Casagrande diz que não negará parceria com o governo Bolsonaro 

Renato Casagrande aprova a reforma da previdência, mas acha difícil a tramitação de um regime a outro

Com muita cautela, expressão que gosta de usar, o governador Renato Casagrande (PSB) afirmou que tem uma “relação extraordinária, do ponto de vista institucional, com o governo Bolsonaro” e que não negará uma parceria. 
 
As declarações foram feitas em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, publicada nesta terça-feira (6), na qual ele diz achar virtudes no atual governo, apesar do ambiente de economia de inclinação neoliberal. 

O governador assume essa posição, esboçada desde o início de sua gestão, apesar de ser membro do PSB, partido que integra o bloco de oposição ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), juntamente com o PT, Psol e Rede, em nível nacional.

Casagrande defende, por esse motivo, uma atuação firme da oposição, independente das relações institucionais com os governos estaduais. Para ele, isso dará equilíbrio ao governo, garantindo a distribuição de renda e direitos sociais. “Não é o mercado que vai resolver a desigualdade social brasileira”, ressalta.  

O governador prossegue na entrevista fazendo uma leitura da realidade no País e pontua, em concordância com os primeiros dias do governo federal: “A população está menos interessada em ideologias e mais em resultados e políticas públicas”. 

No entanto, discorda do projeto de flexibilização de posse de armas de fogo para o cidadão comum, por achar equivocada a ideia de que essa prática irá reduzir a violência e a criminalidade: “Quanto mais armas em circulação, muito mais rapidamente os bandidos vão alcançar essas armas”, opina.

Sobre a reforma da Previdência, o governador capixaba disse ao jornal que aprova o projeto do governo, mas acha a proposta de capitalização de difícil tramitação, porque ainda não explicaram o que fazer com o regime atual.

Inquirido pelo jornal sobre a greve da Polícia Militar, em 2017, e a anistia dada aos policiais logo no início do seu governo, Casagrande alfinetou o ex-governador Paulo Hartung, apontando a “incapacidade do governo passado em lidar com a crise”, ressaltando a falta de diálogo e o comportamento arrogante. Ele defende que a concessão da anistia "fecha a ferida".

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Espaço secundário

Majeski ser jogado para escanteio no governo Hartung, sempre foi o esperado. Mas no período Casagrande...

Acordo assinado por Hartung pode engessar gestão ambiental de Casagrande

Proposto pelo MPF, Hartung aprovou Termo que não estabelece níveis aceitáveis para emissões de poluentes

Movimento Negro reivindica Secretaria Especial de Promoção de Igualdade Racial

Em reunião com a secretária Nara Borgo foi entregue um documento que pede reabertura de diálogo

Qualidade da água de Cedrolândia pode afetar alunos na volta às aulas

Preocupação com água da escola foi levada ao Ministério Público, à OAB e ao governador Renato Casagrande