CNJ critica projeto de Moro por alterar prazo para audiências de custódia

Mudança no Código de Processo Penal passam de 24 para 72 horas a realização da audiência

O Pleno do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) aprovou uma nota técnica na qual avalia que a eficácia das audiências de custódia pode ser comprometida se o prazo para apresentação do preso para a autoridade judicial for ampliado para 72 horas e se o uso de videoconferências for autorizado. Ambas as alterações constam do Projeto de Lei (PL) nº 8045/10, que reforma o Código de Processo Penal (CPC) e está em tramitação na Câmara dos Deputados, conhecido como "pacote anticrime" do ministro da justiça Sérgio Moro.

No Estado, representantes de entidades de Direitos Humanos e da Defensoria Pública também fazem críticas à ampliação do prazo para se realizar as audiências de custódia. Para eles, caso a alteração seja aprovada, a medida vai afetar legislações internacionais, como o Pacto de São José da Costa Rica, e favorecer a violência a suspeitos de crimes. 

Gilmar Ferreira, do Centro de Defesa dos Direitos Humanos da Serra (CDDH-Serra), explica que as audiências de custódia foram criadas para diminuir a superlotação e o encarceramento em massa em curso no Espírito Santo. Segundo ele, aumentar o tempo de apresentação do custodiado de 24 para 72 horas derruba os objetivos principais da medida e deixará o custodiado mais tempo em viaturas, presídios e outros locais onde estarão sujeitos a tortura e todas as formas de violência. 

“É  bom lembrar que nada no serviço público é  excepcional  e normalmente vira regra  geral e por tempo indeterminado. O exemplo disso, no Estado, foram as celas metálicas, instaladas aqui em 2006. Seriam para três meses e quase ficaram eternizadas”.  

Quanto à audiência por videoconferência, Gilmar destacou que o sistema não permite ao magistrado bem como aos integrantes do Ministério Público e da Defensoria terem um contato pessoal e direto com o custodiado, o que pode favorecer o ocultamento de marcas de violência física cometida por agentes públicos. Além disso, para ele, o contato pessoal traz à tona elementos importantes para formar a opinião segura do julgador.

“Essas mudanças propostas pelo ministro Moro configuram o caráter punitivista e encarcerador daqueles que querem cada vez mais o castigo e a vingança do Estado Penal. Certamente, aumentarão a violência cometida pelo agente público e, novamente, as vítimas serão, maioritariamente, pobres, negros, jovens e da periferia, que compõem as comunidades que, recentemente, foram chamadas  por órgãos de imprensa e autoridades de ‘território do crime’”. 

As mudanças

O Projeto de Lei nº 6620/2016, que regulamenta as audiências de custódia no Brasil, foi apensado ao Projeto de Lei nº 8045/2010, que reforma o Código de Processo Penal, ambos em tramitação na Câmara dos Deputados. Ao ser enviado para apreciação dos deputados, após aprovação do Senado Federal, o então Projeto de Lei nº 6620 constou em seu texto que o prazo para a apresentação do preso perante o juiz competente poderá ser estendido para, no máximo, 72 horas, mediante decisão fundamentada do juiz, em decorrência de dificuldades operacionais da autoridade policial e que “excepcionalmente, por decisão fundamentada do juiz competente e ante a impossibilidade de apresentação pessoal do preso, a audiência de custódia poderá ser realizada por meio de sistema de videoconferência ou de outro recurso tecnológico de transmissão de som e imagem em tempo real, respeitado o prazo estipulado”.  

Na avaliação da equipe técnica do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF), do CNJ, o prazo de 24 horas é o que mais se compatibiliza com os objetivos da audiência de custódia para evitar a manutenção de prisões ilegais e desnecessárias e a tortura no momento da prisão.

“A aprovação do projeto de lei que autoriza a prorrogação desse prazo por até 72 horas pode prejudicar os objetivos da audiência de custódia. Outrossim, é permitir que a exceção vire a regra em muitas comarcas do país”, completa o texto, ressaltando que o próprio Supremo Tribunal Federal (STF) já reconhece o alargamento do prazo. “Não há necessidade de que a lei traga uma exceção à regra do prazo de apresentação do preso”, avalia o parecer. 

Sobre o uso de videoconferências, a equipe técnica considera que a apresentação pessoal do preso é fundamental para inibir e, sobretudo, coibir práticas de tortura e maus tratos, principalmente aquelas praticadas no âmbito das investigações policiais e durante o policiamento ostensivo, para a obtenção de confissão ou informação e para o emprego de castigos a presos e suspeito de crimes.

"Conforme se constata da Resolução CNJ nº 213/2015, a condução imediata da pessoa presa à autoridade judicial é o meio mais eficaz para prevenir e reprimir a prática de tortura no momento da prisão, assegurando, portanto, o direito à integridade física e psicológica das pessoas submetidas à custódia estatal, previsto no art. 5.2 da Convenção Americana de Direitos Humanos e no art. 2.1 da Convenção Contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes”, detalha o documento.  

Histórico

Lançadas em fevereiro de 2015 pelo CNJ, as audiências de custódia consistem na garantia da rápida apresentação do preso a um juiz nos casos de prisões em flagrante. A ideia é que o acusado seja apresentado e entrevistado pelo juiz, em uma audiência em que serão ouvidas também as manifestações do Ministério Público, da Defensoria Pública ou do advogado do preso. A implementação das audiências de custódia está prevista em pactos e tratados internacionais assinados pelo Brasil, como o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos e a Convenção Interamericana de Direitos Humanos, conhecida como Pacto de San Jose. 

Acompanhado de seu advogado ou de um defensor público, o autuado será ouvido, previamente, por um juiz, que decidirá sobre o relaxamento da prisão ou sobre a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva. O juiz também avaliará se a prisão preventiva pode ser substituída por liberdade provisória até o julgamento definitivo do processo, e adotará, se for o caso, medidas cautelares como monitoramento eletrônico e apresentação periódica em juízo. 

No Espírito Santo o projeto foi lançado em maio de 2015 pelo Tribunal de Justiça, quando o serviço de plantão de flagrantes começou a funcionar no Centro de Triagem de Viana para os juízos de Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica e Viana. O Estado foi o segundo da federação a implantar o projeto, que no ano passado registrou mais uma ampliação e tem a expectativa de agregar todas as regiões capixabas até o final de 2019.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Percentual de magistradas na Justiça capixaba aumentou 1% em dez anos

Dados de pesquisa do CNJ indicam ainda que índice no Estado está abaixo da média nacional 

Defensoria analisa situação de presos provisórios para reduzir superlotação

Governador Renato Casagrande pediu recentemente que a DPES foque seus esforços no sistema prisional

Decreto de armas vai ampliar extermínio de pobres e favorecer indústria bélica

Para militantes e o próprio governo do ES, para reduzir a violência, é preciso retirar armas de circulação

CNJ fará diagnóstico das coordenadorias e varas da infância e juventude

Para militantes de Direitos Humanos, há muito o que se avançar na proteção da infância e juventude