Associação de Defensores vai articular emenda ao PPA para ampliar orçamento 

Profissionais têm apoio de 21 deputados que assinaram emenda à LDO não aprovada em junho 

A luta da categoria dos defensores públicos capixabas não acabou. Os servidores estaduais continuam mobilizados por melhoria no orçamento da instituição, como forma de cumprir integralmente o planejamento estratégico elaborado para ampliar a cobertura nos municípios capixabas e valorizar os profissionais, que têm o pior salário do País. A única chance agora é articular e aprovar emenda ao Plano Plurianual (PPA 2020-2024), que está em discussão na Assembleia Legislativa. 

Em junho deste ano, sensibilizados com a situação da Defensoria Pública, 21 deputados estaduais assinaram destaque a uma das emendas à Lei de Diretrizes Orçamentárias que permitia a ampliação do orçamento da DPES em até 1% da receita líquida do Estado. 

“Imbuída do espírito conciliador e acreditando na boa-fé do Governo Estadual, a Defensoria aceitou proposta de acordo oferecida pelo Executivo que se comprometeu a realizar acréscimo orçamentário progressivo no PPA, chegando, no ano de 2023, a 1% da receita corrente líquida do Estado. Após acordo realizado com deputados, defensores públicos e, principalmente, a sociedade capixaba, fomos surpreendidos com a apresentação de proposta de PPA por parte do Poder Executivo com previsão de avanços insignificantes para o orçamento da Defensoria Pública no decorrer de longos quatro anos”, lamenta a presidente da Adepes, Mariana Sobral.

Segundo ela, a proposta orçamentária apresentada no último ano do Governo Casagrande, para o exercício de 2015, trazia previsão orçamentária para Defensoria Pública no valor de R$ 66,4 milhões. No entanto, conforme já divulgado, houve corte de R$ 17 milhões feito pelo ex-governador Paulo Hartung ao assumir o cargo. “Logo, caso não tivesse ocorrido tal injustiça, o orçamento da Defensoria Pública em 2020, R$ 86,3 milhões e 0,58% da receita corrente, seria maior do que a previsão ofertada pelo Governador Casagrande para o ano de 2023, R$ 81,4 milhões e 0,49% da receita corrente, demonstrando o quanto é falsa a afirmativa de cumprimento de acordo e avanço orçamentário”, explica Mariana. 

Segundo ela, é de conhecimento de todos que a Defensoria Pública do Estado do Espírito (DPES) encontra-se "em situação de total descaso, promovida pela falta de investimento do Poder Público. Problema histórico: troca-se gestores e a instituição, incumbida de realizar a defesa da camada mais pobre da população, não é colocada entre as prioridades do Poder Executivo”, conclui a presidente da Adepes. 

Tramite do PPA na Ales

O Projeto de Lei (PL) 716/2019, que trata das políticas do governo para os próximos quatro anos, o chamado Plano Plurianual (PPA) 2020-2023, foi protocolado na Assembleia no último dia 5. Com valor total de R$ 74,42 bilhões, a matéria apresenta as ações, estruturadas em programas, a serem desempenhadas para o alcance das metas estabelecidas no período.

O documento aponta os programas dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público e Defensoria Pública. São 45 programas, sendo 39 do Poder Executivo e outros seis dos outros Poderes. A maior parte, 34 programas, são finalísticos, ou seja, aqueles em que são ofertados bens e serviços diretamente à população e os quais é possível mensurar resultados por indicadores. Os outros 11 são programas de apoio às políticas públicas e áreas especiais.

Após leitura em sessão ordinária, o projeto segue para análise da Comissão de Finanças. Por se tratar de matéria orçamentária, segue tramitação específica definida no Regimento Interno da Ales, que prevê a elaboração de cronograma de trabalho, com prazo mínimo de dez dias para a apresentação de emendas, além da realização de audiências públicas em todas as microrregiões do Estado para o debate sobre o uso dos recursos públicos. Ainda de acordo com o regimento, o relator designado tem até o dia 5 de dezembro para devolver o projeto com parecer para leitura em plenário.

Segundo o governo, a elaboração do PPA teve como base diversos instrumentos, entre eles o Plano de Desenvolvimento do ES 2030, o Planejamento Estratégico do governo para 2019-2023, o programa de governo, além de contribuições da sociedade nas 10 audiências públicas realizadas em cidades-sede das microrregiões de planejamento. Também foram recebidas demandas da sociedade entre os dias 10 de junho e 23 de julho por meio de plataforma digital disponibilizada pelo governo.

O planejamento de médio prazo está previsto no art. 150 da Constituição Estadual. Em seu 1º parágrafo diz: “a lei que instituir o plano plurianual estabelecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da administração pública estadual, direta e indireta, para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relativas aos programas de duração continuada”.
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Defensores receberam mais de 100 denúncias de imóveis abandonados no Centro

Levantamento foi realizado em 2019 em parceria com a Associação de Moradores do Centro de Vitória

Sindicato de Servidores do Legislativo vai se unir à Pública em prol de reajuste

Presidente do Sindilegis, Gildo Gomes, também ressalta papel do fórum de servidores da Assembleia

Concurso perde a validade e 19 defensores públicos são nomeados em dois anos

Déficit de profissionais, mesmo com reforço, continua sendo a realidade na maioria dos municípios 

Após reintegrações de posse, edifícios seguem abandonados por proprietários

No Centro de Vitória, foram 14 ocupações em pouco mais de um ano. Mais de 100 imóveis não são utilizados