa dentro de suas casas por causa da violência. Mas a pessoa que está cumprindo pena no sistema prisional também é vítima da violência, entre elas, a de ter cumprido a pena e ainda estar preso”, registrou a parlamentar. 

Numa postagem em rede social nessa terça-feira (10), Iriny Lopes narrou problemas enfrentados pelo sistema prisional capixaba. “... Há muitos anos estamos verificando o controle de presídios por facções criminosas, ao ponto de, em muitos estados, o próprio governo destinar presos de acordo com sua 'filiação' a determinada facção. Sem recursos para impedir uma provável matança, o estado opta por uma solução aparentemente mais fácil, que é de separação não como o previsto na lei, entre presos condenados e provisórios, por tipos de crime, presos primários dos reincidentes, mas por facção criminosa. Esse tipo de separação só fortalece as facções. Muitos desses detentos, temendo pela vida, acabam escolhendo uma outra facção, para se manterem minimamente protegidos dentro do sistema. Ocorre que esse preso, que não tem antecedentes criminais, que muitas vezes foi enviado para o sistema por motivos banais, ao buscar proteção vai ter que dar a sua contrapartida, que é de participar ativamente da organização criminosa dentro e fora das penitenciárias”.

Para a deputada petista, “... Iludem-se as pessoas que acham que o aprisionamento excessivo, a sanha punitiva levará a sociedade a viver tranquila. O que vemos em São Paulo, por exemplo, de explosões de caixas eletrônicos, de fechamento de ruas e tiros e mais tiros de fuzis, granadas e outros armamentos de guerra, muitas vezes em cidades do interior, dão a dimensão de que o que está dentro das unidades tem uma enorme repercussão fora. Simplesmente por que para manter o caixa da facção, quem está fora tem de roubar bancos, carros fortes, etc. Isso coloca em risco toda a população e não só os envolvidos e os trabalhadores dessas empresas alvo da violência”.
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

‘É vergonhoso. A gente passar necessidade e até hoje não ter recebido um real’

Família perde todo o cacau em Colatina, é reconhecida como atingida, mas não tem auxílio nem indenização

Deputado rejeita antecipação de eleição da Mesa Diretora e aponta retrocesso

Dary Pagung, que é vice-líder do governo, diz que a pretensão visa manter Erick Musso no poder

Frente de policiais aciona OAB, Judiciário e Assembleia por pauta de valorização

Primeiro encontro será nesta quarta com ex-secretário Henrique Herkenhoff, presidente de comissão na OAB

Coletivo Dona Astrogilda fortalece movimento feminista em Aracruz

Várias atividades marcam primeiro aniversário do grupo, que será comemorado com debate na Câmara