Assembleia realiza reunião para discutir fechamento de escola em Cariacica

Pais se reuniram com a Sedu, mas ainda não há definição sobre funcionamento no ano letivo de 2020

As Comissões de Proteção à Criança e ao Adolescente e de Educação da Assembleia Legislativa abraçaram a causa de pais, responsáveis e alunos da escola Escola Estadual Pública de Ensino Fundamental (EEPEF) Professora Ilda Meirelles Freire, localizada em Boa Vista, zona rural de Cariacica. Uma reunião conjunta dos colegiados irá debater o problema, na próxima segunda-feira (2), às 13h, com o objetivo de encontrar alternativa para 20 estudantes da unidade que estão com as matrículas bloqueadas para o próximo ano.

Ao tentar realizar o procedimento, pais e responsáveis pelos alunos descobriram que a escola não consta no sistema da Secretaria de Estado da Educação (Sedu), sem que o fato fosse comunicado previamente à comunidade. Com o fim do período de rematrícula, eles lutam contra o tempo para encontrar uma solução para o problema, sob risco de ficarem sem vagas nas escolas das redondezas. 

O presidente da Comissão de Proteção à Criança, deputado estadual Lorenzo Pazolini (sem partido), mantém contato com a comunidade. A presidente da Associação de Moradores de Boa Vista, Raquel José de Sant’Anna Araújo, explica que uma reunião chegou a ser realizada com representantes da Sedu nessa segunda-feira (25), mas o impasse continua.

Segundo ela, os gestores da educação estadual ainda não afirmaram se a escola vai funcionar no ano letivo de 2020. “Eles falaram apenas que os pais não precisam se preocupar que o sistema pode ser reaberto até janeiro”. A Sedu prometeu ainda uma reunião com a comunidade, mas ainda sem data marcada. Quem também pretende ir à comunidade são os deputados estaduais das comissões relacionadas ao tema.

Comunidade quer unidade aberta 

A líder comunitária Raquel Sant’Anna afirma que o desejo da comunidade é o de que a escola permaneça na região, pela proximidade da residência dos alunos. São 20 estudantes de baixa renda que dependem da unidade. 

Laudite Souza da Silva Santos, de  53 anos, moradora de Boa Vista, estudou quatro anos na escola e seus três filhos também estudam. Segundo ela, a unidade é centenária e faz parte da história da comunidade. 

A escola foi fundada por Ilda Meireles Freire em terreno doado por seu marido, que também construiu uma sala para que ela ensinasse. A professora Ilda era ainda quem fazia a merenda em sua casa em fogão a lenha e arrumava a escola.

Caso seja fechada, não há ainda ideia do que se fazer com o prédio, cujo investimento foi realizado com recursos públicos em terreno doado por um morador da região.  O que tem causado a indignação da comunidade também é o fato de a Sedu ter, recentemente, reformado a escola. Por meio de fotos dos ambientes reformados e até da placa onde são explicitados os valores e prazos para execução da obra, os moradores da localidade de Boa Vista acusam a Sedu de falta de planejamento e desperdício de recursos públicos. Foram gastos R$ 144,7 mil em obras de manutenção civil e elétrica, num prazo de 210 dias. 

Fechamento de outras unidades

Em 2018, último ano do mandato do ex-governador Paulo Hartung, houve um forte movimento de fechamento de escolas, sobretudo em comunidades das zonas rurais do interior. Na ocasião, o motivo era a transferência dos estudantes para unidades da Escola Viva, vitrine do então governo. Por meio de forte reação e, com apoio do Ministério Público, algumas delas foram reabertas. 

Recentemente, moradores de Castelo reagiram ao possível fechamento da escola Emilio Nemer, conhecida como Cetec, devido ao período em que funcionou como escola técnica. Para a comunidade, a especulação imobiliária seria o motivo do fechamento da escola, cujo prédio está numa área muito valorizada do centro da cidade. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • adailson freire da costa , quinta, 28 de novembro de 2019

    um retrocesso , estudei nessa escola em 1973 e 1974, dona ilda , tia ilda ou professora ilda se dispos de toda humildade,trato e coração para naquela epoca mostrar as crianças da area rural de cariacica que somente a educação é que abriria as portas para uam vida melhor e diferente.Daquela escola, hj temos advogados,administradores,engenheiros, tecnicos de diversasa areas, mas sobretudo, cidados transformados pelo poder da educação. Os tecnocratas escondidos nas salas de ar condicionados e seus faraonicos projetos esquecem ou nao sabem da distancia/tempo/das condições sociais que muitas areas rurais dentro da grande vitoria ainda existem. Friso ainda que alguns anos atras essa professora/tia/amiga foi agraciada em pleno plenario da assembleia legislativa. Hoje com certeza no céu,deva estar toda triste com essa falta de sensibiliadde humana

Matérias Relacionadas

Tribunal de Justiça retoma sessões de julgamentos na próxima terça-feira 

Já a primeira sessão do Tribunal Pleno só no dia 30, sob a presidência do desembargador Ronaldo Gonçalves

Família enfrenta maratona em busca de vacina para recém-nascida em Cariacica

Nascida na Maternidade São João Batista, recém nascida não foi vacinada. Nos postos de saúde não há doses

Serra faz mutirão para matricular jovens e adultos afastados da escola

As ações começam nesta semana em escolas, igreja e até no terminal rodoviário 

Sindicato de Servidores do Legislativo vai se unir à Pública em prol de reajuste

Presidente do Sindilegis, Gildo Gomes, também ressalta papel do fórum de servidores da Assembleia