Câmara de Vitória realiza audiência para discutir criminalização da homofobia

Encontro tem como objetivo nortear a criação de leis necessárias que visem proteção da comunidade LGBTI+

A Câmara de Vitória realiza, nesta segunda-feira (9), no Plenário Maria Ortiz, às 18h30, uma audiência para debater o tema “Como tratar a decisão do STF que criminaliza a LGBTfobia em Vitória”. A audiência pública, que foi solicitada pela Associação Mães pela Diversidade do Espírito Santo, tem como objetivo nortear a criação de leis necessárias que visem proteção, segurança, respeito, emprego, mobilidade e cidadania para as pessoas LGBT+.

"Nossa associação é nacional, só não tem coordenação em um estado específico da federação, e vem crescendo consideravelmente, pois mães e pais conscientizam-se cada vez mais em defenderem suas filhas e filhos. A família diversidade existe e queremos respeito", afirmou Mônica Alves, que completou: “Nosso combustível é o amor incondicional. É LGBT? Faz parte da família; por isso, nosso slogan é um coração colorido e enorme. Enquanto houver LGTBfobia não descansaremos. Viva a Diversidade!", concluiu. 

A audiência pública será presidida pelo vereador Roberto Martins (PTB).  “Acredito que o ideal é que ninguém sofra nenhum tipo de violência, verbal ou física, por conta de sua orientação sexual. Defendo que toda a sociedade capixaba deva contribuir para que esse tipo de crime não mais ocorra; mas, caso seja praticado, a comunidade LGBT+ deve saber como proceder”, ressaltou Martins.

No dia 13 deste ano, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que houve omissão inconstitucional do Congresso Nacional por não editar lei que criminalizasse atos de homofobia e de transfobia. 

Por maioria, a Corte reconheceu a mora do Congresso Nacional para incriminar atos atentatórios a direitos fundamentais dos integrantes da comunidade LGBT. Os ministros Celso de Mello, Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes votaram pelo enquadramento da homofobia e da transfobia como tipo penal definido na Lei do Racismo (Lei 7.716/1989) até que o Congresso Nacional edite lei sobre a matéria. 

Nesse ponto, ficaram vencidos os ministros Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, por entenderem que a conduta só pode ser punida mediante lei aprovada pelo Legislativo. O ministro Marco Aurélio não reconhecia a mora.

Por maioria, o Plenário aprovou a tese proposta pelo relator da ADO, ministro Celso de Mello, formulada em três pontos. O primeiro prevê que, até que o Congresso Nacional edite lei específica, as condutas homofóbicas e transfóbicas, reais ou supostas, se enquadram nos crimes previstos na Lei 7.716/2018 e, no caso de homicídio doloso, constitui circunstância que o qualifica, por configurar motivo torpe. No segundo ponto, a tese prevê que a repressão penal à prática da homotransfobia não alcança nem restringe o exercício da liberdade religiosa, desde que tais manifestações não configurem discurso de ódio. 

Finalmente, a tese estabelece que o conceito de racismo ultrapassa aspectos estritamente biológicos ou fenotípicos e alcança a negação da dignidade e da humanidade de grupos vulneráveis. Ficou vencido o ministro Marco Aurélio.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Ação no STF pode suspender Previdência dos servidores capixabas

Associação de Auditores protocolou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade questionando alíquota

Porta fechada

Polêmica na Ales expõe articulações de 2020 em Vitória: Republicanos x Cidadania e Casagrande no meio

Maioria dos presídios não tem cela específica nem respeita direitos dos LGBT+

No Espírito Santo, entidades ainda lutam pelo respeito ao nome social e celas para lésbicas

Vinte e cinco artistas se unem em exposição coletiva em Vitória

Montagem no Emparede marca a última das mais de 40 atividades do projeto Arte Comvida em 2019