Casagrande revoga redução de ICMS para medicamentos

Lei sancionada mantém alíquota em 17% e não em 12% como previa mudança aprovada em novembro

Foi sancionada pelo governador Renato Casagrande (PSB) e publicada no Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (4), a Lei Estadual 10965/2019, que mantém em 17% o valor do Imposto sobre circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para medicamentos em determinadas situações. De autoria de Euclério Sampaio (DC), a Lei revoga a alteração feita uma lei anterior, a de nº 7.000/2001, que reduzia a alíquota para 12%.

A redução havia sido aprovada em novembro de 2018, após o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) apresentar emenda à matéria do Executivo que tinha como  objetivo estabelecer a utilização do preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF) como base de cálculo para as operações com medicamentos para uso humano.

De acordo com Euclério, a emenda padecia de vício de legalidade por infringir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), em especial, porque tal dispositivo estabelece que o ente público, ao abrir mão de parte de sua receita orçamentária, deve indicar meios de compensação aos cofres públicos.

“O projeto apresentado tem o condão de se evitar a ocorrência de execução de uma lei que, não bastasse seu nobre propósito criador, é ilegal, e seus efeitos produzirão uma defasagem de receita sem que houvesse a indicação do benefício compensador ou da fonte compensatória à receita suprimida, configurando renúncia de receita”, argumentou Euclério Sampaio quando apresentou o novo projeto.

Entenda

No final de outubro o governo do Estado encaminhou para a Casa o PL 278/2018 com a finalidade de estabelecer a utilização do preço médio (PMPF) usualmente praticado no mercado como base de cálculo para as operações com medicamentos de uso humano. A proposta dava ao secretário de Fazenda a responsabilidade de fazer a publicação do ato com os preços.

Em meio à discussão da matéria, Enivaldo apresentou emenda que incluía no artigo 20, entre as possibilidades de cobrar o imposto no valor de 12%, o seguinte item: “Nas saídas de medicamentos de uso humano genéricos ou similares, desde que promovidas por atacadista que comercialize no mínimo 80% em operações internas”.

A proposição foi aprovada com a emenda de Enivaldo. Entretanto, o Executivo encaminhou mensagem vetando-a, sob o argumento de que a redução da alíquota do ICMS representaria um impacto de aproximadamente R$ 67,5 milhões na arrecadação prevista para o exercício de 2019. O Plenário optou por manter a emenda e derrubou o veto.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Delegados da Polícia Civil realizam protesto na Assembleia Legislativa

Ato por Valorização Salarial é uma reação ''à falta de medidas concretas do Governo sobre a recomposição''

Comissão de Finanças convoca chefe da PC para prestar esclarecimentos

Deputado Euclério Sampaio, presidente do colegiado, confirmou convocação, mas manteve motivo em sigilo

Frente de policiais realiza protesto no Palácio Anchieta por reajuste salarial

Em faixa, categoria alerta que Casagrande mantém política salarial equivocada e fora da realidade do País

Deputados pedem fim de isenções fiscais da Vale por não indenizar vítimas

Enivaldo dos Anjos afirmou que não irá arrefecer até acabar com as regalias da mineradora