Bar do Auzílio estreia em Vitória lembrando Sérgio Sampaio

Réplica do bar favorito do cantor será inaugurado com programação cultural nesta quinta-feira no Centro

A 13ª edição do Festival Sérgio Sampaio terá início de uma maneira inédita e particular: a inauguração de uma versão "capitalina" do Bar do Auzílio, o favorito do cantor em Cachoeiro de Itapemirim (sul do Estado), sua cidade natal. O estabelecimento funcionará temporariamente na Casa Subtrópico, Centro de Vitória, reunindo petiscos e bebidas similares ao original e uma programação cultural totalmente dedicada ao compositor cachoeirense falecido em 1994.

A inauguração acontece nesta quinta-feira (21), às 19h, com a abertura oficial do festival, apresentação de Fábio do Carmo tocando o instrumental de músicas de Sampaio no violão de sete cordas e discotecagem do Clube Capixaba do Vinil.

Aberto às quintas-feiras e sábados até o dia 13 de abril, data do aniversário de Sérgio Sampaio e de encerramento do festival, o local vai receber exibições de vídeo, rodas de conversa e apresentações musicais com convidados como Hélio Sampaio, irmão do compositor, Grupo 522, Juliano Rabujah, André Prando, Duo Zebedeu e participação de Renato Piau, que foi um dos principais parceiros musicais do homenageado.

Tudo isso vai servir de preparação para os dias culminantes do festival, 12 e 13 de abril, quando ocorrerão no Sesc Glória o bate-papo musical com o guitarrista Renato Piau e o show de encerramento “A Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta... Sérgio Sampaio”, relembrando especialmente o disco que o Velho Bandido gravou com Raul Seixas, Edy Star e Miriam Batucada.

O encerramento da programação do Bar do Auzílio (na foto, ao lado de Sampaio) vai acontecer em grande estilo, com a saída de uma versão capixaba do Bloco na Rua, bloco de carnaval surgido no Rio de Janeiro em homenagem ao ídolo.

“Vamos criar um ambiente na cidade de efervescência em torno da obra de Sérgio Sampaio. Para essa celebração de sua obra e esse espaço que ele gostava de frequentar, muitas músicas ele compôs ou começou a compor lá”, diz o cachoeirense João Moraes, responsável por coordenar o novo bar durante sua temporária existência.

Interpretações dos sambas de Sérgio Sampaio, músicas em instrumental, show com canções que ele compôs para mulheres, e também histórias e “causos” de quem conviveu com ele no âmbito familiar, pessoal e profissional, tudo isso fará parte desse mosaico contemporâneo em torno de sua figura.

"Quem for todos os dias vai ter uma visão interessante sobre a obra dele, haverá um grande painel de releituras da obra do Sérgio, cuidamos para que os repertórios sejam os mais variados possíveis”, diz querendo agradar tanto a "sampaiófilos" de carteirinha como pessoas que estão conhecendo e se aproximando da obra do artista recentemente.

Conhecido de Sampaio, frequentador desde criança do estabelecimento de Auzílio, Moraes tomava pastel e caldo de cana no local quando estudava ao lado no Liceu Muniz Freire e, nos fins de semana, acompanhava o pai que tomava cerveja enquanto ele bebia seu refrigerante Grapette. Crescido, também aderiu às bebidas adultas. Com essa memória, ele vai ser uma espécie de chef, promoter, dono de botequim e contador de histórias enquanto o local estiver aberto. 

O bar que Sampaio frequentou desde os anos 60 e depois, quando voltava de visita à sua cidade natal, tinha como tira-gosto chefe as piabinhas fritas, além do quibe cru. Para beber, era conhecido como o bar com a cerveja mais gelada da cidade, famoso também pelas caipirinhas de limão galego, assim como pela grande estante com mais de mil garrafas de pinga, o que levou a que fosse chamado de “Museu da Cachaça” numa reportagem de jornal.

Mas para os de lá, sempre foi o Bar do Auzílio, tocado pelo dono que dá nome ao boteco e sua esposa Dora, ainda viva. Conta João Moraes que o local tinha uma pequena moenda de cana, um balcão de pedra e atrás a estante com cachaças. O casal proprietário morava no andar de cima e o bar se estendia até o quintal, que alcançava o Rio Itapemirim, como era comum nas casas localizadas à beira do rio. Ali haviam duas grandes mesas sob a sombra de um antigo pé de carambola e uma mangueira, onde as pessoas se sentavam juntas mesmo sem se conhecer. Próximo ao rio ficava um galinheiro e um banheiro de madeira avançado sob suas águas.

Claro que seria impossível reproduzir estrutura similar no Centro de Vitória, mas o bar buscará relembrar o cardápio com piabas, quibe, batidinhas, cerveja gelada e uma cartela obviamente reduzida de cachaças de Cachoeiro de Itapemirim. Também vai trazer uma decoração temática, com imagens, livros e discos do homenageado e sobre ele.

João Moraes, o chef temporário, não aceitou o convite até conseguir se certificar que teria uma fonte para as tais piabinhas (que na verdade são lambaris, diz ele) pescadas de anzol diretamente do Rio Itapemirim, como as que eram servidas no antigo bar. “Não ia desmerecer a memória do Auzílio pegando peixe de criador ou pescado em tarrafa”, diz ele, que remora tudo com grande empolgação de quem provavelmente não vai se parecer muito com o dono do bar original. “Auzílio não era exatamente uma pessoa simpática. Tinha cara amarrada mas coração de manteiga”, conta.

Os "sampaiófilos" certamente já notaram, mas vale lembrar que o bar recriado a partir desta semana é citado na letra canção Dona Maria de Lourdes, nome da mãe do cantor: “Eu estou no bar do Auzílio ou na igreja. E onde quer que eu esteja. Eu não estou”.

 

AGENDA CULTURAL

Inauguração do Bar do Auzílio e abertura do Festival Sérgio Sampaio

Quando: Quinta-feira (21), 19h

Onde: Casa Subtrópico – Rua Coutinho Mascarenhas, 55, Centro de Vitória/ES

 

Programação completa

21 de março (quinta-feira)

19h - Bar do Auzílio (Casa Subtrópico)

# Abertura do 13º Festival Sérgio Sampaio

#Fábio do Carmo– Música no ar, Sampaio instrumental

#Clube Capixaba do Vinil – “O coro dos descontentes”, pesquisa musical, seleção e discotecagem de Gilson Soares

28 de março (quinta-feira)

19h - Bar do Auzílio

#Cine Império da Tijuca– Sessão Sérgio Sampaio (exibição de vídeos, documentários e registros em torno da obra e da biografia do Sampaio teimoso)

#Hélio Sampaio Especial

30 de março (sábado)

20h - Bar do Auzílio

#Gilbert Chaudanne eWilberth Salgueiro– “Poetas malditos, poesia marginal”

#522– O samba do Velho Bandido

4 de abril (quinta-feira)

19h - Bar do Auzílio

#Lucius Kalic– O Songbook e Sérgio Sampaio Instrumental

#Andrea Ramos

6 de abril (sábado) 

20h - Bar do Auzílio

#Duo Avarandado

#Juliano Rabujah eCruel Trio

11abr (quinta-feira) –Bar do Auzílio– 19h

#André Prandoe Duo Zebedeu, com a participação especial de Renato Piau.

12abr (sexta-feira) 

20h - Centro Cultural Sesc Glória

Bate-papo Musical com o guitarrista Renato Piaue a mediação de João Moraes eFábio do Carmo

Ingressos à venda na bilheteria do Teatro Glória a partir de 4 de abril: R$20,00 (inteira), R$10,00 (meia) e R12,00 (conveniados)

22h - Sampaiada na Rua Gama Rosa– Grappino Rango Bar e Casa de Bamba com intérpretes convidados cantando Sampaio nos dois bares do Centro de Vitória. Couvert único

13 de abril (sábado)

16h - Bar do Auzílio 

Concentração para o Bloco na Rua, com o lançamento do “Samba do Bloco” no Festival e a presença de Renato Piau

20h - Centro Cultural Sesc Glória

Grande show "A Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta...Sérgio Sampaio"

Júlia Papel, Edivan Freitas, Juliano Rabujahe Yuri Guijanskivão interpretar faixa a faixa as canções desse álbum importante da histórica fonográfica brasileira e fazer uma viagem pelo cancioneiro sampaísta. A direção musical é de Fábio do Carmo, que contará com a participação muito especial de Renato Piau.

22h - Sampaiada na Gama Rosa - Grappino Rango Bar e Casa de Bamba

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Livro e sarau vão homenagear Raul Seixas em Vitória

O Sarau da Barão realiza edição especial, contando com lançamento de obra de Vitor Cei sobre o Raulzito

Curta-metragem infantil capixaba é selecionado para festivais internacionais

Coluna CulturArte traz novidades no Conselho de Cultura, na Academia de Letras e novos discos lançados

Novo disco do Dead Fish é um tapa na cara de Bolsonaro e seus asseclas

Rodrigo Lima, vocalista da banda capixaba que é referência no hardcore nacional, fala do álbum Ponto Cego

Projeto Amigo Livro realiza seu primeiro Festival Literário

Serão três dias de atividades culturais gratuitas buscando unir escritores, leitores e amantes dos livros