Atingidos pela Vale realizam protesto na tradicional procissão de São Pedro

MAB e Sindipesmes levarão cartazes denunciando o crime da mineradora neste domingo

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e o Sindicato dos Pescadores profissionais, artesanais, aquicultores, marisqueiros, criadores de peixes e atividades afins na área da pesca do Espírito Santo (Sindpesmes) realizarão um protesto contra a mineradora Vale durante a 91ª Procissão Marítima de São Pedro de Vitória, que acontece neste domingo (30), com saída às 9h da Praia do Suá.

“Estamos aproveitando a ocasião, que tem uma simbologia importante pra cidade, e caráter popular e religioso, para adotar um caráter político também, e denunciar os crimes da Vale no Rio Doce”, declara o militante do MAB/ES, Heider José Boza.

O convite ao protesto é aberto a todos que quiserem se manifestar, com cartazes e faixas em seus barcos. Os camaroneiros de Vitória ainda não foram indenizados pela Fundação Renova pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana/MG, há mais de três anos, considerado o maior crime ambiental do País. 

No convite compartilhado nas redes sociais, o MAB afirma que, “além do grande dano distribuído a toda a sociedade com a contaminação do maior rio do Espírito Santo e de parte considerável do nosso litoral, os pescadores, por sua dependência do ambiente saudável, são ainda mais afetados pela irresponsabilidade criminosa: seguem proibidos de pescar em grande parte das áreas tradicionais, sem qualquer indenização pelo prejuízo econômico e sem o direito de uma assessoria técnica independente para conduzir as negociações com as empresas responsáveis pelo crime”.

A Festa de São Pedro é o mais antigo evento comunitário da cidade de Vitória, segundo informa o site da prefeitura. Foi celebrada pela primeira vez em 1929, na Praia do Suá, no mês de junho.

A procissão marítima, informa, foi iniciada junto com a festa, sendo que, no início, era terrestre, mas, com a chegada de cerca de 200 imigrantes açorianos, que trouxeram a tradição da procissão marítima para Vitória, o percurso começou a ser feito por barcos a remo. Na década de 1970, começaram a participar as embarcações a motor.

O trajeto pode ser visto ao longo da avenida Beira-Mar e é acompanhado por músicas e fogos de artifício. A originalidade e a criatividade nas ornamentações dos barcos podem valer prêmios em dinheiro. A procissão termina com a benção dos anzóis, que é realizada em alto-mar.

Apresentações de quadrilha, casamento caipira, shows musicais também fazem parte da programação em homenagem a São Pedro.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Relator da CPI das Licenças pede nova quebra de sigilo da Fundação Renova

Requerimento de Euclério Sampaio foi necessário porque a Justiça concedeu habeas corpus à fundação

‘O setor da pesca vai parar?’, questionam pescadores de camarão

Categoria pede mudança na Portaria 47 e prorrogação do prazo para instalar o equipamento PREPS

Procurador arquiva inquérito sobre poluição da Vale nas areias de Vitória

Desconsiderando laudos da Semmam e Ufes, André Pimentel alega não haver provas contra a mineradora

Juiz que homologou o TAC da Governança é 'suscetível à pressão das empresas'

Denúncia é da pesquisadora Cristiana Losekann e da Rede do Rio Doce, que pede anulação da homologação