Cursinho promove formação de professores em educação popular

Douglas Belchior, da Uneafro, é um dos palestrantes da atividade promovida pelo cursinho popular Risoflora

A construção de uma educação popular com perspectiva libertadora, afrocentrada, com respeito pela diversidade sexual e de gênero e foco no ensino e aprendizagem para moradores de periferia. Esses conceitos fazem parte do processo do Cursinho Popular Risoflora, que funciona no bairro Maria Ortiz, em Vitória. É buscando consolidar as práticas e ampliar os conhecimentos que o cursinho promove o I Curso de Formação de Educadores Populares, que será realizado em três módulos, com carga horária total de 120 horas, que acontecem em três sábados, nos turnos da manhã e tarde.

"Pensamos no curso como forma de capacitar mais os educadores para que tenham um horizonte em comum. Para que haja sintonia entre os educadores para pensar coletivamente uma metodologia e não cada um fazer seu trabalho sem um diálogo e um estudo coletivo", explica Gutemberg de Oliveira, integrante da coordenação do cursinho.

Apesar de ter sido concebido pela coordenação do Risoflora, contando com apoio da ONG Fase, o curso é aberto a outros participantes, tendo como público-alvo educadores de cursinhos populares e professores regulares da EMEF Juscelino Kubitschek de Oliveira, onde funciona o Risoflora e será realizado o curso de formação.

Os palestrantes convidados são as professoras da Universidade Federal do Estado (Ufes), Kiusam de Oliveira, Alexsandro Rodrigues e Roberta Traspadini, Douglas Belchior, da Uneafro em São Paulo, Deborah Sabará, da Associação Gold, e Ynnamileh Johnnu, da Irmandade Pan Africana.

O primeiro módulo, no dia 27 de abril, vai abordar história geral da África e afrocentricidade na educação. No segundo encontro, dia 18 de maio, o tema central será educação de gênero e diversidade sexual. A última etapa acontece em 27 de julho, trazendo como tema a educação popular na América Latina e cursinhos populares no Brasil.

Além das palestras, haverá textos para estudos e os participantes devem elaborar um trabalho final buscando sintetizar os conhecimentos apresentados ao longo do curso, buscando construir produção teórica que possa servir de referência para professores que ingressem nos próximos anos no cursinho.

As inscrições para o Curso de Formação de Educadores Populares estão abertas até o dia 25 de março por meio de preenchimento de formulário online. O curso tem custo de inscrição R$ 30 para os três módulos, que incluem almoço e certificado. 

Confira abaixo o cronograma completo de atividades:

1° Sábado – 27 de Abril

8h às 8h15 - Recepção, Inscrição e Café

8h20 - Abertura e Apresentação

8h25 - 1º Palestra com Ynnamileh Johnnu (Irmandade Pan Africana) – Tema: Afrocentricidade e Diáspora na Educação e Introdução à História Geral da África

12h - Almoço

13h - 2° Palestra com Kiusam de Oliveira (Prof. Dra. UFES) – Tema: Afrocentricidade para as Relações Étnico-Raciais na Educação Popular

17h - Lanche e Despedida

 

2° Sábado – 18 de Maio

8h as 8h15 - Recepção, Inscrição e Café

8h20 - Abertura

8h25 - 1º Palestra com Alexsandro Rodrigues (Prof. Dr. Ufes) – Tema: Educação de Gênero e Diversidade Sexual.

11h30 - Divisão de grupos e leitura de textos (opcional de acordo o palestrante).

12h - Almoço e após Oficina Pedagógica

13h - 2° Palestra com Débora Sabará (GOLD Grupo Orgulho Liberdade e Dignidade) – Tema: Educação de Gênero e Diversidade Sexual.

17h - Lanche e Despedida

 

3° Sábado – 27 de Julho 

8h as 8h15 - Recepção, Inscrição e Café

8h20 - Abertura

8H25 - 1º Palestra com Douglas Belchior (Uneafro - SP) – Tema:  Pedagogia na Luta Negra: Educação Popular, os Cursinhos Populares no Brasil e a Experiência da Uneafro.

11h30 - Divisão de grupos e leitura de textos (opcional de acordo o palestrante).

12h - Almoço

13h - 2° Palestra com Roberta Transpadini (Prof. Dra. Ufes/Unila/ENFF) – Tema: Educação Popular no Brasil e América Latina

17h - Lanche, Despedida e Entrega dos Certificados

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Documentário registra relações das crianças com 'cultura do mangue'

‘Mangue Escola’ será exibido segunda-feira no Cine Metrópolis mostrando raízes culturais de Goiabeiras

Professores da Ufes disputam direção do sindicato da categoria 

Três chapas participam do pleito, sendo uma representando o movimento de direita 

Ethel Maciel vence consulta informal para reitoria da Ufes

Atual vice-reitora foi a mais votada entre alunos e professores, mas decisão final será de Bolsonaro

Governador anuncia 28 novas escolas em tempo integral em 2020

O número de alunos irá dobrar com a expansão, que incluirá também escolas do campo