Comissão Popular cobra respostas de Moro sobre atuação da Força Nacional

Carta aberta ao ministro, que cumpriu agenda no Estado, alerta que violência não diminuiu em Cariacica

A presença em Vitória do ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, nesta terça-feira (29), gerou reação do movimento social de Cariacica, onde está em curso o Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade Violenta, intitulado "Em Frente, Brasil". Em carta aberta publicada nas redes sociais, a Comissão Popular de Monitoramento do Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade Violenta levanta questionamentos sobre o projeto piloto e reforça que as ações não têm tido os resultados anunciados, já que a violência no município continua aumentando, mesmo após o início do programa, em agosto deste ano.

Lula Rocha, coordenador da Comissão Popular e do Círculo Palmarino, entidade do movimento negro, aponta que estão previstos no programa, até então, ações de saturamento do policiamento ostensivo com o auxílio da Força Nacional. No entanto, alerta, o enfrentamento à violência não se resume à ação policial, sozinha, apesar de importante. 

A Força Nacional chegou à cidade em 28 de agosto. Nesse mesmo mês, foram nove homicídios registrados no município. Em setembro, esse número aumentou para 10. 

Na carta aberta “Moro: Cariacica espera respostas”, a Comissão Popular de Monitoramento do Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade Violenta em Cariacica, levantou questionamentos como: “Qual o custo mensal para garantir a permanência da Força Nacional no município? Quais ações serão implementadas para além do emprego da Força Nacional? Quais são os objetivos, metodologias, indicadores, metas e orçamentos dessas possíveis outras ações contidas no programa? Qual é o cronograma de implantação do projeto piloto e como ele será avaliado para ser expandido ou não para as demais cidades?”. Perguntas essas que têm sido feitas desde o anúncio do projeto, mas ainda prosseguem sem respostas. 

“Esperamos que com a vinda do ministro essas respostas cheguem ao conhecimento da população. Caso contrário, a nossa suspeita de que estamos sendo cobaias de uma política que não teria as reais condições de enfrentar o problema da violência estará confirmada. Cariacica não suporta mais a negligência do Estado e suas instituições. O aumento da criminalidade está intimamente ligado ao abandono da cidade e a falta de perspectivas para superação de graves situações nas áreas sociais e econômicas. Por isso, não nos interessam festas e holofotes em cima da tragédia cotidiana que vivemos. Queremos medidas efetivas para sairmos do caos que a cidade se encontra”, pontuou o documento.

A carta lembra, ainda, que "fruto de debates com a sociedade e suas instituições e diversas pesquisas na área, já havíamos avançado no sentido de entender o fenômeno da violência como multicausal e assim buscar enfrentá-lo em diversas frentes. Assim, em 2008, surgiu o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania - Pronasci. Ele previa uma série de ações nas áreas de educação, cultura, esporte, geração de emprego e renda, assistência social, juventude, combate ao racismo, promoção dos direitos das mulheres, dentre outras. Essa concepção rompia com a visão autoritária que se tinha em relação às políticas de segurança pública. Entretanto, o Governo Bolsonaro ignora esse olhar ao propor o atual projeto piloto".

Cariacica foi escolhida ao lado de mais quatro cidades do país para receber o projeto piloto do programa do governo federal. Entretanto, de acordo com as organizações dos movimentos sociais, não houve o debate necessário para implementação do projeto do ministro da Justiça, Sergio Moro, tampouco a disponibilização de informações sobre quais ações serão executadas, o recurso destinado e as metas e impactos esperados. 

Oficialmente, o ministro veio ao Espírito Santo para acompanhar o trabalho da Força Nacional e conhecer o Programa Estado Presente em Defesa da Vida, do governo Renato Casagrande (PSB).

Debates

A Comissão Popular de Monitoramento do Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade vai realizar um ciclo de debates em Cariacica. O primeiro já ocorreu, na Câmara Municipal, com o tema assistência social. Os demais - ainda sem datas marcadas - serão voltados para educação e saúde.

Áreas consideradas essenciais no combate à criminalidade, o grupo quer saber o que o município pretende fazer para além da atuação da Força Nacional. Hoje a Comissão não percebe nenhuma mudança em termos de investimento por parte do poder público e acrescenta que a gestão do prefeito Geraldo Luzia de Oliveira Junior (Cidadania), o Juninho, não sinalizou nenhum aumento de investimento em políticas relacionadas à questão.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

No Dia da Consciência Negra, governo anuncia cotas de 20% em concursos

Movimento Negro comemora, mas lembra que projeto havia sido retirado da pauta da Ales por Casagrande 

Cariacica entrega centro de tratamento de jovens dependentes no dia 25

Prefeito Juninho foi alvo de uma ação civil pública requerendo a construção do CAPSi no município

Estado participa de campanha nacional contra extermínio de jovens da periferia

Movimento negro realiza sarau neste sábado no Centro de Vitória com artistas que dão voz à juventude

Sindicato da Orla Portuária luta contra privatização da Codesa

Representantes dos trabalhadores pedem intervenção do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ)