Casagrande se articula, muda cenário e garante indicação de Ciciliotti ao TCE

Após negociações nesta quinta-feira, governador teria 17 dos 30 votos em plenário para o aliado político

Durou pouco a alegria pela recomposição do “blocão” liderado pelo deputado estadual Marcelo Santos (PDT), que deixou aparentemente fortalecido o grupo do presidente da Assembleia Legislativa, Erick Musso (PRB), na disputa pela indicação do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). 

Na noite desta quinta-feira (14), o mercado apontou para uma reviravolta no cenário, com a entrada em cena do governador Renato Casagrande, que teria garantido pelo menos 17 votos em favor do presidente do PSB, Luiz Carlos Ciciliotti, seu candidato ao cargo na vaga do conselheiro afastado Valci Ferreira, que se encontra preso. 

Informações que circularam nos bastidores políticos indicam que a alteração no quadro, que inicialmente dava vantagem ao deputado Marcelo Santos, representando uma derrota para o governo, ocorreu durante uma reunião que teria havido entre Erick Musso, Marcelo Santos e Casagrande. 

A partir desse encontro, confirmado por fontes extra-oficiais, vários deputados passaram para o lado do governo, em apoio a Ciciliotti. Do lado oposto, o mercado político estima de 10 a 11 parlamentares, incluindo três dos quatro do PSL. 
 
Braço direito do governador Renato Casagrande e coordenador da campanha eleitoral, o farmacêutico Luiz Carlos Ciciliotti não foi agraciado com nenhum cargo de destaque no governo. O mercado aponta que esse cenário teria por finalidade resguardá-lo para ocupar o cargo de conselheiro, assim que fosse declarado vago. 
 
A concessão de aposentadoria de Valci Ferreira foi publicada no Diário Oficial desta quinta e o TCE já oficiou à Assembleia, possibilitando a abertura da vaga de conselheiro. Valci solicitou o benefício no último dia 4 de fevereiro ao Instituto de Previdência dos Servidores do Estado (IPAJM). 

Desde a semana passada, a disputa pela indicação move as articulações em torno dos principais candidatos, Marcelo Santos e Luiz Carlos Ciciliotti. Foi exatamente para contestar o livre trânsito de Marcelo nas comissões permanentes da Assembleia que o “blocão” sofreu abalo nessa terça-feira, sendo recomposto no dia seguinte, com Marcelo liderando. 

Com o grupo de Erick Musso/Marcelo Santos fortalecido, o governo resolveu investir pesado, obtendo nesta quina-feira o apoio da maioria dos 30 deputados e rachando a articulação em favor de Marcelo  Santos. 

Auditores

Também nesta quinta-feira, em prosseguimento às ações visando reduzir a influência política na indicação dos conselheiros do TCE, o presidente do Sindicato dos Auditores de Controle Externo, Rafael Lamas, encaminhou ofício ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), José Carlos Rizk Filho, solicitando um posicionamento sobre o assunto e uma moção de apoio. A entidade defende a indicação para conselheiros de técnicos especializados em contas públicas. 

“Vem esta entidade requerer que essa seccional se manifeste e intervenha no processo que se inicia em nosso Estado, em prol do estrito cumprimento dos requisitos constitucionais, especialmente no que se refere à comprovação de conhecimentos técnicos e reputação ilibada, visando evitar reflexos negativos futuros em prejuízo à sociedade capixaba”.

O sindicato, juntamente com a associação dos auditores (Ascontrol), realizou consulta eletrônica entre seus 200 associados e apresentou uma lista tríplice para escolha do futuro conselheiro, em substituição a Valci. São eles: Alexsander Binda Alves, Odilson Souza Barbosa Jr e Holdar de Barros Figueira Netto.

Os auditores consideram que as alterações nos critérios são essenciais, a fim de que os “órgãos técnicos não sejam contaminados pela influência política”, pois “o atual cenário vivido pelo país sob forte crise ética, moral, política e financeira, em que parte dela se iniciou pela ausência de controle devido à forma de nomeação nada republicana dos conselheiros nos tribunais de contas Brasil afora”. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • ENVERGONHADO , sexta, 15 de fevereiro de 2019

    Como pode um farmacêutico julgar assuntos relacionados à direito publico, contabilidade pública e administração pública? Nosso estado esta perdido, pensei que iria melhorar com o novo governo, mas me enganei. Pensei que já estávamos no fundo do posso, mas pelo visto estamos longe dele, mas uma hora iremos chegar lá. Que Deus te proteja ES, pois o câncer aqui instalado não tem mais cura.