Capitão Assumção é condenado a cinco anos de prisão por greve da Polícia Militar

Juíza considerou que o deputado foi o grande idealizador e o principal articulador do movimento de 2017

O deputado estadual Capitão Assumção (PSL) foi condenado a cinco anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, no processo sobre os crimes que teria cometido durante a paralisação dos policiais militares, em fevereiro de 2017. A sentença, com data dessa quinta-feira (26), é da juíza Gisele Souza de Oliveira, da 4ª Vara Criminal de Vitória, na ação penal número 0016850-68.2017.8.08.0024. 

A Justiça também condenou um dos assessores parlamentares de Assumção, o ex-soldado Walter Matias Lopes, e os policiais militares Aurélio Robson Fonseca da Silva, Marco Aurélio Gonçalves Batista, Nero Walker da Silva Soares e José Ricardo de Oliveira Silva. E absolveu, na mesma ação penal, o coronel Carlos Alberto Foresti e os militares Leonardo Fernandes Nascimento, João Marcos Malta de Aguiar e Maxson Luiz da Conceição. 

Assumção foi denunciado pelo Ministério Público do Estado  (MPES) pela prática dos crimes previstos no art. 2º, caput, da Lei nº 12.850/2013 e artigos 265, caput e 286, ambos do Código Penal. Os promotores defenderam, no processo, a existência de uma organização criminosa que esteve à frente do movimento juntamente com 14 mulheres com parentescos com os militares, incluindo esposas, irmãs e mães. 

De acordo com a denúncia, ele teria postado, em 4 de fevereiro de 2017, às 11h24, dois vídeos em suas redes sociais nos quais aparecia ao lado dos manifestantes que bloqueavam a Companhia da Polícia Militar em Ecoporanga, norte do Estado, apoiando os manifestantes. 

Um dos vídeos exibia, segundo o MPES, o seguinte texto: “O Espírito Santo parou!!! Todas as unidades e subunidades da PMES nos 78 municípios capixabas foram impedidas de colocar o policiamento nas ruas. Familiares de policiais militares ocuparam as entradas dos quartéis impedindo a saída de qualquer policiamento, exigindo melhorias salariais urgente. Estamos fazendo a nossa parte. Força, família policial militar! #mexeucomummexecomtodos #nãotemPMnoEShoje #ligaprobatman #eagoragovernador”.

No outro vídeo, "o deputado continuou convocando os policiais militares e os familiares para novas obstruções, afirmando que só haveria a liberação das unidades quando as reivindicações 'dos policiais' fossem atendidas, corrigindo-se, em seguida, para afirmar que a manifestação era de familiares".

Na sentença, a juíza Gisele Souza de Oliveira afirma: “Nota-se, assim, que a postura do acusado, neste ponto, revelou a sua ciência de que, já no primeiro dia do movimento, todas as unidades de 78 municípios do Estado não estavam funcionando regularmente, afirmando, expressamente, que o Estado 'parou' e que não havia policiamento”. 

E acrescenta: “Esta conduta demonstrou, inequivocamente, que o acusado Lucínio Castelo Assumção foi o grande idealizador e o principal articulador do movimento denominado ‘greve da PM”, afirma a magistrada na sentença.

Para a juíza, "em relação à culpabilidade, verifico que o grau de reprovabilidade da conduta do acusado revela-se elevadíssimo, considerando que o mesmo foi o principal articulador do ilegal movimento que levou à interrupção dos serviços de segurança pública, transporte, dentre outros, neste Estado".

Já o assessor parlamentar Walter Matias, condenado a quatro anos e três meses de prisão, também vai cumprir em regime semiaberto. Aurélio Robson, condenado a três anos e quatro meses, pena idêntica dada a Marco Aurélio. Os soldados Nero Walker e José Ricardo foram condenados a um ano e seis meses.  
Para os demais condenados, a juíza Gisele Souza de Oliveira decidiu substituir “a pena privativa de liberdade por dois restritivas de direito, pelo mesmo período da pena substituída, saber: a) prestação de serviços à comunidade, em local a ser definido pelo Juízo da Execução Penal; b) prestação pecuniária, consistente no pagamento de 3 (três) salários mínimos a entidade pública ou privada com destinação social”. 

A deflagração do movimento dos policiais militares durou 22 dias, em fevereiro de 2017, provocando uma situação de caos em todo o Estado, com o registro de cerca de 200 homicídios no período. Os policiais reivindicavam equiparação salarial e melhores condições de trabalho, mas sempre esbarravam na falta de diálogo do Governo Paulo Hartung. 

Assumção chegou a ficar preso no Quartel do Comando Geral (QCG), em Maruípe, Vitória, durante 10 meses, acusado de participação no movimento. Ele ganhou liberdade em dezembro de 2017, lançando-se candidato à Assembleia Legislativa no ano seguinte. 

Depoimento

Em seu interrogatório à Justiça, no ano passado, Assumção negou ter sido líder ou cabeça da suposta organização criminosa denunciada pelo MPES. No entanto, não negou que tenha aderido e participado, ativamente, estando em frente dos batalhões, participando de passeatas onde, inclusive, fez discursos; e sendo ativo em suas críticas ao governo do Estado nas redes sociais, postando fotos, vídeos e textos. 
 
Ele também criticou que coroneis que estavam no comando de batalhões e companhias independentes e impediram militares de sair para o policiamento entre os dias 4 e 7 de fevereiro, mas não foram responsabilizados. Tais oficiais, segundo ele, chegaram a ser investigados pela Corregedoria da Corporação, mas o inquérito foi arquivado. Além disso, integrantes do governo também ficaram de fora de qualquer responsabilização. 

Além de Assumção, outros quatro soldados foram presos em decorrência da greve. A abertura dos inquéritos que geraram as prisões foi considerada, na época, uma medida de viés político. Uma resposta do governo Paulo Hartung à greve, que expôs a fragilidade de sua gestão em nível nacional. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Sindicato dos Advogados repudia foto de criança com arma e acionará o MP

Luiz Télvio Valim, do Sindiadvogados, prepara petição para apurar ato do deputado Capitão Assumção

Foto de cadela gera novo processo administrativo contra ex-presidente da ACS

O sargento Renato Martins Conceição cumpriu 12 dias de prisão e foi libertado nessa quinta-feira

PM's contestam regras para promoções que excluem militares em licença médica

Quadro, que deve ser publicado nesta sexta-feira, não contempla policiais que encerraram 2018 afastados

Privilégios ao MPES aprovados na Assembleia Legislativa geram mais críticas

Deputados do PSL reforçaram posição contrária aos projetos, que contaram com articulação de Erick Musso