Criminalização da LGBTfobia passa em primeira votação em Comissão do Senado

Militantes acreditam em manobra um dia antes de o STF retomar o julgamento da criminalização

Um dia antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) retomar o julgamento da criminalização da homofobia, avançou no Senado uma proposta para incluir na Lei de Racismo a discriminação por orientação sexual ou de identidade de gênero. O PL 672/ 2019 foi aprovado nesta quarta-feira (22) em caráter terminativo na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), porém, como o texto aprovado é um substitutivo, ainda precisará passar por turno suplementar na CCJ.

Apresentado pelo senador Weverton (PDT-MA), o projeto aprovado na CCJ é um texto alternativo do relator, senador Alessandro Vieira (PPS-SE), que propôs a criminalização das tentativas de se proibir manifestações públicas de afeto. Conforme a proposta, quem “impedir ou restringir a manifestação razoável de afetividade de qualquer pessoa em local público ou privado aberto ao público”, ressalvados os templos religiosos, poderá ser punido com a pena de um a três anos de reclusão.

O texto alternativo também acrescentou os termos “intolerância” (outra forma de manifestação dessa prática criminosa, ao lado da discriminação e do preconceito) e “sexo” (outro fator motivador do delito, ao lado de raça, cor, etnia, religião e procedência nacional) nos dispositivos alterados na Lei do Racismo.

Manobra

Representantes de entidades que lutam pelos direitos dos LGBTI no Espírito Santo acreditam que a aprovação, ao contrário de um bom sinal, pode ser, na verdade, uma manobra dos parlamentares, sobretudo os fundamentalistas. Para Fábio Veiga, presidente do Conselho Estadual LGBTI do Estado, há a possibilidade de a aprovação ter sido feita como forma de sugerir ao STF o arquivamento da matéria. Mas, em seguida, também será abandonada no Congresso.

Fábio explica que O STF não realiza proposição de leis, mas suas decisões acabam forçando o Congresso nessa efetivação. Para ele, se o Supremo arquivar o julgamento da criminalização da homofobia, o Congresso ficará com a desobrigação de seguir com a aprovação das leis nesse sentido”.
 
Como tramita em caráter terminativo na CCJ, caso seja aprovado na votação suplementar, o projeto pode seguir diretamente para Câmara dos Deputados, se não houver pedido para ser analisado no Plenário.
 
Já para o relator, senador Alessandro Vieira, “o projeto foi concebido dentro de um equilíbrio, respeitando a liberdade religiosa e o espaço dos templos, mas modernizando nossa legislação e evitando que outros Poderes, no caso o Poder Judiciário, legisle no nosso lugar”, defendeu.

O senador do Estado, Fabiano Contarato (Rede) e Eduardo Braga (MDB-AM) também apontaram que o legislativo tem se omitido, o que abriu brecha para que o STF esteja perto de equiparar ao racismo a discriminação de pessoas LGBTI (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais).

Contarato reforçou que os direitos da população LGBTI só têm avançado pelo apoio do Judiciário: “São 40 anos de ativismo do movimento LGBTI, mas nenhuma lei foi aprovada que garantisse qualquer direito. Todos os direitos como a adoção, o uso do nome social e o casamento de pessoas do mesmo sexo foram alcançadas pela via do Judiciário. Deixa-me envergonhado que o Congresso Nacional se furte a enfrentar o tema”, disse.

Levantamento divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) aponta o Brasil como líder na violação dos direitos da população LGBTI há seis anos.
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Supremo julga improcedente ação do PSL para alterar Estatuto da Criança

Gilmar Mendes relatou contra mudanças. No Estado, militantes alegam tentativa de criminalizar a infância

Ministra questiona Bolsonaro sobre decreto que ‘anistia’ crimes ambientais

Pedido foi feito pela Rede, do senador Fabiano Contarato, alegando inconstitucionalidade da medida

Decisão do STF fortalece luta indígena em todo o País

No ES, Defensoria Pública busca reverter liminar em favor de posseiros que ocupam área da TI Tupinikim

Criad apela ao Supremo sobre superlotação do sistema socioeducativo

Determinação do Supremo sobre taxa de ocupação das unidades capixabas não tem sido cumprido pelo Estado