Compositoras capixabas apresentam suas obras no Festival Sonora

Jessica Roberts (foto), Monique Rocha e Banda Suindara serão atrações neste domingo na Casa Guava

No ano passado, o Sonora - Festival Internacional de Compositoras aconteceu em 74 cidades de 16 países. Em 2019, pela terceira vez, Vitória será uma das cidades-sedes do evento, que busca promover as mulheres compositoras, que ainda lutam por espaço nas cenas musicais, geralmente ocupadas majoritariamente por homens. A versão capixaba do Sonora será no próximo domingo (13), às 16h, na Guava, em Jardim Camburi.

A atividade contará com três atrações de sonoridades diversas. Monique Rocha é cantora, compositora, contadora de histórias e atriz. Na música, tem base no samba e ritmos afrobrasileiros, com letras que apresentam a ancestralidade e as lutas sociais.

Já o Suindara, formado na vila de Patrimônio da Penha, no Caparaó capixaba, reúne as artistas Laíssa Gamaro, Aline Maria e Relva Rodrigues, com um som inspirado na natureza e na cultura popular e tradicional, com uma mensagem de harmonia e esperança.

Jessica Roberts, professora, cantora e compositora produz, por sua vez, músicas com uma grande diversidade rítmica. Autodidata em instrumentos, passa pela MPB, rock, samba, forró, ritmos latinos, compondo em português e espanhol.

Cada uma fará uma apresentação de cerca de 40 minutos, com composições ao vivo. Como diz o material institucional do evento, o objetivo é romper o imaginário de que existem poucas compositoras, mulheres que criam sua arte sonora. Elas são várias em todas partes, mas não possuem o mesmo espaço e reconhecimento que os homens, já que o machismo é presente nas estruturas sociais e também artísticas na sociedade. Assim, entre os objetivos do Sonora, estão além de dar visibilidade, promover e legitimar a presença da mulher compositora, promover o empoderamento artístico, profissional e econômico delas.

"Muitas vezes as mulheres não têm espaço nem ímpeto para mostrar sua composições por conta das dificuldades que encontram. A ideia é dar uma força, a partir de uma equipe formada também por mulheres", diz Bárbara Zanetti, uma das produtoras locais. A produção, as coordenadoras do espaço, as comidas que serão vendidas, o apoio na montagem de som e outras tarefas serão feitas por um time feminino, o que melhora também a acolhida das artistas. O festival costuma acontecer em locais que já promovem primordialmente a música autoral e acolhem a cena local, como é o caso da Guava, um laboratório de projetos artísticos que é comandado por mulheres.

"É um festival de resistência, por ser organizado por mulheres e para mulheres, acaba sendo algo para peitar, ainda mais num cenário político como o do Brasil hoje. O Sonora é imprescindível, é uma afronta, temos que ocupar espaços de cultura e de arte e se fazer presente nesses espaços", pontua a produtora.

AGENDA CULTURAL

Sonora - Festival Internacional de Compositoras

Quando: Domingo, 16 de outubro, 16h às 21h

Onde: Guava - Rua Orlando Caliman, 466A, Jardim Camburi - Vitória/ES

Ingresso no dia do evento: R$ 20

Mais informações aqui

Sobre as artistas:

Banda Suindara

Suindara é um trio de mulheres criadoras habitantes da floresta do Caparaó. Através da música elas sentem, rezam, lutam, ensinam e aprendem. Suas canções relembram o passado, consagram o presente e zelam pelo futuro da humanidade. Suas canções inspiradas pela natureza, diversidade cultural e pela busca da harmonia entre todos os seres, cânticos ancestrais sagrados, músicas de dança circular, além de canções populares que trazem em si mensagens de fé e esperança.

Monique Rocha

Monique Rocha é cantora, atriz e arte educadora. Tem sua trajetória pautada na mesclagem da Música e do Teatro, tendo participado de vários espetáculos teatrais e musicais. No decorrer de sua carreira desenvolve projetos que tem como foco as questões sociais, como a importância das lutas raciais e da mulher. No SONORA ela apresenta “Sambas, Congos e Pontos”, seu primeiro trabalho autoral, que passeia pela musicalidade afro-brasileira, entre sambas, toadas do nosso congo capixaba e cantigas de cunho afro religioso, formando uma sonoridade ao mesmo tempo regional mas sem fronteiras.

Jessica Roberts

Cantora, compositora e professora, natural de Vitória (ES) Jessica Roberts é autodidata quando o assunto é instrumentos e ritmos. Jessica descobriu-se artista no colégio, em 2004 num projeto escolar e desde 2009 expõe na internet suas composições. Em 2012, uma de suas músicas foi lançada na rádio Tribuna AM 590, intitulada "Essa é a Hora". Em 2012, sob o incentivo de Luciana Andrade, uma de suas cantoras favoritas, se encheu de coragem para mostrar o seu trabalho e investiu no cd "Intrínseco" que está disponível em todas as plataformas digitais.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Depois de sofrer AVC, fotógrafo registra vida de pessoas com deficiência

Mesmo com paralisia no braço direito, Rafael Bof fotografa com uma mão só e já realizou 18 exposições

Vale a pena ir ao navio-livraria em Vitória?

Coluna CulturArte: visitando o navio Logos Hope, Festival Canela Verde, cachoeirenses na parede

Inspirada em ataque homofóbico, 'A Golondrina' será apresentada em Vitória

Escrita pelo elogiado Guillem Clua, peça teatral fala sobre diversidade, aceitação e empatia

Humanos e pombos, pragas das cidades? 

Espetáculo de rua que estreia sexta-feira, Revoada traz em teatro e dança reflexões sobre a atualidade