Capixaba viaja o Brasil ensinando a pintar com tintas naturais

Autodidata, Jhon Bermond escreveu cartilha com técnicas para extrair cores de alimentos e minerais

Fotos: Divulgação

Nascido em Nova Venécia, Jhon Bermond viveu no no Espírito Santo até os 10 anos, quando se mudou com os pais para o Rio de Janeiro. Sempre teve uma ligação com a pintura. "Desde criança, já pintava as paredes de casa com carvão", ri. 

Mas a vida tem caminhos às vezes tortos. Foi em 2013, cansado da vida estressante na cidade, que o já adulto Jhon retomaria sua trajetória com a pintura, quando pediu demissão do trabalho que tinha e foi passar um tempo numa ecovila El Nagual, no Estado do Rio de Janeiro, onde conheceu a proposta da Permacultura. "Foi onde me reconectei com a natureza e com os estudos na pintura natural. Foi o momento de unir a natureza com a arte que me fez seguir adiante", conta. 

Participou de vivências com indígenas xavantes no Mato Grosso, onde praticou e aprendeu mais sobre bioconstrução e pintura natural, e passou a buscar aprender mais. Em sua apresentação nas redes sociais, fala de sua relação com a pintura. "Não tenho formação acadêmica em artes. Ela simplesmente surgiu em minha vida e, com o passar do tempo, experiências e dedicação, mais aprendo e me apaixono pelas formas, traços e cores. A inspiração vem da natureza, misturada com sentimentos, sonhos e intuição".

Foram os estudos, experimentos e intuições que deram origem a seu trabalho artístico, muito focado em retratar paisagens e aspectos das culturas populares e tradicionais, com pinturas que podem ser encontradas em sua página oficial na internet. Entretanto, toda pesquisa desenvolvida não lhe rendeu apenas obras por ele pintadas, mas também a um pequeno caderno digital gratuito chamado "Apostila Intuitiva de Pigmentos Naturais", assinado por seu projeto Arte da Terra, que ganhou grande difusão por todo país na internet. Nela, o autor conta um pouco sobre os pigmentos naturais, usados de forma ancestral há milhares de anos. 

Em seguida ensina como obter diferentes cores a partir de alimentos e também de minerais, como o carvão que utilizava na infância para pintar as paredes. Outros elementos naturais servem como fixadores e conservantes, garantindo maior qualidade e durabilidade para os pigmentos.

 "Tinta natural" é uma palavra bastante recente. Antes era somente 'tinta", aponta o artista, já que tudo era natural. Mas a indústria criou e promoveu as tintas a partir de materiais tóxicos, hoje bastante populares, práticos e fáceis de encontrar. Mas por que caminhar no sentido inverso desse suposto "progresso" da humanidade?

"Meu serviço envolve esse cuidado em trabalhar com e não contra a natureza. Respeitando a pessoas, quando se envolve com a cultura tradicional e utiliza a arte que não agride nosso corpo. Cuidando da terra, a utilizar um pigmento orgânico que utilizado e descartado na natureza não trará problemas e partilha justa, levando o conhecimento para todos", afirma, lembrando dos princípios da permacultura, que tem como pilares o cuidado com as pessoas e com a terra e o partilhar do conhecimento.

E não só com a cartilha Jhon Bermond partilha esse conhecimento que ajuda a cuidar do planeta. Também realiza oficinas de pintura intuitiva com tintas naturais, tendo passado por todas as regiões do Brasil. Em cada local, conforme as características de solo e da flora, mudam os elementos usados, já que a ideia é aproveitar o que está no entorno.

"As tintas naturais estão no nosso cotidiano. Na terra que pisamos, nas cozinha, no quintal, nas refeições. Basta a gente parar para observar as cores da vida", aponta. Açafrão, urucum, café, carvão, argila, terra, couve, beterraba, casca de cebola e jabuticaba são alguns dos elementos que servem de base para obter as colorações. Para obter as tintas, são feitos processos como cocção, maceração, infusão, fricção e liquidificação. 

A pesquisa não é fácil. "O processo de preparação é milenar, envolve diversas técnicas e muitos estudos. Pesquisar e resgatar a pintura ancestral tradicional é sempre um desafio. Em diversas regiões do Brasil, comunidades já deixaram de utilizar as tintas naturais e fazem a opção das industrializadas. A relação com as cores e a natureza se dá principalmente com o respeito à identidade dos povos que tingiam somente com as cores naturais".

Jhon Bermond já levou suas oficinas para Roraima, Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Goiás, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro. Mas ainda não realizou atividade em seu estado natal. Até tentou trazê-la para Vitória recentemente, mas não houve "quórum" para completar uma turma e viabilizar a atividade. "E como na natureza tudo tem o seu tempo, respeitamos e deixamos a semente germinar para uma próxima colheita", considera.

Atualmente, entre pinturas, vivências, oficinas e outras atividades, o artista prepara seu primeiro livro sobre plantas e tintas naturais, com previsão de ser publicado no próximo ano.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Depois de sofrer AVC, fotógrafo registra vida de pessoas com deficiência

Mesmo com paralisia no braço direito, Rafael Bof fotografa com uma mão só e já realizou 18 exposições

Vale a pena ir ao navio-livraria em Vitória?

Coluna CulturArte: visitando o navio Logos Hope, Festival Canela Verde, cachoeirenses na parede

Inspirada em ataque homofóbico, 'A Golondrina' será apresentada em Vitória

Escrita pelo elogiado Guillem Clua, peça teatral fala sobre diversidade, aceitação e empatia

Humanos e pombos, pragas das cidades? 

Espetáculo de rua que estreia sexta-feira, Revoada traz em teatro e dança reflexões sobre a atualidade