Atingidos pela Vale realizam protesto na tradicional procissão de São Pedro

MAB e Sindipesmes levarão cartazes denunciando o crime da mineradora neste domingo

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e o Sindicato dos Pescadores profissionais, artesanais, aquicultores, marisqueiros, criadores de peixes e atividades afins na área da pesca do Espírito Santo (Sindpesmes) realizarão um protesto contra a mineradora Vale durante a 91ª Procissão Marítima de São Pedro de Vitória, que acontece neste domingo (30), com saída às 9h da Praia do Suá.

“Estamos aproveitando a ocasião, que tem uma simbologia importante pra cidade, e caráter popular e religioso, para adotar um caráter político também, e denunciar os crimes da Vale no Rio Doce”, declara o militante do MAB/ES, Heider José Boza.

O convite ao protesto é aberto a todos que quiserem se manifestar, com cartazes e faixas em seus barcos. Os camaroneiros de Vitória ainda não foram indenizados pela Fundação Renova pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana/MG, há mais de três anos, considerado o maior crime ambiental do País. 

No convite compartilhado nas redes sociais, o MAB afirma que, “além do grande dano distribuído a toda a sociedade com a contaminação do maior rio do Espírito Santo e de parte considerável do nosso litoral, os pescadores, por sua dependência do ambiente saudável, são ainda mais afetados pela irresponsabilidade criminosa: seguem proibidos de pescar em grande parte das áreas tradicionais, sem qualquer indenização pelo prejuízo econômico e sem o direito de uma assessoria técnica independente para conduzir as negociações com as empresas responsáveis pelo crime”.

A Festa de São Pedro é o mais antigo evento comunitário da cidade de Vitória, segundo informa o site da prefeitura. Foi celebrada pela primeira vez em 1929, na Praia do Suá, no mês de junho.

A procissão marítima, informa, foi iniciada junto com a festa, sendo que, no início, era terrestre, mas, com a chegada de cerca de 200 imigrantes açorianos, que trouxeram a tradição da procissão marítima para Vitória, o percurso começou a ser feito por barcos a remo. Na década de 1970, começaram a participar as embarcações a motor.

O trajeto pode ser visto ao longo da avenida Beira-Mar e é acompanhado por músicas e fogos de artifício. A originalidade e a criatividade nas ornamentações dos barcos podem valer prêmios em dinheiro. A procissão termina com a benção dos anzóis, que é realizada em alto-mar.

Apresentações de quadrilha, casamento caipira, shows musicais também fazem parte da programação em homenagem a São Pedro.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

‘É vergonhoso. A gente passar necessidade e até hoje não ter recebido um real’

Família perde todo o cacau em Colatina, é reconhecida como atingida, mas não tem auxílio nem indenização

Majeski pede retomada da CPI das Licenças da Vale e ArcelorMittal

Comissão está há oito semanas sem se reunir e teve objeto principal de investigação alterado

‘Menos de 10% dos atingidos foram reconhecidos’, diz prefeito de Baixo Guandu

Em reunião do CIF, Neto Barros defende indenização de toda população dos municípios banhados pelo Rio Doce

População pede anulação dos TCAs com poluidoras e da licença da Vale

Ato da Juntos SOS ES Ambiental recebeu centenas de apoios. Formulário na internet recolhe mais assinaturas