Concurso para cartórios: desembargador notifica CNJ antes do fim de julgamento

Apesar da decisão de Samuel Meira, suspeitas de fraudes na apresentação de títulos não foram afastadas

A discussão sobre a homologação do concurso público para cartórios no Espírito Santo, denunciado por irregularidades, registrou mais um capítulo no Pleno do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) nesta semana. A maioria dos desembargadores votou a favor da tese de que o resultado do concurso já havia sido homologado pelo antigo corregedor-geral de Justiça local, desembargador Ronaldo Gonçalves de Sousa, e o atual, Samuel Meira Brasil Júnior, não aguardou sequer a conclusão do julgamento – adiado depois de um novo pedido de vistas – e notificou o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) da “futura decisão”.
 
No ofício, encaminhado ao conselheiro André Godinho, que é o relator de procedimentos de controle administrativo relativos ao concurso, Samuel Meira comunica que teriam sido esgotados todos os atos de sua competência, encerrando assim a sua atuação como presidente do concurso. O magistrado informa ainda que os futuros atos de outorga das serventias aos aprovados são de competência do Tribunal de Justiça, desembargador Sérgio Luiz Teixeira Gama.
 
A atitude de Samuel Meira causou estranheza nos meios jurídicos por ignorar eventuais mudanças nos rumos do julgamento, como já ocorreu na análise deste mesmo caso. No documento, o corregedor afirma textualmente que o caso ainda não foi concluído, mas admite que “os votos remanescentes não são suficientes para alterar o resultado da votação empreendida”. O Regimento Interno do TJES e de todos os outros tribunais permitem que os julgadores possam rever seus posicionamentos até a promulgação do resultado, o que ainda não ocorreu.
 
Na sessão do Pleno dessa quinta-feira (22), o julgamento teve uma nova reviravolta após o voto do ex-presidente do Tribunal, Sérgio Bizzotto, que havia pedido vistas do caso na última reunião. Ele defendeu a tese de que o concurso já foi homologado pelo antigo corregedor e que a sessão da escolha das outorgas, realizada em agosto, não dependeria da convalidação do Tribunal. Nas sessões anteriores, o próprio corregedor Samuel Meira havia levado dúvidas sobre o ato, levando para discussão no Pleno se a eventual homologação caberia a ele, de forma monocrática, ou em decisão colegiado pelos demais desembargadores.
 
A “solução” encontrada por Bizzotto parece ter agradado inclusive os desembargadores que resistiam em homologar o certame, que é alvo de suspeitas de fraudes na apresentação de títulos por candidatos aprovados. Mas apesar da ampla vantagem da tese de que a homologação já foi resolvida, o desembargador Arthur José Neiva de Almeida decidiu pedir vistas para examinar melhor o processo. De toda forma, as suspeitas de fraudes no concurso não foram totalmente afastadas e o CNJ ainda está debruçado sobre a denúncia. 
 
Entre os fatos denunciados estão diplomas de pós-graduação irregulares, falsas declarações de exercício da advocacia e até documentos adulterados para comprovar a suposta prestação de serviço à Justiça Eleitoral – que são critérios de bonificação na fase de avaliação dos títulos. Neste tipo de concurso, a posição do candidato é fundamental para a escolha de uma serventia extrajudicial (cartório) mais vantajosa do ponto de vista financeiro. Nas demais seleções, a ordem de classificação não gera maiores controvérsias, por não existir distinção no padrão remuneratório definido para a carreira almejada. A Comissão do Concurso e a entidade organizadora (Cespe/UnB) não teria realizado sequer uma pesquisa mais cuidadosa sobre os documentos apresentados pelos candidatos. 

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pela exigência da validação de todos os certificados apresentados em concurso no Rio Grande do Sul semelhante ao caso capixaba.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
2 Comentários
  • Higor , sábado, 24 de novembro de 2018

    Esta matéria é a terceira veiculada por este site sobre o assunto e até o momento não foi constatada 01 (uma) linha sequer transcrevendo o que dizem os candidatos do concurso sobre a denúncia. Não se falou também que a cabeleireira denunciante já prestou depoimento na Delegacia e declarou que foi aliciada por uma pessoa para assinar a "denuncia" sem saber seu conteúdo. (Toda) A verdade NUNCA esteve nas matérias deste site. Lamentável.

  • Luiz , sábado, 24 de novembro de 2018

    A quem interessa a demora para conclusão do certame que já se arrasta a mais de 5 anos?

Matérias Relacionadas

Ministério Público Estadual pede suspensão de concursos para cartórios do TJES

Órgão ministerial aponta que suspeitas de títulos falsos colocam em dúvida a lisura do certame

TJES reabre investigação para apurar irregularidades em concurso para cartórios

Antigo corregedor diz que tomou as providências cabíveis, mas Samuel Meira Brasil abriu nova investigação

Denúncia revela que TJES sabia desde 2016 de fraudes em concurso para cartório

Em março daquele ano, problemas identificados na apresentação dos títulos foi encaminhado ao Tribunal