Com abono, servidores tiveram altos descontos do Imposto de Renda

Abono de Hartung virou ''presente de grego'' com servidores recebendo menos que em novembro

O presente do final da administração Paulo Hartung (sem partido), o comemorado abono de fim de ano, está tendo um gosto amargo para parte do funcionalismo estadual. Isso porque, segundo sindicatos representativos, o valor - R$ 1,5 mil - foi incluído no total da remuneração, somando-se ao salário e ao 13º salário (pago no mês de aniversário do trabalhador), o que obrigou servidores isentos a recolher o Imposto de Renda (IR) também sobre o salário mensal. 

A reclamação, feita por entidades que representam a Saúde (Sindsaúde e Sindienfermeiros) e pelo Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos), aponta, assim, que ao vez de reforçar o orçamento para as festas de final de ano, o abono fez justamente o contrário: reduzir a remuneração, gerando revolta ao funcionalismo público.

A situação não atingiu apenas os servidores com altos salários da administração pública. O “presente de grego”, como chama o sindicato, foi também para muitos trabalhadores que recebem pouco mais (ou até menos) de um salário mínimo, sobretudo, nas áreas da saúde e educação.

Em notícia veiculada em seu site, o Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos) alertou: “Mais uma vez quem sai ganhando é o próprio governo, visto que os valores arrecadados de Imposto de Renda retornam para o próprio caixa do Estado. Ou seja, o governo concede, mas retira. Fato esse que só contribui para o futuro ex-governador Paulo Hartung (sem partido) não deixar mesmo saudades para o funcionalismo público. A categoria está na bronca com os descontos no contracheque de dezembro”. 

E continuou: “Tanto o Sindipúblicos quanto os demais sindicatos representantes de servidores repudiaram essa manobra do governo. É preciso que ao invés de pagar abono, que o governo recomponha a inflação os salários dos servidores, contribuindo para toda a sociedade ao movimentar a economia local e valorizar os serviços públicos de qualidade”.

Ipea aponta perdas salariais

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), servidores estaduais tiveram 314% de perdas salariais entre os anos de 1995 a 2016. Em recente pesquisa divulgada pelo Instituto, o “Atlas do Estado Brasileiro”, dados comprovam que no período citado, correspondente a mais ou menos uma década, o funcionalismo passou de uma média salarial de R$ 3 mil (1995) para R$ 5 mil (2016), um reajuste de 66%, enquanto a inflação (INPC) no período chegou a 380%.

Outro dado divulgado no Atlas refere-se ao aumento do número de servidores. Conforme levantamento do Ipea, em 2016, o Espírito Santo só possuía 2% da população atuando como servidor estadual, cerca de 78 mil pessoas, índice que teve um acréscimo de 69% em relação ao quadro atual. Apesar do crescimento, o número ainda está aquém das necessidades para a oferta dos serviços públicos de qualidade, uma vez que órgãos e autarquias estão tendo que restringir o atendimento ao público e reduzir suas demandas de atuação por falta de pessoal. 

Para o Sindipúblicos, o governo eleito Renato Casagrande (PSB) terá que profissionalizar a gestão, abrindo novos concursos para suprir os déficits de servidores, garantindo, assim, um bom atendimento e fortalecendo do Estado. “E que cumpra o prometido em campanha, de discutir a recomposição do salário dos servidores".

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Ministro do STJ se posiciona contra uso de tabela da OAB para pagar dativos

Rogerio Schietti criticou os gastos que os estados têm com os dativos em detrimento de Defensoria

Espaço secundário

Majeski ser jogado para escanteio no governo Hartung, sempre foi o esperado. Mas no período Casagrande...

Acordo assinado por Hartung pode engessar gestão ambiental de Casagrande

Proposto pelo MPF, Hartung aprovou Termo que não estabelece níveis aceitáveis para emissões de poluentes

Paulo Hartung se despede aprovando superpoderes para procurador-geral de Justiça

Eder Pontes também atuará em processos de políticos com foro privilegiado em 1º grau, excluindo promotores