Assembleia e MPES também apresentam propostas de reajuste para servidores

Projetos lidos nesta segunda-feira seguem o governo e o Tribunal de Contas, com índice de 3,5%

Depois do governo e do Tribunal de Contas (TCE), a Assembleia Legislativa (Ales) e o Ministério Público Estadual (MPES) também apresentaram suas propostas de reajuste salarial para os servidores, seguindo o mesmo 3,5% apresentado por Renato Casagrande na última semana. As matérias foram lidas na sessão ordinária desta segunda-feira (2) e devem ser analisadas pelas comissões de Justiça, Cidadania e Finanças.

De acordo com o Projeto de Lei (PL) 991/2019, o reajuste será para servidores ativos do legislativo. “A proposta tem o objetivo de propiciar o equilíbrio econômico, de modo a amenizar as perdas salariais decorrentes da inflação, estando a medida alinhada com a política de valorização dos servidores públicos, e dentro do limite da capacidade financeira do Estado”, justificou em mensagem o presidente da Casa, Erick Musso (Republicanos).

Já o MPES argumenta na mensagem do PL 986/2019, que o reajuste será para pagamento de vencimentos, proventos e pensões. O texto diz ainda que além da disponibilidade orçamentária para 2019, a “repercussão financeira apresenta baixo custo, com uma despesa equivalente a 0,11% do orçamento de 2019” da instituição, e que seria necessário “minimizar os impactos da inflação e a consequente desmotivação dos servidores desta instituição causada pela redução de seu poder aquisitivo”. 

O PL 980/2019, do Tribunal de Contas, afirma, da mesma maneira, que o reajuste tem "o objetivo proporcionar aos servidores uma recomposição em virtude das perdas inflacionárias". O valor da despesa com o reajuste representa, para o ano de 2019, o montante de R$ 374,8 mil, como aponta o projeto. O TCES também afirma que existe dotação orçamentária para o a concessão e que ele vai representar 0,832% da receita corrente líquida em 2020, mantendo-se dentro dos parâmetros da legislação vigente.

A proposta do governo do Estado, que tem seguido de base para os demais poderes, reajusta as tabelas de vencimentos, soldos e subsídios dos servidores da administração direta, autarquias e fundações públicas do Poder Executivo em 3,5% a partir de 1º de dezembro. A medida resultará, segundo a proposta, num acréscimo anual de R$ 198,3 milhões em gastos com o pessoal, atingindo 92.997 servidores, entre ativos, aposentados e pensionistas. O percentual destina-se a efetivos, comissionados e contratados em designação temporária (DT).

O Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado (Sindipúblios) critica o índice, considerando a nova alíquota de contribuição da Previdência, que passou de 11% para 14%, e o déficit salarial de 5,19% desde a última recomposição, em abril de 2018, e ainda as perdas acumuladas que já somam 28,73%. "Na prática, o servidor entrou o ano e vai sair o ano ganhando praticamente o mesmo valor que recebia em maio de 2018, porém com um poder de compra muito menor, inclusive devido aos preços dos principais produtos da cesta básica e de serviços rotineiros terem subido até mesmo acima da inflação", aponta.

Secretariado

Com a justificativa de "corrigir a situação", o então líder do governo, Enivaldo dos Anjos (PSD), também protocolou na última quinta-feira (28) o projeto de lei (977/2019), em que propõe reajustar os subsídios dos secretários do Estado em 3,5%. Se a matéria for aprovada, os salários passarão de R$ 18.300,06 para R$ 18.940,56. Enivaldo afirma que o objetivo é "reajustar no mesmo patamar" a proposta do governo, cujo projeto passou a tramitar na Assembleia após aprovação da Previdência Estadual, duramente criticada pelo funcionalismo público. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Normas para eleição de procurador-geral de Justiça são publicadas  

Eder Pontes, que acumula três gestões, foi o primeiro a se inscrever para possível quarto mandato

MPES recorre de decisão que descongela pedágio da Terceira Ponte

Decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Vitória pode aumentar tarifa

Justiça mantém prefeito de Piúma afastado do cargo por mais 60 dias 

O prefeito José Ricardo da Costa foi denunciado por meio de uma delação premiada

Sindicato de Servidores do Legislativo vai se unir à Pública em prol de reajuste

Presidente do Sindilegis, Gildo Gomes, também ressalta papel do fórum de servidores da Assembleia