Auditores fazem Dia de Luto contra intromissão do governo na Receita Federal

Um grupo de auditores fiscais protestou nesta quarta em frente à sede da Receita Federal, em Vitória

Portando cartazes e vestindo roupas de cores escuras, auditores fiscais da Receita Federal em  Vitória se uniram nesta quarta-feira (21) ao Dia de Luto promovido em várias cidades do País, em protesto contra a intromissão do governo Jair Bolsonaro nos órgãos de controle e fiscalização.  

Os auditores fiscais consideram as ações do governo um desmonte da instituição, por meio de ações que envolvem órgãos do governo e o Supremo Tribunal Federal (STF). No início deste mês, o STF afastou de suas funções os auditores Luciano Francisco Castro e Wilson Nelson da Silva, lotados na delegacia do órgão em Vitória, e até então integrantes da equipe especial da Receita constituída para combater a fraudes fiscais.
Os casos de investigações citados na imprensa nacional envolvem o ministro do STF, Gilmar Mendes, que foi intimado a comprovar despesas médicas, e um comércio de um irmão do presidente Jair Bolsonaro, no interior de São Paulo. 

Os auditores paralisaram os trabalhos na parte da manhã, retornando em seguida, e permaneceram um curto período em frente à nova sede da Receita Federal, na Avenida Beira Mar, com cartazes com dizeres ressaltando que o órgão é “imune a interesses políticos”  e “contra o desmonte da Receita Federal”. 

O Sindifisco Nacional, que organizou o movimento em todo o País, divulgou manifesto protestando contra o “poder fora dos limites”. Para a entidade, “não podemos assistir passivamente à arrogância de quem, ao tentar acusar a Receita e os auditores de exorbitarem atribuições, exercem todo o poder fora dos limites da lei para ferir de morte o órgão e suas autoridades fiscais”.

Os auditores fiscais consideram a situação uma afronta e citam, no manifesto, denúncias na imprensa em defesa da livre atuação do órgão. “A suspensão de investigações da Receita Federal para blindagem de agentes públicos, a mordaça imposta ao Coaf [Conselho de Controle de Atividades Financeiras], os injustos questionamentos do TCU [Tribunal de Contas da União] quanto à remuneração dos auditores, os 'puxadinhos' à Lei do Abuso de Autoridade, as tentativas de ingerência políticas do alto do Planalto e as consequentes exonerações e afastamento de servidores precisam, urgentemente, encarar uma forte reação da classe”.

Nessa segunda-feira (19), o secretário-geral da Receita Federal, João Paulo Ramos Fachada, foi demitido por pressões de órgãos do governo federal. Os auditores reclamam de interferências do Planalto e ressaltam que o presidente Jair Bolsonaro tem feito críticas à atuação dos auditores.

Por meio do Coaf, que é ligado à Receita, foram identificadas movimentações suspeitas de um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), com seu ex-assessor Fabrício Queiroz.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

MPF denuncia servidor da Receita que acessou dados sigilosos de Jair Bolsonaro

Odilon Alves Filho foi alvo, em abril deste ano, de operação da PF em Cachoeiro de Itapemirim

Auditores do Estado fazem Dia de Luto contra desmonte da Receita Federal

A demissão de João Paulo Ramos Fachada, subsecretário-geral da Receita, acirrou os ânimos no órgão

Sindifisco reforça que afastamentos de auditores da Receita foram arbitrários

Diretores da entidade e os auditores, que depuseram nesta quinta em Vitória, acionaram Marcos do Val