CPI da Sonegação convoca 24 pessoas relacionadas ao crime da Samarco/Vale-BHP

Reunião nesta quarta deve debater o fim das isenções fiscais à Vale por não indenizar atingidos no Estado

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Sonegação, presidida pelo deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD), convocou 24 pessoas relacionadas ao crime da Samarco/Vale-BHP para a reunião do colegiado desta quarta-feira (4), às 12 horas. A maioria faz parte do quadro da Fundação Renova, acusada de não pagar as indenizações aos atingidos no Espírito Santo, mas devem comparecer ainda os presidentes das três mineradoras e representantes de empresas seguradoras.

A reunião, como informa a Assembleia Legislativa, tem a expectativa de colocar em pauta a proposta feita pelo próprio Enivaldo e os deputados Euclério Sampaio (sem partido) e Marcos Garcia (PV), na semana passada, para que o governo do Estado interrompa a concessão de isenções e benefícios fiscais à Vale, uma das autoras do crime que devasta o Rio Doce e comunidades capixabas desde cinco de novembro de 2015. 

O presidente da CPI foi quem puxou os discursos, quando lembrou que a Fundação é alvo de graves denúncias sobre o caso nesses quatro anos e ainda deixou de cumprir 41 dos 42 programas estabelecidos no Termo de Transação e Ajustamento de Conduta (TTAC), firmado em 2016 entre as empresas, a União e os governos do Estado e Minas Gerais, destinados a compensar e reparar os danos advindos do rompimento da Barragem de Fundão em Mariana/MG. O acordo suspende a ação civil pública que pedia um valor de R$ 155 bilhões pelo crime.

Além dos presidentes da Samarco, Rodrigo Alvarenga Vilela; da Vale, Eduardo Bartolomeo; e da BHP, Andrew Stewart Mackenzie, a CPI convocou 15 funcionários da Fundação Renova (nomes no final da matéria), entre eles o presidente que recebeu voz de prisão na Assembleia e está de saída do cargo, Roberto Silva Waack. 

A participação dos funcionários, no entanto, é uma incógnita, já que a Fundação vem apresentando habeas corpus preventivo para não comparecer às reuniões da CPI.

Também estão na lista o arquiteto da Empresa Synergia, Alexandre Araújo; o presidente da Allianz Seguros S/A, Eduard Folch Rue; o presidente da Chubb Seguros Brasil S.A., Antonio Eduardo Marquez de Figueiredo Trindade; o presidente da Mapfre Seguros Gerais S.A., Mauricio Galian; o presidente da Swiss RE Corporate Solutions Brasil Seguros S.A., Luciano Calabro Calheiros; e o presidente da Fairfax Brasil Seguros Corporativos S.A., Bruno de Almeida Camargo.

A CPI presidida por Enivaldo, que tem repetido em seus discursos que a Assembleia “não se cansará de correr atrás da Renova”, tem como vice o deputado Euclério Sampaio (sem partido) e, na relatoria, Marcelo Santos (PDT).

‘Queda’ e saída do Comitê

A convocação da CPI ocorre poucos dias após a “queda” do biólogo e administrador de empresas Roberto Waack da presidência da Fundação Renova, motivo de comemoração no plenário da Assembleia.

Numa tentativa de afastar o desgaste decorrente das sucessivas denúncias contra a Renova, Waack usou como justificativa o início de um processo de transição na presidência neste mês de novembro, com conclusão prevista para o início de 2020, com a posse, no cargo, do atual diretor Socioeconômico e Ambiental, André de Freitas, já convocado para a reunião da CPI.

A substituição se inicia num momento em que a própria Renova anunciou sua saída das reuniões do Comitê Interfederativo (CIF), instância criada no âmbito do TTAC para deliberar e fiscalizar a execução dos 42 programas de reparação e compensação.

A Fundação se retirou das duas últimas reuniões mensais do CIF, de outubro e novembro, realizadas em Brasília e Belo Horizonte, respectivamente, alegando, em ofício, se sentir “intimidada pela presença dos atingidos”, que têm declarado seu desespero com a falta de interesse da Fundação em reconhecer e indenizar as pessoas que foram impactadas pela lama de rejeitos. 

Para o prefeito de Baixo Guandu, Neto Barros (PCdoB), presente na última reunião do CIF, a atitude da Fundação é um “verdadeiro absurdo” e demonstra “total desrespeito a todos os atingidos e à sociedade brasileira”.

Outros convocados da Renova

Carlos Rogério Freire de Carvalho - Diretor de Reconstrução e Infraestrutura 
Guilherme Almeida Tângari - Gerente de Governança e Riscos 
Cynthia May Hobbs Pinho - Diretora de Planejamento e Gestão 
André Giancini de Freitas - Diretor de Programas Sociais e Ambientais 
Sérgio Kuroda - Gerente de Território ES
João Vitor Cruzoleto - Colaborador 
Raquel Lopes - Colaboradora 
Felipe Cavalcante - Colaborador 
Rildo Almeida De Paula - Colaborador
Gilson Silva Dias Junior - Colaborador 
Luan Fernandes - Mediador 
Diego Falek - Mediador 
Ticiana Faviero- Advogada 
Maria Dória - Advogada.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Pescadores ocupam escritório da Fundação Renova em Aracruz

Sem receber auxílio pelo crime da Samarco/Vale-BHP, eles acampam no local desde segunda-feira

Entidade pede abertura de processo contra diretor-presidente do Iema

Alaimar Fiuza, ligado à Vale, é acusado de falta de decoro por atos no Conselho Estadual de Meio Ambiente

Crime da Samarco: convocados não comparecem à reunião da CPI da Sonegação

Presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, apresentou HC; deputados querem fim de isenções fiscais

Justiça decide em 2020 se mantém, suspende ou amplia área de pesca proibida

Juiz federal de Linhares concedeu prazo até 21 de fevereiro para Samarco e MPF argumentarem na ação