Borges entre a épica e o romance

Borges lamenta esta cisão que foi feita entre lírica e elegia, de um lado, e romance, de outro

O NARRAR UMA HISTÓRIA

Borges começa o texto nos lembrando de como a palavra poeta possui duas referências e sentidos diversos quando se fala dela na antiguidade e na modernidade. Temos, de início, que Borges julga o sentido moderno de poeta um conceito ou palavra fracionada, uma vez que temos aqui a lírica como fator dominante, ao passo que seu sentido antigo está ligada a uma feitura, a uma narração de uma história, o que vai culminar na poesia épica, a primeira linguagem poética que surgiu na História, e que tem um aspecto de narrativa calcada na conduta do herói.

Tal épica inaugura o que se entendia por poesia, a lírica, por sua vez, é fenômeno mais próprio do verso moderno, o narrador antigo poderia até apresentar certa lírica, mas a sua função era muito mais pragmática, ele era um fazedor de histórias, um guia que nos contava as peripécias de um herói, e Borges nos cita as três poesias épicas principais do período antigo, que eram então a Ilíada, a Odisseia e, por fim, os quatro Evangelhos, que Borges aqui define também como um épico, mesmo que nós entendamos como códice religioso.

Borges, seguindo a sua análise, considera a Ilíada, por exemplo, pobre de atrativos, pois se concentra num episódio maçante do herói Aquiles, seu momento de fúria, e que ganha o contorno de uma guerra, que é a invasão dos guerreiros gregos à cidade de Troia, e o tema da Ilíada passa a ser todo este enredo em que Aquiles enraivecido invade Troia, e temos então Borges nos lembrando que muito da identidade do enredo épico pendia, paradoxalmente, mais para o lado dos derrotados, isto é, os troianos, do que uma certa antipatia dos vencedores gregos, pois as pessoas escolhiam os heróis troianos, numa espécie de dignidade da derrota, a qual será consolidada já na modernidade.

Por sua vez, a Odisseia possui uma narrativa mais densa e completa que a Ilíada, pois seu tema se volta a duas frentes, ou melhor, temos duas leituras que se pode fazer do enredo da Odisseia, tanto a peripécia marítima de Ulisses e suas aventuras nestes caminhos e viagens, como a ideia corrente  e mais conhecida de um exílio e regresso do herói. Portanto, temos, de um lado, a magia dos perigos e curiosidades do mar, e de outro lado, um herói que tem uma intenção principal de regressar vivo à sua terra natal, sendo a ideia de exílio e regresso aqui o leitmotiv da épica do herói, considerando que todos os atrativos do mar são aventuras efêmeras, e que o destino do herói está em seu retorno ao lar.

E, por fim, temos o que Borges considera o maior épico da terra, que são os quatro evangelhos. Estes que, por sua vez, são a narrativa de um herói histórico e real, guardadas as controvérsias que colocam em dúvida a existência de Jesus e, ainda mais, de que se trata do maior herói de todos, isto é, o messias, o homem-deus. Mas a leitura preponderante é a que se constitui como o dogma cristão, ou seja, a ideia de que Deus se fez homem e morreu na cruz para expiar os pecados da humanidade, ressuscitando ao terceiro dia e nos deixando o testemunho do amor de Deus e da realidade do paraíso. A leitura cética, por outro lado, mesmo que não duvide da figura histórica de Jesus, nunca aceitará a ideia de um homem-deus, talvez no máximo a ideia de um sábio que tinha um gênio tal que se dizia deus até que este deus o abandona na crucificação.

Borges nos faz saber também que, por muitos séculos, as três narrativas épicas principais (Ilíada, Odisseia e os quatro evangelhos) que surgiram ainda no mundo antigo dominaram o imaginário da humanidade sem dar falta de nada mais, pois eram épicos poderosos o suficiente para nutrir a humanidade por um bom tempo, e foi o que ocorreu, com tais épicos sendo contados e recontados através de gerações, o que consolidou estas três narrativas como um patrimônio da humanidade e um dos principais materiais narrativos da História até os dias de hoje. Temos tais épicos como cânones indestrutíveis da tradição histórica e literária humana.

Já no despontar da modernidade temos o tal fracionamento ou fragmentação de que nos fala Borges no início, isto é, a divisão entre poesia lírica e elegia, de um lado, e a narrativa moderna, que será o romance, de outro lado. Borges nos sugere, então, sem afirmar categoricamente, que o romance pode figurar como um tipo de degeneração da épica, já que “o romance remonta à dignidade da épica”, nas palavras de Borges.

E uma das diferenças mais patentes entre a épica e o romance, por sua vez, Borges nos faz lembrar, e é um tanto óbvio, de certo modo, é a divisão existente ou separação entre o verso e a prosa, pois a épica canta algo em versos, enquanto o romance enuncia uma história com o uso pragmático da prosa, pois temos a épica que também conta uma história, mas aqui é um cantar, isto é, poesia, ou ainda, poesia épica, ao passo que o romance já faz parte da prosa, oficialmente falando, pois tem um lado objetivo e de materialidade, uma vez que no romance se conta simplesmente uma história, ao passo que na poesia épica se conta uma história no contexto poético de uma linguagem musical ou cantada.

Outra diferença entre épica e romance está no fato de que a poesia épica conta a saga de um herói, ao passo que o romance tem um lance contra-intuitivo de nos contar sobre o aniquilamento de um homem, da degeneração do caráter. A épica nos legou por séculos, portanto, uma tradição narrativa dos vencedores, ao passo que a dignidade da derrota só nos foi tematizada de fato com a emergência do romance como nova categoria literária, mudando um paradigma de final feliz ou de ideia de felicidade como dogma narrativo até então, imagem positiva esta que a épica sempre consolidou com a aventura do herói e suas glórias e vitórias.

Na transição do século XVIII para o XIX temos, então, que o homem começou a inventar histórias, figurando então escritores inaugurais como foram Hawthorne e Edgar Allan Poe, mas sem, contudo, tratar-se da existência de um Adão literário, pois há precursores, mas temos nesta passagem citada entre séculos a evolução das peripécias e a construção diversa de inúmeros enredos, revelando a categoria do romance, por exemplo, como algo mais engenhoso de enredos do que fora o épico até então, poesia épica que fora um modelo canônico, verdadeiro paradigma, que vigorara por séculos.

Borges, por fim, finaliza este texto com um tipo doce de nostalgia, que é seu anelo de retorno da épica, de novamente a poesia se tornar algo originário como foi antes, isto é, uma poesia narrativa, que conta uma história através da canção, que junta duas funções num só modelo, a poesia épica, esta que junta o verso cantado e uma história, uma vez que Borges lamenta esta cisão que foi feita entre lírica e elegia, de um lado, e romance, de outro.

E a nostalgia de Borges também tenta profetizar a implosão do romance, depois de deslocamentos temporais e de estrutura, e o retorno triunfal da épica, no que Borges admite, então, a sua inadequação, ou se tratar de um sonho antiquado, de um “um homem antiquado do século XIX”, pois este é o sonho louco de Borges, um sonho literário, mas que faz sentido, pois julgo que a literatura e a poesia, o verso e a prosa, não são faculdades estanques.

A épica, talvez, se nos dê agora não como um retorno ou renascimento de uma tradição antiga, mas como uma evolução que formará uma nova força de confluência, sem necessariamente implodir ou entrar na frente do romance, como talvez sugere sutilmente o desejo ou profecia borgianos.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Ocupação e resistência

TV Século visitou a ocupação que leva o nome de Chico Prego, herói da luta contra a escravidão no Estado

Uma breve história das salas de cinema no Espírito Santo

Como o cinema saiu do Centro de Vitória aos bairros e interiores até se radicar nos Shopping Centers

Góngora e sua posição histórica

“um dos poetas mais representativos do Maneirismo europeu”

Sonhos em Borges, descrições do delírio

“a razão é deturpada por uma interação mental fantasmática e evanescente”