Blindagem

''Acordão'' entre Eder Pontes e Erick Musso já foi escancarado, mas poucos se atrevem a fazer eco

O “acordão” entre o Ministério Público do Estado (MPES) e a Assembleia Legislativa, costurado por seus respectivos comandantes Eder Pontes e Erick Musso (PRB), já foi escancarado. Tanto pelo enredo que culminou na aprovação dos projetos de interesses dos dois, criando um festival de cargos comissionados e acabando com instrumentos de fiscalização, como pela própria repercussão, em vozes isoladas mas barulhentas. A reação da vez é o pedido de providências feito pelo Sindicato dos Advogados do Espírito Santo (Sindiadvogados) na Procuradoria-Geral do MPES e Procuradoria e Corregedoria da Assembleia, para apurar "prática de conluio, corrupção e tráfico de influência" na "troca de favores" entre os dois órgãos, que resultou na aprovação dos projetos na véspera do recesso parlamentar, denúncia já feita também pelo deputado estadual Sergio Majeski (PSB). Uma medida sem dúvida necessária, mas que está longe de encontrar o devido eco e investigação. Passa legislatura, entra legislatura, poucos se atrevem a mexer nesse conhecido “ganha-ganha” entre poderes. 

Blindagem II
A própria votação dos projetos deixou isso claro. Nenhum debate e apenas cinco votos contrários – Majeski, Iriny Lopes (PT) e Torino Marques, Capitão Assumção e Danilo Bahiense, do PSL. O único a tratar do “x da questão” foi Majeski. A tropa PSL até divulgou nota, mas só com críticas ao projeto do MPES. No mais, mercado político e jurídico, silêncio total. 

Sinais
Ignorando completamente os bastidores dessas relações, o questionamento que prevalece é apenas o veto do governador Renato Casagrande às medidas de Eder Pontes. Pelas declarações dele à imprensa nos últimos dias, sei não....

Sinais II
Tudo indica que o governador poderá tirar de um lado (pagamento do 13º do auxílio alimentação dos servidores) para liberar do outro (criação de 307 cargos comissionados). Se essa for mesmo a decisão, que se aproxima do prazo final, vai ser difícil explicar. 

Rejeição
O motivo é claro: a população não engoliu os projetos – também pudera! – e deposita toda a expectativa num veto de Casagrande. A conferir!

Números
Por falar no governador, o Sindicato dos Servidores Público do Estado (Sindipúblicos) lançou o “Monitor das Perdas Salariais” para cobrar a revisão geral anual garantida em lei. Todo mês, será atualizado o índice acumulado, considerando a inflação, e com desconto dos 5% concedidos em 2018. O Monitor já começa em 28,4%, relativo às perdas desde 2014.

Sem apostas
Anunciado no encontro do PSL como possível candidato à prefeitura de Vitória, o deputado estadual Torino Marques aproveita o recesso para circular pela Capital. Nesta quinta-feira (25), esteve na tradicional feira da Praia do Canto, onde distribuiu sorrisos e apertos de mão. Apesar dessa demarcação de território, porém, o mercado político não compra a ideia de que Torino, novato na Assembleia, disputará em 2020.

Caça aos votos
A propósito, os parlamentares capixabas, tanto do legislativo estadual como do Congresso Nacional, já correram para fazer prestações de contas dos primeiros meses de mandato. A iniciativa se traduz em eventos e holofotes eleitorais, principalmente em suas bases. A verdadeira caça aos votos.

Homenagem
A Campanha Nem um Poço a Mais, que atua nos territórios ameaçados pela “petrodependência” no Estado, irá premiar, na próxima segunda-feira (29), os guardiãs e guardiões da natureza, em celebração no Museu Capixaba do Negro (Mucane), Centro de Vitória, de 18h às 22h. 

Homenagem II
Os escolhidos, que só serão revelados no evento, são reconhecidos por importantes trabalhos que desenvolvem na luta contra a expansão da cadeia petroleira no Espírito Santo. A campanha é desenvolvida pela Federação dos Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase).

PENSAMENTO:
“Os fatos devem provar a bondade das palavras”. Sêneca

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

De novo, a OAB

Ainda dá tempo de os deputados partirem pra cima do MPES-Eder como fazem agora com a OAB de Rizk...

Já demorou...

Para além do absurdo protagonizado por Assumção, muito interessa a posição do MPES-Eder Pontes

‘Papelão’

Fora Enivaldo e Iriny, que se posicionaram no caso Majeski-Eder, os outros 27 deputados, que vergonha...

Modus operandi

Só o que muda na “versão 2019” de Eder Pontes é que vale até processar quem tem imunidade parlamentar...