Associação comemora em Vitória 100 anos da Pedagogia Waldorf

Espaço Beija-Flor quer ser a primeira escola no Estado no modelo com ensino holístico e currículo flexível

Fotos: Divulgação

Uma pedagogia holística, voltada para o desenvolvimento físico, intelectual, artístico e espiritual dos educandos, considerando as características de sua individualidade mas também a coletividade e o meio em que se inserem, com um currículo flexível e professores com autonomia para adequar as atividades de acordo com as necessidades das turmas.

Toda essa visão faz parte da Pedagogia Waldorf, um dos maiores movimentos educativos independentes do mundo, presente em mais de 60 países. Trata-se de uma construção antiga, baseada nas ideias do filósofo austríaco Rudolf Steiner (1861-1925). No último sábado (28), o Espaço Beija-Flor, localizado em Vitória, realizou um evento de comemoração dos 100 anos da criação da Pedagogia Waldorf.

O nome Waldorf se refere à uma indústria de cigarros, onde foi implementada a primeira escola do tipo, em 1919, por trabalhadores e proprietários da empresa, no difícil momento do pós-Guerra na Alemanha. No Brasil, a primeira escola data de 1956, em São Paulo. No Espírito Santo, o Espaço Beija Flor trabalha para ser oficialmente a primeira escola a funcionar dentro dos princípios Waldorf. Atualmente funciona como espaço recreativo para crianças de 2 a 5 anos, atendendo cerca de 20 famílias, reunidas na Associação Beija-Flor.

O projeto conta com atuação direta dos pais e mães das crianças, que são responsáveis por toda parte administrativa, financeira e jurídica das atividades por meio de uma diretoria eleita periodicamente, além de participarem de ações esporádicas no calendário anual. O Espaço Beija-Flor conta com três salas, conforme as necessidades das crianças por conta das idades. "Não é uma metodologia, nem um conjunto de regras e preceitos muito engessados. São conceitos amplos sobre desenvolvimento pedagógico que norteiam a prática pedagógica", explica Tatiana Favaro Lima, uma das professoras. 

Ela explica que a pedagogia também se adapta ao local. No caso do Brasil, o clima, a cultura, a natureza da criança e as características locais influenciam diretamente. "O professor tem que ter princípio do desenvolvimento arquetípico bem consolidados, tem que ter esse conhecimento, mas também desenvolver uma percepção aguçada para observar as crianças, o contexto, o cenário no qual está trabalhando e, assim, organizar o currículo, proporcionar vivências integrais em que a criança possa desenvolver não só cognitivamente, mas também de forma artísticas".

O brincar representa um papel importante no processo de educação. Os brinquedos para estimular esse processo de aprendizado e desenvolvimento sociocognitivo variam de acordo com a idade e são produzidos em sua maioria pelos próprios professores com ajuda dos pais e mães, utilizando materiais naturais confeccionados a partir de oficinas de tricô, crochê, costura, marcenaria.

"São brinquedos bem rústicos, para que a criança tenha bastante capacidade de imaginar e criar em cima dos elementos que a gente oferece para ela, como tecidos e tocos". A ideia é despertar a fantasia e a imaginação a partir do brincar.

"Na prática, o professor é um artista e sua obra-prima é o ser humano. Ele tem por tarefa observar cada ser humano que vem até ele e desvendar o que há para ser desenvolvido, quais os desafios com aquela criança e suas potencialidades, trabalhando a individualidade e o grupo", considera Tatiana Favaro.

Atualmente, o Espaço Beija-Flor conta com três pedagogas profissionais e duas em formação, a maioria delas com cursos de Pedagogia Waldorf concluídos ou em realização.

A iniciativa da Associação Beija-Flor surgiu em 2013, a partir de um grupo de pais que conheciam a Pedagogia Waldorf e queriam oferecer algo nesse sentido para seus filhos e outras crianças. No ano seguinte, tiveram início as atividades como espaço recreativo que trabalha inteiramente dentro dos princípios Waldorf, com intenção de brevemente realizar os trâmites para ser reconhecido como uma escola de educação infantil. Além disso, o grupo dialoga com uma outra escola já constituída sobre a possibilidade de uma parceria para implantar o modelo pedagógico para o ensino fundamental.

Na celebração dos 100 anos da Pedagogia Waldorf, o tema adotado mundialmente para reflexão foi "A importância das abelhas para a humanidade", que resultou também na instalação de uma caixa de abelhas nativas sem ferrão da espécie jataí na entrada do Espaço Beija Flor.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
2 Comentários
  • Alexandre , segunda, 30 de setembro de 2019

    Parabéns pela matéria. Estamos carentes por propostas de educação que tormem o ser humano mais livre e atuante. Vitória precisa. Obrigado Século Diário sempre à frente. AVANTE!

  • VIVIANE EL AOUAR , segunda, 30 de setembro de 2019

    O Espaço Beija Flor enriquece não só a vida das nossas crianças, mas também de nós pais, pela possibilidade do trabalho associativo, pelo forte vínculo que cria entre os pais, pelo cuidado do corpo pedagógico em transmitir também aos pais a sabedoria dos temas trabalhados em cada época do ano! É para nós e nossos filhos um privilégio fazer parte deste projeto! Parabéns pela matéria!

Matérias Relacionadas

Você sabia que a Ufes possui um curso que forma professores indígenas?

Em sua primeira turma, licenciatura enfrenta dificuldades pelo corte de verbas do Ministério da Educação

'Estamos defendendo a única Universidade pública do Estado'

Em dois dias de paralisação, Ufes teve aulas públicas, debates, panfletagem, sarau e ato político

Coletivos negros da Ufes se unem em defesa da universidade pública

Vários grupos participam da campanha Afronta, que aponta como cortes afetam especialmente alunos negros

Ufes ainda não tem posição sobre programa do governo federal Future-se

Ao menos 26 universidades já rejeitaram programa, que será discutido dia 27 pelo Conselho Universitário