Casa Azul: um centro cultural alternativo no interior

Em Guaçuí, espaço abre portas para música autoral, exposições e outras atividades artísticas

Fotos: Divulgação

Uma casa histórica em Guaçuí virou um local de fomento da música e da cultura autoral. No município de cerca de 30 mil habitantes no Caparaó capixaba, a Casa Azul é desde abril um tipo de espaço raro de encontrar no interior do Espírito Santo. Ou talvez nem só no interior, mas também na região metropolitana, onde ainda são poucos os locais com esse formato de incentivo às artes e cultura.

Duas grandes salas e um quintal amplo fazem parte da estrutura da Casa Azul, localizada bem no Centro do Município, próximo a um pub em que acontecem shows de rock e blues. Logo na entrada, as telas com pinturas e colagens penduradas nas paredes dão um ar diferenciado com obras do artista residente Régis Bazani, que ficam para exposição e venda no local. Também aparecem obras dos parceiros do Ateliê Jardim de Luz, também do município. 

A colaboração dos artistas e a relação próxima com eles é parte da construção que permite viabilizar a existência desse tipo de espaço, já que os idealizadores precisam arcar com os custos de manutenção, como aluguel e contas.

Espaços culturais alternativos são difíceis de sustentar, e mais ainda nos interiores, onde geralmente o mais comum é que os locais de lazer optem por opções mais “seguras” e comerciais, como a música cover e estilos muito populares como o sertanejo.

A Casa Azul apostou em ir na contramão ao privilegiar artistas autorais, com shows tanto de músicos locais como de outros municípios e regiões em apresentações intimistas que podem variar da sala de estar ao quintal, sempre com possibilidade do público ter um contato próximo e trocar uma ideia com os artistas.

André Prando, um dos nomes mais destacados na música feita no Espírito Santo nos últimos anos, é um que encontrou no local uma oportunidade de chegar ao público da região que curte seu som, ao mesmo tempo em que consegue apresentá-lo para além dos espaços da Grande Vitória e de outros estados. Já fez dois shows na Casa Azul e já tem o próximo agendado.

Além dele, já tocaram no espaço artistas como Dan Abranches, Yuri Guijansque, Fábio do Carmo, banda Alldeia, Projeto Latinidades, Cold Zero, João Lucas, 3US, entre outros “O espaço preza pelo autoral, pelo autêntico, Recebe um público diverso, desde famílias até a juventude que circula por locais alternativos de outras cidades como Vitória, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, e sente falta dessa cena cultural diversa”, diz Diego Barbosa, um dos coordenadores do centro cultural junto com Layza Cardoso, idealizadora do projeto.

A proposta começou na verdade na própria residência de Laysa, buscando juntar amigos e realizar atividades culturais. Depois, ambos decidiram investir num espaço próprio, utilizando além dos shows, venda de comidas e bebidas, artes, artesanato e brechó como estratégias tanto de fomento da cultura como de sustentação do espaço. Um cineclube e um sarau também acontecem no local, com eventos esporádicos, além das noites de karaokê, que costumam ser sucesso.

Atualmente a Casa Azul deu uma pausa de férias, com retorno marcado para dia 1 de fevereiro justamente com o show de André Prando. Mais informações na página do espaço no Instagram.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Blocos se organizam por melhorias no Carnaval do Centro de Vitória

Representados desde o ano passado pelo Blocão, 14 agrupações discutem com poder público questões da festa

Atividades culturais e tartarugas são atrações em Regência

Todos os sábados até o carnaval acontece corrida de filhotes com feira cultural no Projeto Tamar

O lugar mais underground de Vitória

Conheça a Sala Pós-Cirúrgica, espaço cultural que realiza eventos com música autoral e artes visuais

Em 'Resquícios', a natureza é a escultora

Exposição de trabalhos com madeira de Henrique Luiz Custodio estreia sábado (25) no Eliziário Rangel