Conselheiros pedem nulidade do Termo de Desinterdição Condicionada da Vale

Ambientalistas pedem garantias de que as irregularidades que motivaram a interdição serão sanadas

O Termo de Desinterdição Condicionada (TDC) nº 001/2019, concedida à mineradora Vale no último dia 12 de fevereiro, está sendo questionado por representantes da sociedade civil que integram o Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (Comdema) de Vitória e o Conselho Estadual de Meio Ambiental e Recursos Hídricos (Consema). Eles pedem a nulidade da medida.

A primeira razão é o fato do mesmo ter sido assinado por servidores de cargo comissionado da Prefeitura de Vitória e não pelo titular da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam), Luis Emanuel Zouain da Rocha, ou o prefeito Luciano Rezende (PPS), com anuência da Procuradoria Geral do Município, segundo preconiza a legislação.

“O Termo também deveria ter sido comunicado à Polícia Civil, porque tem implicações em crimes ambientais recorrentes”, complementa Gilson Mesquita, da Associação Capixaba de Proteção ao Meio Ambiente (Acapema) e membro do Comdema.

Presidente da ONG Juntos SOS ES Ambiental, o conselheiro do Consema Eraylton Moreschi Junior, em requerimento ao prefeito da capital, pede a nulidade do termo, “pois não teremos garantia alguma de que a empresa Vale irá cumprir com o que foi pactuado neste termo, [considerando] seu histórico de descumprimentos de condicionantes e TCAS [Termos de Compromisso Ambiental]”, justifica o ambientalista no documento.

O requerimento também traz doze questionamentos sobre a medida, referentes ao prazo que a empresa recebeu para regularizar os problemas que foram o motivo da interdição e às garantias de abastecimento da população em caso de futura crise hídrica, e ainda sobre servidores que irão acompanhar o cumprimento do Termo e o comunicado às Polícias Civil e Federal em relação à decisão de desinterditar.

“A Vale sempre descumpre os acordos e sempre recorre ao Judiciário. Mas perdeu desta vez”, comenta Gilson, referindo-se à multa de R$ 35 milhões e a interdição sofridas pela mineradora no início de fevereiro deste ano.

A interdição aconteceu no dia sete de fevereiro, sendo que nos dias 8 e 9 a planta industrial da Vale foram fiscalizadas pela Semmam e pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), com assinatura do TDC 001/2019 no dia 12.

Nele, a Vale se compromete a ampliar a reservação dos efluentes líquidos – de 2,8 mil m³ para 14,8 mil m³ de efluentes – instalar uma rede de monitoramento da qualidade do ar de Vitória e identificar o DNA da poeira sedimentável (pó preto), dentre outras obrigações, como compra de equipamentos.

“Após a instalação da CPI [Comissão Parlamentar de Inquérito] dos TCAs na Assembleia Legislativa, todas as prefeituras da Grande Vitória foram chamadas pelo Iema pra nivelar informações sobre TCAs feitos com a Vale e que estão sendo descumpridos. E serão chamadas à CPI. Eu tenho certeza que é um nada-jurídico pra ganhar tempo. Por isso somos contrários aos TCAs e a favor de TACs, os Termos de Ajustamento de Conduta, porque eles têm prazo e obrigações pecuniárias”, argumenta Gilson Mesquita.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

MPF é acionado para suspender desinterdição da Vale

ONG requer retomada da interdição até assinatura de um novo acordo, com participação da sociedade civil

Presidente do Iema será convocado para explicar condicionantes da Vale

Alaimar Fiuza deve responder à acusação da Vale de que não cumprimento é por culpa do Estado

CPI sobre os TCAs com as poluidoras e a LO da Vale é criada na Assembleia

Requerimento da CPI, protocolado por Majeski com mais 25 deputados, foi lido na sessão desta segunda

Conselheiro requer dados sobre multas e 'centro inédito de monitoramento'

Em requerimento a secretário de Vitória, Moreschi cita opinião de técnico sobre paralisação das poluidoras