Banco de Leite do Himaba promove campanha de doação de frascos de vidro

Os potes devem ter entre 200 e 400 ml e tampas de plástico para evitar o acúmulo de resíduos

Frasco de vidro com tampa de plástico que muitas vezes vai parar no lixo podem ajudar a salvar vidas no Banco de Leite Humano do Hospital Estadual Infantil e Maternidade Dr. Alzir Bernardino Alves (Himaba), em Vila Velha. Qualquer pessoa pode fazer a doação desses potes que serão utilizados para armazenamento de leite materno destinado à alimentação de bebês prematuros ou de baixo peso internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (Utin).

Para fazer a conservação do leite materno doado e facilitar o trabalho de descongelamento do leite, os frascos de vidros de tamanho médio ou pequeno, tipo os de café solúvel, são os ideais. Também não acumulam cheiro e nem resíduos com o uso da tampa de plástico. Todos os potes doados passam por um processo de higienização.

Devido à pasteurização, processo de esterilização que envolve altas temperaturas e resfriamento súbito, estes potes se desgastam facilmente e necessitam de reposição constante.

De acordo com a responsável técnica pelo Banco de Leite do Himaba, Angélica Carvalho, houve ainda um aumento no número de doadoras de leite. “A doação desses frascos é importante porque a gente entrega para as doadoras coletarem o leite para a gente pasteurizar no hospital e dar para os bebês da Utin. Com o aumento no número de doadoras, ficamos sem esses recipientes para armazenar o leite cru. O ideal é que esses potes tenham entre 200 e 400 ml para facilitar o descongelamento. Nós já fazemos a compra de frascos do mesmo perfil para a pasteurização, o que precisamos é para entregar para as doadoras fazem a coleta adequadamente”, explicou.

Para doar, basta ir até o hospital, localizado a Avenida Ministro Salgado Filho, 918, Cristóvão Colombo, em Vila Velha.  O Banco de Leite do Himaba funciona todos os dias, inclusive sábados, domingos e feriados, sempre das 7h às 18h. O telefone de contato é o 3636-3151.

O Himaba

Mantido pelo Governo do Estado, o Hospital Estadual Infantil e Maternidade Dr. Alzir Bernardino Alves (Himaba), em Vila Velha, é administrado desde o dia 6 de novembro de 2019, pelo Instituto Gnosis, por meio de um contrato de gestão firmado com a Secretaria da Saúde (Sesa).

Em março do ano passado, o governo anunciou que realizaria uma auditoria nos hospitais estaduais administrados por Organizações Sociais (OSs), trabalho realizado pela Secretaria de Estado de Controle e Transparência (Secont). O Himaba, em Vila Velha, administrado desde 2017 pelo IGH, foi o primeiro alvo da fiscalização, que constataram um rombo de, pelo menos, R$ 37 milhões em prejuízos aos cofres públicos, fruto de má gestão e irregularidades. Também foram constatadas prestação de contas na forma e no tempo inadequados e contratação de serviços com valores bem acima ao que permitia o contrato. 

A rescisão contratual previu a obrigação da Organização Social IGH quitar suas pendências e prestar contas dos recursos repassados em até 120 dias, devolvendo eventuais saldos não aplicados. Foram criadas duas comissões que irão apurar os bens e garantir a transição dos serviços.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Trabalhadores encontram pedaço de inseto em comida do Infantil de Vila Velha

Nova organização social que assumiu hospital é denunciada por descaso com higiene 

Servidores da saúde adiam ocupação da Seger após proposta de corrigir distorções

Já os ex-servidores do Himaba, sem pagamento, marcaram um novo protesto em frente à Sesa

Ex-funcionários do Himaba realizam protesto por pagamentos e contratações

Denúncias apontam que atual gestão aproveita menos de 40% do quadro, reduzindo leitos de UTI e emergência

Organização IGH acusa Estado de desassistência por quebra de rescisão 

OS não enviou agenda de consultas por sair antes do previsto e alega que Estado deve pagar rescisões