Ativismos alimentares são tema de evento em Vitória

Iniciativas cidadãs e de movimentos sociais debatem com poder público nesta quinta-feira no Maes

O ativismo alimentar é uma forma de ativismo político que vem crescendo nos últimos anos, a partir da sociedade civil e diante de questões como a fome, a nutrição e o uso de agrotóxicos. Nos conselhos de segurança alimentar, nos banquetaços, nos programas de relação direta entre produtores e consumidores, constroem-se não só a crítica mas também a ideia de que outra alimentação é possível, dentro, obviamente, de outro modelo de sociedade.

Em Vitória, acontece nesta quinta-feira (24) o evento "Ativismos alimentares no campo, nas águas e nas cidades", no auditório do Museu de Artes do Espírito Santo (Maes). A programação reúne diversos movimentos sociais e cidadãos envolvidos de alguma maneira com o ativisimo alimentar, que dialogam também com representantes do poder público estadual e municipal. O evento é organizado em parceria entre a Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase/ES), grupo Dissoa - Diálogos entre Sociologia e Arte, Grupo de Estudos em Segurança Alimentar e Nutricional Prof. Pedro Kitoko (Gesan) e Governo do Estado.

Entre as iniciativas da sociedade civil representadas estão as feiras agroecológicas, as hortas urbanas da Grande Vitória, que se organizam em rede, a CSA Sapê do Norte, um modelo de Comunidade que Sustenta a Agricultura, pequenos agricultores,  pescadores artesanais, Banquetaço e Conselho de Segurança Alimentar (Consea). Entre os convidados está também Juliana Luiz, da Rede de Compostagem e Agricultura Urbana de Florianópolis (SC).

A primeira mesa do evento falará sobre "Ativismos alimentares e segurança alimentar e nutricional", promovendo debate com a professora de Ciências Sociais da Universidade Federal do Estado (Ufes), Elaine de Azevedo, estudiosa do ativismo alimentar, Rosemberg Moraes Caitano, integrante do Consea estadual e um dos organizadores Banquetaço em Vitória, e a médica Henriqueta Sacramento, responsável pela política de hortas urbanas na Secretaria Municipal de Saúde de Vitória (Semus).

Na segunda mesa, da qual participa Juliana Luiz, o tema será "Horticultura Urbana e Gestão de Resíduos Urbanos", na qual terá companhia de Duda Bimbatto, da Horta Comunitária Quintal da Cidade, e Lucas Daniel, do coletivo Mãos à Horta, ambos integrantes da rede de agroecologia urbana da Grande Vitória. O secretário de Estado da Cultura, Fabrício Noronha, também contribuirá neste debate.

No último momento, as discussões vão girar em torno das "Vantagens e Desafios de novos formatos de comercialização de alimentos". Participam o agricultor Antonio Sapezeiro e a co-agricultora Critiane Bremenkamp, da CSA Sapê do Norte, Leomar Lírio, do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Manoel Bueno dos Santos, o Nego da Pesca, da Federação Estadual dos Pescadores Artesanais, Lucimar Barbosa, representante da banca de alimentos agroecológicos de Vale Encantado, em Vila Velha, e Luciano Fasolo, da Secretaria de Estado da Agricultura (Seag).

No convite, o conceito. "O ativismo alimentar é considerado uma vertente do ativismo político, que corre por fora dos partidos, e que emergiu como uma perspectiva mais porosa e criativa de se fazer política. Como outros formatos de ativismo político, o ativismo alimentar é  recorrentemente associado a causas progressistas e à promoção da equidade e dos direitos das minorias, promovendo segurança alimentar e nutricional a partir de estratégias coletivas que utilizam recursos diversos que fomentem a comensalidade, a segurança alimentar e nutricional e a dignificação de quem produz comida sejam agricultores/as familiares, quilombolas, pescadores/as, assentado/as, agrofloresteiros/as, hortcultores/as urbanos, indígenas, etc".

SERVIÇO

Ativismos Alimentares no Campo, nas Águas e nas Cidades

Data: Quinta-feira, 24 de outubro, de 9h às 18h

Local:  Auditório do Maes - Av. Jerônimo Monteiro, 631, Centro de Vitória/ES

PROGRAMAÇÃO

9h - Falas de abertura: Elaine de Azevedo (Ufes) e Daniela Meirelles (Fase)

9h30 – 11h30

Mesa Redonda 1 - Ativismos alimentares e segurança alimentar e nutricional

Elaine de Azevedo (Ufes/ Ativismo Alimentar)

Rosemberg Moraes Caitano (Consea/ Banquetaço)

Henriqueta Sacramento (Prefeitura de Vitória) 

Mediador: Alcemi Barros (Gesan/Ufes)

ALMOÇO

13h30 – 15h30

Mesa Redonda 2 - Horticultura Urbana e Gestão de Resíduos Urbanos

Juliana Luíz - Rede de Compostagem  e Agricultura Urbana de Florianópolis/ SC

Duda Bimbatto / Lucas Daniel - Representantes da Rede de Agroecologia Urbana 

Fabricio Noronha - Secretaria de Estado da Cultura (Secult)

Mediadora: Daniela Meirelles Consea/Fase

INTERVALO

16h-18h 

Mesa Redonda 3 -  Vantagens e Desafios de novos formatos de comercialização de alimentos. CSA e Venda Direta: feiras, cestas e deliveries

Antonio Sapezeiro / Cristiane Bremenkamp - Representantes do CSA Sapê do Norte 

Leomar Lírio - Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA)

Lucimar  Barbosa - Representante da Feira do Vale Encantado

Manoel Bueno dos Santos- Federação Estadual dos Pescadores Artesanais

Luciano Fasolo - Secretaria de Estado da Agricultura (Seag)  

Mediador: Rosemberg Moraes Caitano  (Consea).

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Entidades cobram políticas diante de rejeitos de minério e derrame de petróleo

Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional convoca plenária ampliada para debater e construir propostas

Mutirão vai denunciar imóveis desocupados no Centro de Vitória

Ato neste sábado será uma das últimas atividades da Campanha Função Social da Propriedade

'Não há nenhum plano da Fundação Renova para cuidar dos problemas'

Sociólogo Hauley Valim fala da inoperância das autoridades e de estratégias comunitárias para Rio Doce

Documentário registra relações das crianças com 'cultura do mangue'

‘Mangue Escola’ será exibido segunda-feira no Cine Metrópolis mostrando raízes culturais de Goiabeiras