CPI da Sonegação ouve diretor-presidente da ECO 101 sobre duplicação da BR 101

Deputados querem explicações sobre os atrasos nas obras que, seis anos depois, não chegam a 8%

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Sonegação recebe, nesta quarta-feira (4), o diretor-presidente da ECO 101, José Carlos Cassaniga, às 12 horas, no Plenário Dirceu Cardoso. Presidida pelo deputado Enivaldo dos Anjos (PSD), o colegiado quer conhecer os motivos pelos atrasos na duplicação da BR-101.

A convocação foi anunciada por Enivaldo na sessão ordinária do dia 19 de agosto. Na ocasião, o parlamentar ressaltou que o contrato já tem cerca de seis anos e que pouco foi feito até o momento. “Nesse tempo de arrecadação (com o pedágio) não se sabe por que o que está contratado não foi feito. Já era para ter 200 e poucos quilômetros e tem menos de dez”, lamentou Enivaldo.

Cassaniga participou de reunião da Comissão Especial de Fiscalização da Concessão da BR-101, em abril, quando atribui o atraso nas obras a problemas de licenciamento ambiental. 

A CPI da Sonegação é presidida pelo deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) e tem como vice o deputado Euclério Sampaio (sem partido). O relator é o deputado Marcelo Santos (PDT).

O trecho capixaba da BR-101 tem 475,90 quilômetros, de Mucuri, na Bahia, até a divisa entre o Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Câmara Federal

Os atrasos de duplicação da BR 101 também são alvos de atenção dos deputados capixabas no Congresso Nacional. A Comissão Externa sobre a Fiscalização da Concessionária ECO 101 tem debatido na Câmara o descumprimento do contrato de concessão da rodovia. Até então, apenas 18 quilômetros foram duplicados, sendo que o contrato firmado com a União previa 200 num prazo de seis anos. O que significa dizer que menos de 8% do acordado foram cumpridos. 

Para o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT), que tem proposto os encontros, o contrato de concessão, firmado em 17 de abril de 2013, vem sendo descumprido sistematicamente pela ECO 101, perpetuando um elevado número de acidentes. 

Diante da quebra de contrato, a Justiça determinou a redução do pedágio, que sofrerá retração de 2,25%.

A comissão externa também discute o licenciamento ambiental para duplicação da BR-101 - trecho norte. Uma proposta do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) feita na ocasião pode liberar obra em trechos que não trarão impactos à Reserva de Sooretama, de acordo com o diretor de licenciamento ambiental do órgão, Jônatas de Souza Trindade. Entre eles os compreendidos entre Serra e João Neiva, considerados os mais perigosos. Para a liberação, no entanto, serão realizadas audiências públicas para discussão do projeto com a comunidade. 

Em junho de 2018, o Ibama indeferiu a autorização para licenciamento ambiental devido aos impactos ambientais que potencialmente incidiriam sobre a reserva. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Governo envia projeto da fundação da saúde para gerir hospitais à Assembleia 

Projeto está sendo analisado pelos sindicatos da saúde, que não tinham tido acesso ao texto na íntegra

Agentes socioeducativos fazem pressão para aprovar porte de armas

Presidente do Sinases, Bruno Menelli Dalpiero, e a categoria estão mobilizados na Assembleia

Recompensa de Capitão Assumção para morte de criminoso gera notas de repúdio

Oito entidades da sociedade civil e o Psol de Cariacica ressaltam apologia à violência 

Associação de Defensores vai articular emenda ao PPA para ampliar orçamento 

Profissionais têm apoio de 21 deputados que assinaram emenda à LDO não aprovada em junho